TRADUTOR

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Sereis odiados de todos


... e sereis odiados de todas as gentes por causa do meu nome. Mateus 24.9

Não tenho a intenção de fazer uma exegese do texto, e nem de falar o que este texto realmente quer dizer; apenas o tomo como base, ou orientação para aquilo que pretendo abordar. À algum tempo estava conversando com meu irmão, e fiz uma afirmação para ele, de algo que eu estava observando. E eu lhe disse, que o nome de Jesus, esta gradativamente sumindo das músicas, que o assunto Jesus, está gradativamente sumindo dos pulpitos, de nossas, igrejas. Que as pessoas até aceitam que você fale de Deus para elas, mas, é por que você fala "Deus", ou seja este é um nome genérico, ou seja Buda também é "deus", Alá também é "deus", entre outros tantos ai; mas, se você diz Jesus, o assunto muda.
E é justamente sobre esta observação que eu quero falar. Jesus, eu disse ai em cima, que ele tem sumido gradativamente de nossas musicas, e não são as nossas músicas muito aceitas ultimamente, pelo mundo? Não que isto em si seja negativo, pois elas estando lá, é um meio para que o evangelho chegue até as pessoas. Mas, o que eu quero observar, é que muita das vezes nossas músicas dizem, ou se referem a Deus, como contudo dizer o seu nome, ou quando dizem usam o nome genérico(genérico digo de original, ou seja o nome que dizem quem ele é, a sua essência, que é a divina, mas, não diz a sua identidade como pessoa), ou usam o nome Senhor( que também é seu nome,mas, apenas está se referindo ao seu poderio, e soberania, e não a sua pessoa, ou seja é impessoal), e raras muito raras são as músicas que o chama pelo seu nome, Jesus. Sei que Jesus, é o nome de apenas uma das pessoas da trindade, mas, como a própria Bíblia diz, este é o nome dado a baixo dos ceús pelo qual devamos clamar(Atos 4.8-12), não se da o nome de Deus Pai, nem o nome de Deus Espírito Santo, o nome Jeová é muita das vezes traduzido como Senhor, ou mesmo Deus.Há canções que até, o dizem se referindo como "você"; ou seja uma hora ele é Deus, há muitos deuses diz Paulo, outra hora ele é Senhor, também há muitos senhores(1 Coríntios 8.5), o que eu quero dizer com isso? Acho que você já entendeu, se eu sou espírita vou entender na minha linguagem, se sou budista da mesma forma, ou seja estes nomes ai são todos nomes ecuménicos, flexíveis que se adequam a qualquer religião e visão humana, mas, quando eu falo Jesus, acabou não tem papo, não tem diálogo religioso, por isso é que as músicas prediletas do meio gospel cantadas e ouvidas pelas pessoas, do mundo são aquelas que dizem; "Deus", "Senhor", ou "Você", pois sendo assim não precisamos entrar em atrito com um judeu, nem mesmo corremos o risco de ser perseguido por um múlssumano.
Também tenho dito no primeiro parágrafo, que o nome Jesus tem gradativamente sumido de nossos pulpitos, por que mesmo que alguém diga ou pregue tendo como base o Novo Testamento, ele dirá o "Senhor" na maioria das vezes e não o Senhor Jesus, sei que você assim como eu ainda tem ouvido pessoas falarem e dizerem sobre Jesus, mas, é como tenho falado o processo é gradativo, mas, contudo esta realmente acontecendo.
Ai você me pergunta, por que ainda então nossos missionários estão sendo mortos e persseguidos em países islâmicos e na Índia? Por que eles sabem que, falar e discursar é uma coisa, mas, evangelizar é colocar este nome Jesus, na vida das pessoas, os fariseus ficaram enfurecidos quando Pedro e João falaram sobre Jesus. "E, chamando-os disseram-lhes que absolutamente não falassem, nem ensinassem no nome de Jesus"(Atos 4.18). Ora eles sabem que as pessoas aprenderam sobre Jesus, oraram em nome de Jesus, testemunharam em nome de Jesus e é isto que eles querem calar. Eles não querem que as pessoas parem de falar sobre Deus, pois sendo assim eles podem introduzir encobertamente as suas ideias erradas até mesmo dentro das igrejas evangélicas, pois assim eles podem gradativamente se infiltrarem e ir conquistando adeptos e simpáticos, ao mesmo tempo que nos esfriam e nos esvaziam da essência do evangelho. Nem mesmo os bruxos querem que nós não venhamos a cantar músicas e dizerem nelas Senhor, ou Deus, pois Satanás para eles é que é o "Senhor", e com isso eles podem nos dar as mãos enquanto louvamos, e cantarem a seus deuses enquanto nós cantamos ao nosso(Ou será que ao deles?).
Entendem agora o que eu estou querendo dizer, é o nome de Jesus, nome que é sobre todos os nomes, motivo de escândalo para os judeus e loucura para os gregos(1 Coríntios1.23).Agora este é nome que atrai o ódio das pessoas sobre os crentes, quando se cala sobre este nome, as pessoas também se acalmam, este é o nome que Satanás quer tirar de nossos lábios, e não outro. Não ele não quer que vocês parem de dizer Deus, nem tão pouco de dizer Pai, ou de dizer Senhor, mas, ele não suporta o nome pelo qual ao ser clamado ele correr, o nome que o apostolo João disse em sua carta, que ninguém pode confessá-lo se não for pelo Espírito Santo de Deus(1 João 4.1-3/5.1,5,9-12). É por isso que ele quer que se calem, que não digam Jesus. Vamos dizer Jesus, vamos falar do que ele faz, mas, não esqueçamos de dizer quem é que faz, e este alguém é o Senhor e Salvador, Jesus Cristo de Nazaré.

Paz do Senhor Jesus, um grande abraço.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

O amor derramado pelo Espírito Santo 2ª Parte


Mas, o Espírito de Deus é que gera o amor espiritual em uma igreja.A Bíblia diz, em Mateus 24.12, que no final dos tempos por se multiplicar a iniquidade este amor, creio eu, haveria de se esfriar de muitos, não de todos. É por se multiplicar a iniquidade, pois aquele que nos traz a mente de Cristo e nos faz amar como ele amou é Santo, e onde há iniquidade não há o Espírito de Deus, e por se multiplicar a iniquidade também não há o seu amor.
Vendo-se em 1 Coríntios 13,as qualidade do amor, onde não entra inveja, nem tratamento com leviandade, nem vaidade, nem indecência, nem egoísmo, nem ira, nem suspeita de mal, nem complacência com a injustiça; mas, folga com a verdade, tudo crê, tudo suporta.
Amor sofredor e benigno.Vemos também que não há lugar para o pecado na vida de um crente possuído por este amor. Por que todo pecado parte de uma mentalidade, assim como o viver santo que é oposto ao pecado também, e o amor é uma mentalidade a saber a mente de Cristo. Se prego que Deus é amor devo por consequência já estar dizendo que Deus é justiça, pois no amor é que Jesus disse que resume toda a lei, como não haverá justiça? Se ele é o cumprimento da lei, e se cumprir a lei é ser justo, logo quem ama no amor de Deus é justo. Não é admissível dizer que uma pessoa é santa se nele não está o amor de Deus.
A amizade do mundo, ou o amor do mundo, como diz o apostolo Tiago é inimizade contra Deus
(Tiago 4.4). O apostolo não diz que se sou crente. tenho amigos descrentes sou inimigo de Deus. Mas, diz que se sou amigo da forma de vida injusta que o meu amigo descrente leva, isso é inimizade contra Deus. A igreja de Coríntios era uma igreja que tinha os 9 dons, porém vemos nos primeiros capítulos da carta de 1 Corintios, que isso não fazia dela uma igreja espiritual, pois a mentalidade do mundo era reinante nesta igreja( não em todos nela é claro), o modo de vida mundano já estava se instalando. No primeiro capítulo e no terceiro vemos as dissensões, no quinto vemos a impureza, no sexto o litígio entre os irmãos, o que eu quero dizer com isso é que não se vê falar nesta carta do amor deles, mas, de suas dissensões pois onde há o espírito mundanos não há lugar para o amor de Deus. Embora fosse cheios dos dons espírituais, não eram cheios do Espírito de Deus, pois embora tivessem o dom de discernir os espíritos que atuavam, mesmo assim não se entristeciam pelo mal para o expulsar da igreja, quero mostrar com isso que a mentalidade mundana(espírito) é que predominava.
Então não havia lugar para a mente de Cristo, o Espírito Santo estava lá, mas, não tinha como trabalhar, o jeito foi Deus usar a Paulo para dar-lhes um puxão de orelhas com essa carta, e já na segunda carta de Paulo aos Coríntios, vemos o bom efeito desta correção.
O importante é que onde não havia lugar para o amor de Deus ser gerado e transbordado, agora se via todo inundado.
Pois resumindo o Espírito de Deus é que gera o amor de Deus em nossas vidas, portanto retiremos de nosso meio em nome de Jesus, todo espírito mundano, e vivamos uma vida chia do Espírito e do amor de Deus.

Deus voz abençoe.

Bíbliografia:

Bíblia João Ferreira de Almeida, Revista e Corrigida
Míni-dicionário Aurélio

... anterior - introdução ao assunto

sábado, 12 de dezembro de 2009

O amor derramado pelo Espírito Santo 1ª Parte


E a esperança não trás confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nós pelo Espírito Santo que nos foi dado.(Rm5.5)

O amor que tenho me proposta a falar( e este é o segundo texto) é gerado em nós pelo Espírito Santo, pois sendo Deus espírito e não carne o seu amor é espiritual e não carnal, de sorte que os que andam, segundo a carne não podem ter este amor gerado em suas vidas.
Quando falamos que em uma pessoa há um espírito(se não estivermos falando por revelação), reparamos a sua mentalidade. Uma pessoa com um espírito de prostituição, tem uma mentalidade ou está com a mente voltada para a prostituição, pessoas cheias de gestos e atitudes lascívas, pois aquele espírito a influencia, o julgo ou domínio dele está sobre aquela vida. De igual modo quando uma pessoa é muito brincalhona, tudo leva para o lado da brincadeira, ou da diversão, alguns dizem esportiva e outros dizem espírito esportivo, mesmo que neste caso diferente do outro e simplesmente, é uma pessoa que está agindo desta maneira, no entanto em ambos os casos é a mentalidade( forma de pensar) da pessoa que está sendo classificada de espírito. Por que na verdade o espírito( o ser espiritual não a mentalidade) é quem esta dominando a pessoa, ou influenciando-a a pensar da forma como ele quer, da forma como ele pensa, pois até outras mentes humanas, que estão ao nosso lado as vezes exercem influencia, certos líderes com a mente malignizada pelos demónios chegam a dominar congregações amplas de fieis debaixo de um julgo de falsa e cega fé.
Mas, o que eu quero explicar com isso é que, é que da mesma forma uma pessoa que se envolve com Deus e leva uma vida intima com ele é influenciada pelo seu Espírito Santo e passa a pensar como Deus pensa e também passa a amar como Jesus tem amado.
Se passa a pensar como Deus pensa, então passa a ter a mesma meta que Deus, que é a promoção do bem, ao próximo pelo valor intriseco dele, do bem. Então para essa promossão, passa a consagrara a sua vida a prática do bem, assim como Deus o faz, o que a Bíblia nos indica que ele nos amou com todas as tuas forças e entendimento, cumprindo o seu próprio mandamento, e isto está bem claro nas palavras que o apostolo João escreveu da declaração de Jesus feita a Nicodemos, quando o mestre o instruiu a cerca do novo nascimento, a qual todos conhecemos e que dizia: "de tal maneira" . João 3.16
Este amor que é santificação, é derramado em nós pelo Espírito Santo através de sua santa influência. O amor bíblico é uma opção, como já disse, "amaras" se não fora não poderia ser mandamento; mas de maneira nenhuma iremos escolher comprí-lo se não for pelo Espírito Santo operando em nós, por que o nosso egoísmo não nos deixará querer, como Deus quer. E por que eu não podese optar por amar, como poderia receber um mandamento para isso?
Um pessoa dominada por um espírito( não digo um possesso, pois ele é inconsciente), pode ser influenciada pelo Espírito Santo, através das pregações, de hinos ouvidos, de programas de rádio e TV, até que por fim a influencia chega a tal que a pessoa faz uma opção, toma uma atitude.No entanto é uma opção, por isso infelizmente há pessoas que mesmo assim resistindo não optam por Jesus.
Feita a opção por Jesus a pessoa precisa adquirir a mente de Cristo, através de uma vida
fevorosa de oração, de consagração aos pés de Cristo de busca da verdade contida nas sagradas escrituras, de uma busca contínua e sincera para se encher do Espírito de Deus. Por que os vestígios da mente maligna, "do velho homem", ainda continuam, uma mentalidade materialista, olhos voltados para os valores terrenos, ambição mundana, os cuidados desta vida; e assim como antes de ser de Jesus, o Espírito de Deus já começava a lançar as suas influencias para conquistá-lo, também agora, os espíritos malignos lançam também as suas influencias, através de amigos irmãos colegas, professores, até mesmo crentes carnais, pela TV, pelas músicas seculares, etç... E se o cristão não procurar andar com Deus como o crente Enoque, mesmo que ele permaneça na igreja, permanecerá morno, ou cético, ou misto, ou tudo isso ne um só crente, crente laudisséia.
Cético por que a sua fé é intelectual apenas, na hora de por em ação falha; misto por que embora está na igreja, mas, o mundo está dentro dele; morno por que se acomodou a esta situação e se engana vivendo apenas de sensacilismos que não podem promover-lhe vida. Ou pode nunca ter sido crente apenas é um religioso, não foi convencido pelo Espírito Santo, mas, pelo homem, não aceitou o Jesus do Cristianismo, mas, o Jesus da denominação, da sua religião, e o que posso dizer mais, a igreja está cheia destes, e de outros que Satanás volta a influenciar e dominar suas vidas, não para tirá-los da igreja, mas para mudar-se para lá dentro de suas vidas. Certo pregador, disse que o diabo vem para a igreja muintado no lombo dos crentes, que dão lugar para ele lá fora.

...anterior - continua...

Introdução ao assunto

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Um amor diferente 2ª Parte


III. Não faz seleções.
O amor natural é seletivo. Alguém diz que tenho que amar a pessoa e o que ela faz, isso não é verdade e Deus provou para nós, nos amando sem amar o nosso pecado.
No amor natura o homem seleciona o seu grupo de amigos, de acordo com aquilo neles, que lhe traz simpatia por eles, que acha legal, inteligente, divertido,confiáveis, que possui ideias, metas comum a dele. Enfim sempre a satisfação pessoal predomina. No amor natural se sou amigo de um homossexual tenho que concordar com o homossexualismo, de jeito que se eu não puder aceita-lo e aceitar seu pecado não sou seu amigo.
O amor espiritual pelo seu lado não faz seleção, pois nele eu amo a todos sem precisar de concordar com o erro em suas vidas. Eu posso no amor espiritual ser amigo de um alcoolatra, sem admitir o seu vício e procurar muda-lo. Sabendo que o meu inimigo está enfermo eu posso orar e ele ser curado. Por que se ama-lo vou querer o bem para ele e procurarei vê-lo em boas condições e pra isso eu não poderei concordar com o mal que há em sua vida, e este(o mal que há na vida de meu inimigo) procurarei vence-lo.
O amor espiritual não é injusto, mas, procura o bem do injusto. Também não é masoquismo, pois não ama o mal que a pessoa faz, mas a pessoa, não ama o sofrer, mas, suporta-o para ver o bem do próximo, e da obra de Deus.Ele é sofredor não gosta de sofrer.
Muitos procuram ter este amor, mas, não conseguem, aparentemente sim, mas, não passa de uma pratica voltada para si mesmo, como a de fazer doações aos pobres, no intuito de ser glorificado pela mídia, dos homens pode esconder seu real propósito, mas, de Deus não.
O amor espiritual não faz seleção por que ele é direcionado ao próximo, o carnal faz por que ele não é direcionado ao próximo mas, aquilo no próximo que me agrada. Por que o espiritual procura a promoção do bem do próximo, e o carnal do seu próprio bem. Em teoria alguém pode dizer que o seu amor é espiritual, mas, na prática ele verá que não. Pois o amor espiritual ele é produzido pelo Espírito Santo, ou seja a sua origem, não é em nós, mas, em Deus(Rm5.5).E de maneira nenhuma a carne poderá produzir aquilo que é espiritual. Só espírito gera espírito. Se alguém diz que ama o que é exigido por Deus e anda na carne é mentiroso.
Deus é amor(I João 4.16) e quem está em amor está em Deus.E quem nele está não faz acepções de pessoas (Tiago 2.8,9).

Um grande abraço, Deus voz abençoe.

Bíbliografia:

Teologia Sistemática de Charles Finney
Mínidicionário Aurélio
Bíblia Sagrada, João Ferreira de Almeida

...anterior - continua...

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Um amor diferente 1ª Parte


Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros, como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros ameis.Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros. João 13.34,35

Aqui está o elemento que falta nos milhões de títulos já conhecidos por ai como evangélicos, protestantes, pentecostais, históricos, etc...(não generalizo, conheço que há pessoas, e igreja que vivem, este amor, mas, falo da grande maioria). "como eu vos amei", disse Jesus, o seu amor é diferente do amor que está dentro de nossas igrejas, aqui diz de um que é excelente, do amor de Deus, devemos amar com um amor tal qual o de Deus. "Se voz amardes uns aos outros", identidade de discípulos de Jesus está condicionada, a este amor que como eu já disse, não é o que muitos tem praticado, mas, sim que é o amor com o qual Cristo tem nos amado . Como pode o amor que nós amamos ser o exigido por Deus? O mundo não ama de igual modo aos que lhe são simpáticos? Mas, Jesus curou ate aquele que lhe foi prender, restituindo-lhe a orelha(Lucas 22.50,51).
O amor que Deus nos exige é o amor caridade, benevolência, boa vontade."Ele consiste em escolher o próximo bem de Deus e da humanidade", pelo próprio valor intriseco, num espírito(mentalidade, mente) de inteira consagração a isso como um fim ultimo da existência ou meta suprema a ser alcançada.O compromisso de promover o bem dos outros por causa própria; benevolência desinteressada, nisto segundo Finney( teólogo e avivalista do séc XIX nos EUA), é o significado da palavra" amor", não o que comumente conhecemos nomundo, mas, o que Deus exige de nós, o amor que Deus exige de nós.
Caridade significa:O amor que move a vontade a busca efetiva do bem de outrem. Isso é a simples definição da palavra caridade, mas, essa ai expressa pode ser interesseira, a caridade bíblica não é, pois não busca satisfazer um afeto que você tenha pelas pessoas(afeto, afeição,amizade, amor. Afeição sentimento de apego por alguém ou algo). Mas, faz ou busca o bem ou promove o bem ao próximo por que é certo, por que a sua razão diz que é certo, por que tem consciência de que é certo, por principio e não por sentimento(embora não abole-se este).
Este amor tem uma diferença, da afeição natural, ou seja do amor carnal,e no entanto é muito confundido com ele na sua interpretação. Dessas muitas diferenças existentes me porei a expor apenas três, que são basicamente necessárias, que é a diferença que esse amor pode proporcionar aos cristãos, pois sem esse amor não há verdadeiro amor há verdadeiro cristianismo e os que se auto denominam discípulos de Jesus sem ele são apenas mais um grupo de homens como muitos e não discípulos de Jesus.Estas diferenças são, que o amor que Deus nos exige, não é um sentimento embora na sua prática venhamos a adquirir o amor que é sentimento, não interesseiro ou seja egoísta nem tão pouco faz seleções.

I.O amor que Deus nos exige não é um sentimento, pois que Deus diz "amaras", isso significando que eu posso optar por ele, quando eu quiser. Os sentimentos eu posso sentir também quando eu quiser, mas,quando não quero também o sinto, e isso é parcialmente voluntário não totalmente. No amor bíblico, ou o que Jesus exige, eu sou voluntário na prática desse amor, não amo para satisfazer o desejo que há em mim; mas, me comprometo, me propósito em amar.
Este é caridade é fazer o bem sem olhar a quem. O que é sentimento não pode ser feito para com alguém que é injusto, desprezível, este por seu lado toma o inimigo caído pela mão e o levanta. Paulo nos exorta não a vencermos as pessoas, mas, ao mal que há nelas(Rm 12.21).
Porém quando me propósito em amar com o amor que Deus me exige, eu passo também a sentir amor pelo meu próximo. Não é a minha vontade que é dominada pelo sentimento de afeição natural, mas, é a minha vontade que proposita em ser caridosa, sem nenhum interesse pessoal, que produz em mim por essa determinação uma afeição; haverá a ocasião em que não conseguirei produzir este sentimento, mas, o meu propósito será o mesmo o de amar, pois que não ando segunda a carne, mas, segundo o Espírito de caridade, do amor de Deus que há em mim.Sei que isso parece uma ideia utópica, mas, se a carne não está no controle, o Espírito Santo,está e por isso falo isto com segurança, de que não é impossível.

II. Não é interesseiro ou seja egoísta. o egoísmo consiste na satisfação pessoal, como esse amor não é na sua excência um sentimento, na sua prática não há egoísmo, pois não busca se satisfazer.

continua...

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

A difícil arte de edificar


I Coríntios 3.10-17
Você já prestou atenção no custo financeiro hoje, de uma edificação, uma construção simples e modesta num bairro pobre da periferia, para ser bem edificada é claro, custará aproximadamente em reais 35.000, por ai.Claro que eu estou falando de uma edificação perfeita e completa, mesmo sendo simples e pobre. E o tempo? Você já reparou no tempo que leva, dependente do número de mão de obra, mas, nada pode ser levantado em um só dia, pois tem que se esperar a massa secar, o quanto se tem que cavar, para obter um bom alicerce. A perícia, e a técnica para não deixar as paredes tortas, as pilastras que precisam ter, as barras de ferro, alem da laje precisa-se de um revestimento para não gotejar na época de chuva.E não são todos os pedreiros que são bons é difícil achar um que faz um serviço caprichoso e que agrada, alguém que sabe aproveitar o material e não o desperdiça. Aqui no Brasil as casas em sua maioria são feitas com tijolos, em outros lugares a casas que são edificadas de madeira.
Agora vamos aplicar esta difícil realidade a nossa vida, como cristãos. No nascimento de um crente em Jesus, quanto custo? Quantos folhetos distribuídos, muitos destes pisados outros, amassados usados para enrolar fumo, maconha, ou mesmo para guardar o pó da cocaína. Quantos cultos ao ar livre, evangelismo pessoal, alguns até param e ouvem, mas, sem na verdade dar lugar para a palavra em seus corações, e desta labuta no fim do dia Deus dá a graça de que a semente alcance alguns corações. Mas, destes corações que receberam a palavra poucos vingam, e destes poucos que vingam são arvores feridas, no seu tronco pode se ver cortes de facões, e marcas de machado,em outras palavra são vidas calejadas que querem a qualquer custo vencer, que não mais, estão dispostas a lutar, como diz o Senhor;"Vinde a mim todos os que estais cansados, e sobre carregados que eu vos aliviarei". Mesmo assim, como edificadores, que somos, não podemos parar no evangelismo destas pessoas, precisamos agora passar para o discípulado, que não se resume numa aula rápida de pré-batismo, vai muito além, esta é a hora de edificarmos sobre o alicerce lançado no evangelismo, que é Jesus. E sobre este alicerce, é que vamos construir um edifício bem feito, e do sucesso deste edifício depende o nosso empenho, pois o edifício não acaba quando está pronto, há sempre a necessidade de reformas, pois, o tempo, a chuva, e outras coisas pedem-se que o reforme, para que não venha a sua ruína. Da mesma forma, o discípulado vai muito além é necessário que, a pessoa que se converte crie raízes, profundas na palavra de Deus, cresça e dê frutos, ou provas de seu amadurecimento, o fogo consome a madeira e a palha, edifícios com paredes de madeira e tetos de folha de coqueiro, não resistem, crentes fundamentados em doutrinas, que não abrem seus olhos para a realidade, e o ensina como encará-la de forma firme, não subsistem a prova do fogo. Como falei que o edifício sempre vai precisar de reformas, para que não venha a ruína, da mesma maneira o cristão já estabelecido e dando frutos de sua real conversão, não deve ser deixado de lado pelo seu mestre edificador, lembremos que Jesus não nos deixou órfãos( João 14.16-18/17/Atos 2.1-13), do mesmo jeito este cristão com o tempo vai se desgastar e sentir-se, desmoronando na fé, é neste momento que o edificador precisará, estar lá com sua colher de pedreiro, o cimento e todas as ferramentas que Deus lhe concedeu para que possa edificar, e agora reformar o edifício.
Mas, do contrário da edificação, a destruição é sempre mais rápida, e precisa do que a construção. O que o edificador leva meses, ou até anos para fazer, o destruidor leva poucos dias ou mesmo um dia ou horas apenas, para destruir. Tendo isso em mente o edificador cristão, que está a construir tem que medir bem as suas palavras e a sua doutrina, pois com algo dito errado, ou feito errado, um simples ato errado e uma simples palavra errada pode destruir, aquele por quem ele tanto lutou para construir. Mas, é claro você não pode deixar de construir, não pode para a obra no meio do caminho só por causa disto, ganhou a alma agora deixa ela para la? De jeito maneira, Deus é aquele que concede sabedoria ao edificador, ele é o que te ensinará a edificar uma casa. Não pode ficar sem reboco, não é por que você tem medo de magoar, de excluir que você vai deixar de admoestar de falar, eu penso que o amor dosa tudo, que tudo o que é feito com amor e digo o amor espiritual de Deus derramado nas nossas vidas, poderá ser bom,e não será para a destruição.
Essa assunto é grande, estou resumindo, e procurando usar termos que generalizam para não ter que entrar em detalhes, mas, creio que até aqui já me fiz entendido.É muito mais, fácil destruir do que edificar, e edificar é uma arte, não são todos que sabem edificar, mas, aquele que começa, tem que saber terminar, pois do contrário poderá estar edificando um edifício para ruína. O que você tem feito para edificação, é claro que se algo, foi mal feito, terá que ser destruído primeiro para algo bem feito seja levantado no lugar, mas, será que aquele que destroi saberá edificar, ou será que aquele que destroi, não destruirá o alicerce, pois é isto que a palavra diz,ai daquele que puser outro alicerce que não seja Cristo. Pode ser que a pessoa que destroi para reconstruir esteja cometendo este erro, pois quer fazer outro alicerce, e o problema não é o alicecer, e sim o edifício. Que Deus nos, instrua nesta arte, e nos faça peritos em Deus na difícil arte de edificar.

Deus voz abençoe!

Leia mais...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...