TRADUTOR

domingo, 26 de dezembro de 2010

Processo divino & processo natural


Processo divino:
É o meio, ou como as coisas se fazem ou processam pela vontade do Eterno, ou de Deus.
Este processo não está limitado ao tempo, não pode ser modificado ou atrasado, não é padronizado ou seja não segue uma regra a não ser a da vontade de Deus. Nele foram criados os universos, e com a liberdade dele é que Jesus disse de Lázaro. "Ele dorme e irei despertá-lo". Jesus poderia chegar a 1 mês depois, e seu poder seria o mesmo. Não se pode descrever o processo divino uma vez que ele não está submisso ao tempo, nem a regra, e somente a vontade soberana de Deus, da qual ele mesmo disso por meio de Isaías" Os meus pensamentos são mais altos do que os vossos pensamentos..."

Processo natural:
É o meio, ou como as coisas se fazem ou processam naturalmente, existe um tempo determinado por Deus para cada coisa que acontece em sua criação. Este processo foi determinado por Deus como uma lei que toda a natureza segue, não pode ser alterado, mas, precisa ser rigidamente seguido, toda modificação que o homem possa fazer para alterá-lo incorre em consequências drásticas para ele mesmo, bem como para toda a natureza. Disse Jesus, "não podes com toda a sua ansiedade alterar o seu tamanho". Este processo segue, uma lei regido pelo tempo, e toda vez que algum cientista, faz uma análise a faz com seus olhos neste tempo, e calcula segundo o processo natural, o qual segue uma cronologia. Primeiro os gâmetas, vem com isso o feto, o bebe, a criança, o adolescente, o adulto e velho e depois ele morre. O homem divide a idade da terra em eras geológicas, por que sua mente esta analisando as coisas unicamente pelo processo natural, que elas devem seguir, o qual foi determinado por Deus. Por que os pensamentos de Deus são mais altos do que os nossos pensamentos.

Uso fazer essa diferença, pois como cristão devo entender que para Deus nada é impossível, mas, que todas as coisas seguem um caminho traçado por Deus, e que é este caminho que o homem natural vê quando chega as suas conclusões, mas, que somente o seu orgulho é que o impede de por este caminho chegar até Deus.

Textos base:Isaías 55.8,9/ Mateus 5.27/João 11.11

sábado, 20 de novembro de 2010

Os pioneiros e os sermões


Realmente, não tenho lido muitos sermões, de grandes homens da história do cristianismo, mas, uma coisa eu sei todos os seus discursos, refletiam e transmitiam ideias oriundas de horas de profundas reflexões. Eram reflexões de suas questões com Deus, de suas interminadas meditações e leituras das Sagradas Escrituras.Falavam de convicções que tinham, nascidas no fogo do Espírito Santo, verdades em que não somente criam, mas, viviam e defendiam. Não tinham nada mastigado, e quando chegavam no púlpito não contavam histórias a todo tempo, quando profetizavam, não determinavam, pelo contrário revelavam. O que eu quero dizer com essa ultima afirmativa,"quando profetizavam não determinavam", por que diziam o que Deus lhes diziam e não o que desejassem que Deus estivesse dizendo, às vezes penso que os que fazem isso, estão determinando o que Deus fará, quando dizem: "Eu profetizo...", por acaso isso não é a mesa coisa que dizer:"Eu determino..."?Pois a intenção e a forma como é evocado trás em si o mesmo sentido. Agora quando revelamos o coração de Deus, falamos o que ele quer dizer, ele conhece o coração de Deus. A profecia bíblica nunca foi feita por vontade de homens.
Voltando aos sermões dos pioneiro do cristianismo, começamos pelos expostos de Pedro, Estêvão e de Paulo, e aprofundemos por Charles Finney, Moody, e outros homens de Deus, não que seus sermões fossem aulas profundas e exaustivas de teologia, mas, eram convicções, falavam de Deus tendo a certeza de que o Altíssimo estava em pé, ao seu lado com a mão em seus ombros sussurrando as suas leis e vontades em seus corações. Aqui, por certo alguns tinham sermões escritos, outros por sua vez improvisavam em cima da hora, mas, uma coisa é certa estavam firmes naquilo que diziam e expressavam convicções profundas e cravadas em suas almas. Agora tenho ouvido sermões, que a pessoa até mesmo entra em contradição em suas declarações, fala coisas de que não sabe e nem entende, de que não esta convicto, conta longas histórias interrompendo-as para fazer aplicações triunfalistas. Que o Senhor, venha abrir, os olhos e o coração desta geração antes, que ela se amontoe de doutores segundo as suas próprias concupiscências.



Deixo para o amado irmão alguns links, sobre este assunto, afim de insetivá-lo a não ser simplesmente diferente, mas, eficas na sua pregação:
Conselho aos pregadores
Onde estão os pregadores?

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Reclamar é um vício


Já faz bem um tempo que fiz esta constatação,de que as pessoas que reclamam, reclamam atoa sempre e por qualquer motivo, e que aqueles que não reclamam, muito dificilmente se queixam. Tenho uma colega de serviço constantemente reclama, ou porque tem muito serviço e esta sobre carregada, ou por que tem pouco serviço e está quase dormindo, reclama de quem não faz nada e de quem faz também, parece brincadeira, mas, para muitos reclamar é um vício. A pessoa se torna negativa e não consegue ver bem em nada, mesmo quando tudo está bem, ele reclama. Lembro-me do povo de Israel no deserto, não havia coisa que Deus fizesse que poderia os alegrar, pois estavam sempre descontentes, estavam sempre com os olhos no Egito, é difícil agradar a alguém que está sempre com a mente no Egito, pois para ele, por mais, ruim que lá fosse aqui tá sempre pior.
A Bíblia nos ensina a termos uma mente melhor, até mesmo as tribulações devemos ver como Paulo com olhos bons."A nossa leve e momentânea tribulação..."(2 Co 4.17). Diz que os pensamentos de Deus, são os melhores ao nosso respeito( Jr 29.11). E que devemos encarar as aflições com bom animo (Jo 16.33).É claro, que o Senhor conhece as nossas limitações, e sabe que uma hora ou outra não vamos aguentar e vamos reclamar, mas, bom é que seja com Ele, e não murmurando pelos cantos.

Um mega abraço para todos os leitores que Deus voz abençoe!!

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Por que os pioneiros não pararam?

domingo, 31 de outubro de 2010

Momentos e escolhas


Os momentos passam, e as nossas escolhas ficam!



Por que não fazemos escolhas certas a todo tempo? Por que não sabemos o fim que estas escolhas nos levaram, muita das vezes fazemos as escolhas baseadas no momento em que estamos vivendo. Somos levados e influênciados pelas circunstâncias, somos envolvidos por uma nuvem de ideias e sentimentos. Bombardeados por ideias e opiniões alheias, oprimidos e envolvidos. Acontece uma coisa, que os momentos passam e as nossas escolhas ficam, como poderemos saber o que é certo, o que escolhermos, para que as nossas condutas sejam melhores, e as consequências as melhores?Como poderemos nos livrar, de consequências terríveis que nossas escolhas nos traram? Por que é isto que fica depois de cada momento, uma escolha, e com esta escolha a consequência que sempre vai nos lembrar a escolha que fizemos no determinado momento, se má for a escolha nossa alma poderá ter cicatrizes que amarguraram a alma e moldam em nós um futuro indesejado, e leva-nos a ter que tomarmos novas escolhas e incorrer-nos e novos erros. Acontece também, que a escolha precisa ser feita, pois se você optar por não escolher já estará fazendo uma escolha, a qual poderá ser a omissão de ante de algo que você jamais poderia ter deixado de opinar.
*Observando conforme a palavra de Deus(Salmo 119.9). Lâmpada para os nossos pés é a tua palavra, diz o Salmo 119.105, é a palavra de Deus que poderá nos orientar em nossas escolhas e tornar os nossos caminhos sábios, e orientar-nos a escolhas melhores. Na tua luz veremos a luz..., diz, o Salmo 36.9.Em outras palavras, somente a luz do que Deus nos revelar, ou abrir o nosso entendimento para saber é que poderemos, e teremos uma visão melhor e mais ampla, ou seja, mais clara para trilhar-nos em nossos caminhos.
*Deixando-nos ser guiados pelo Espírito Santo.
*Procurando crescer em sabedoria, deixando com que a nossa vida, seja transformada pela renovação de nosso entendimento em Deus(Rm.12.2).
*Não conformando com o mundo, pois aquele que conforma com o mundo, aceita a sua vida ser levada pelas circunstâncias, consente em maldições se alojarem em sua vida por não saber e a Bíblia diz que o povo de Deus é destruído por lhe faltar entendimento(Oséias 4.6), e o Diabo sabe disso também, e aproveita desta situação para instituir o seu domínio sobre a vida daquele que que ignora o conhecimento.

Meu conselho, é portanto este, agrada-te do Senhor e Ele conceberá o desejo de seu coração(Salmo 37.4)!

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Por que do coração procede


De tudo o que se deve guardar guarda o teu coração, por que dele procede as saídas da vida. Pv.4.23

Alguns livros depois deste, Jesus disse, que do coração é que procede os maus pensamentos e sentimentos impuros, tudo aquilo que contamina o homem. Por que é tão importante esta palavra para o homem? Coração?Ora o coração representa aquela faculdade que todo o ser humano tem que torna a ele capaz de se expressar e por para fora tudo o que está preso dentro, sem esta faculdade o ser humano não teria.
*Humor, ou seja não estaria alegre ou triste, deprimido ou exaltado.
*Coragem, não ousaria nada.
*Opinião, não diria o que acha, ou não acharia.
*Atitudes, ele não faria nada, nem se movimentaria, seria sempre catatônico.
Este são pontos bons; não faria sentido Deus dar ao homem o livre arbítrio, se ele não pudesse usar. Sem este coração de que trata Jesus e o escritor do provérbio citado, também o homem não teria os pontos ruins, e não conheceria os bons. Ele não:
*Pecaria, não escolheria o pecado, com isso também não poderia se santificar.
*Não sentiria tristeza, mas, também não saberia a preciosidade da alegria.
Então este coração é aquilo em nós que traz sentido a vida, que torna tudo sentido, e tudo valoroso.Por isso é tão importante guardá-lo, pois ele se torna sendo assim tão importante, uma arma em nós. Para ser mais preciso, esta arma é uma bomba, que se usada por Deus pode explodir, em bênçãos, graça, realizações maravilhosas e benéficas para todos, agora se na mão de Satanás, todos sabemos o fim.

Um grande abraço a todos!

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Pedro e a fé( II Parte)


Nota 3.

Pedro creu que poderia andar sobre as ondas do mar, mas, não creu que poderia suportar a fúria do vento e teve medo, ele deveria crer que assim como Jesus lhe concede que andas sobre o mar, que o mesmo que teve o poder para lhe conceder a possibilidade de andar nas águas, também lhe concederia resistência a fúria do vento, ele deveria continuar a crer, e não parar simplesmente no fato de que podia andar sobre as águas, mas, progredir no fato de que também poderia resistir ao vento. A nossa fé não deve ser limitada a um ponto ou coisa, ou obra, mas deve expandir-se ou abranger, ou ter um campo infinito assim como infinito é aquele em quem nós depositamos a nossa fé. Se creio que Jesus salva, também devo crer que ele cura é assim por diante...

Nota 4.

Pedro via como os demais discípulos que um ser se movia sobre as águas e amedrontados criam ser ele um fantasma. Mas eis que o ser diz:"Tende bom animo,sou u, não temais".A voz era de Jesus, que conforto,mas, a lógica humana não permitia a eles que cressem ser ele realmente, pois, como pode um homem andar sobre as águas?E outra pergunta podia surgir, que poderia ser um fantasma realmente e estivesse mentindo a eles? Por isso para acabar com estas dúvidas, se era, ou não era ele realmente, Pedro lançou um desafio para este ser."Se és tu, manda-me ir ter contigo por cima das águas". Pois a mente não pode crer no que não entende, e não entendiam ou compreendiam como poderia alguém andar sobre as águas;mas, Pedro cria que se fosse realmente Jesus, o filho de Deus, isso não somente lhe seria possível, como também lhe seria possível conceder-lhe que também o fizesse.Pois a mente de Pedro podia entender como se vê no episódio da pesca maravilhosa, Lc 5.4-9, que o homem de Deus era homem de autoria, antes dele pescar, mas, depois tomou consciência que ali estava o próprio filho de Deus e não apenas um profeta.Por isso já agora neste momento, cria Cristo poderia mais, do que simplesmente andar sobre as águas do mar, ele também poderia fazer com que outro andasse, e isso a mente d Pedro podia entender, por isso lançou o desafio.
Por isso Pedro também caiu, quando esqueceu-se que, aquilo que o mantia suspenso no mar, era o poder de Deus, e passou a ter medo dos ventos fortes, e deparou-se entre Cristo e o barco e lembrou-se de que um homem não podia andar sobre as águas; da segurança do barco. Por que quando começou a usar sua fé, crendo que Jesus o faria andar sobre as ondas mar; só pensou nisso, que Jesus o faria andar, sobre as ondas do mar( Marcos 11.23).Porem depois veio a pensar n'outras coisas, que estava andando sobre o mar, que isso não lhe era possível, que o vento estava forte e as ondas poderiam lhe tragar; se só pensasse, mas, permanecesse a confiar, porém se entregou aquilo que ele via e deixou de crer, por isso caiu.
Quando disse que Jesus concedeu a Pedro a prova que ele precisava, era que Pedro sabia que sendo Jesus realmente, ele lhe concederia o que Pedro pedira. Pois Jesus é o filho de Deus e tem poder para isso, mas, entendia que Jesus podia isso e muito mais.
A evidencia de que era realmente Jesus, ou seja a evidencia necessária aquela situação, que foi, que se era realmente Jesus, que Jesus na sua autoridade lhe concedesse andar sobre as ondas do mar. Quando Jesus lhe correspondeu, não ouve mais nem um pingo de dúvida por isso desceu do barco e andou; só depois veio de novo a dúvida e ele sucumbio a ela, mas, Cristo lhe socorreu.

... notas anteriores

domingo, 3 de outubro de 2010

Pedro e a fé


Analisando o episódio de Pedro sobre as ondas do mar, indo ter de encontro ao mestre, tirei algumas conclusões e as mesmas escrevi em um caderno de notas, as quais hoje desejo compartilhar com os amados irmãos.

Texto Base. Mateus 14.22-31

1ª Nota.
O texto mostra dois fatos, no primeiro Jesus concede a Pedro a prova que ele precisa e ele creu.No segundo, Pedro vindo caminhando pelas ondas, sente o vento forte e tem medo, invez de sua fé continuar ela para por ali, e entra a incerteza de que continuaria ou não a andar, visto que estava com medo.Duvidando não podia totalmente crer e também descrer, não crendo não prosseguiu,não descrendo não voltou para o barco, com medo afundou, não havia como prosseguir pois o medo paralisa, a dúvida te põem entre a decisão de dois caminhos ou volta para o barco ou prossegue até Cristo.Jesus chamou de homem de pequena fé ou pouca fé, por que a sua fé foi de pequena duração, e fraca, facilmente vencida pelo medo. No primeiro fato ele creu, no segundo deveria continuar a crer, então a sua fé seria louvada como uma fé duradoura e não como uma pouca fé.Dúvida como sinonimo de incerteza não é incredulidade, mas indecisão se crer ou descrer.

2ªNota.
Quando Pedro começou a andar sobre as ondas do mar, ele creu ele o fé de todo coração.Sua fé era de pouca duração, ele só podia ir até o primeiro episódio.A partir do segundo ela não resistiu.Então Pedro deu um pouquinho do seu coração para o medo, e entro na indecisão. A fé somente a fé e nada mais deve estar em nosso coração. Pois a fé verdadeira consiste em crer de todo o coração.Sempre o indeciso terá lugar no seu coração para um sentimento ou qualquer outra coisa, que o impedirá de prosseguir na fé. Isso acontece quando a fé está apenas no intelecto, e no coração(sede das decisões)está outra coisa, ou quando a fé assume o coração por um pouco e depois a pessoa empresta o coração para a incredulidade. m coração incompleto por que ele uma hora é para alguém outra hora, depois é para outro, isso é incerteza, a fé desse coração é uma pequena fé.



continua...

sábado, 25 de setembro de 2010

Por que não cantar?


"Agora escrevei para vós este cântico, e ensinai-o aos filhos de Israel; ponde-o na sua boca, para que este cântico me sirva de testemunho contra os filhos de Israel...E quando o tiverem alcançado muitos males e angústias, este cântico dará testemunho contra eles, pois não será esquecido de seus descendentes..." Deuteronômo 32.19,21

Já ouvi pregadores questionar o cantar de muitos cristãos cânticos com frases como: Eu não preciso ser reconhecido por ninguém, a minha glória é fazer com que conheçam a Ti, ou, Eu te amo mais que tudo... e é assim que eu te amo Jesus! Questionam por que como dizem, muitos dos que cantam não vivem, que estas musica descrevem realidades que muitos crentes não estão dispostos a viver. E é até justo o questionamento, quem não quer ser reconhecido por alguém, e diz o hino; eu não preciso ser reconhecido por ninguém. Mas, estes versículos que tenho retirado do livro de Deuteronômio, diz uma outra realidade destas músicas que, talves os amados irmãos ainda não tenham meditado. É que a música cristã não é apenas para ser uma expressão da nossa realidade, mas, ela também serve como uma forma de incutir a doutrina em nossa mente. O cântico de Moisés seria lembrado e cantado pelos israelitas mesmo, quando eles não tivessem mais, vivendo conforme a realidade contida neste cântico, mas, a doutrina estaria ali em suas mentes fixadas por uma melodia, e quando se lembrassem veriam que precisavam e necessitavam de se reconciliarem com Deus. Então por que não cantar estas músicas? Por que não? Ora eu não quero telas grudadas em minha consciência me dizendo que eu preciso me arrepender e aprumar em minha vida? Ou seja só posso cantar as músicas que não me fazem refletir na milha realidade? Deixo este questionamento para que os irmão meditem, e respondam para vocês mesmos!

Um mega abraço a todos!

sábado, 18 de setembro de 2010

Seis indivíduos diferentes e a Fé



"Crê no Senhor Jesus e será salvo tú e a tua casa"

Este texto tenho tomado apenas para abertura do que pretendo aqui descrever, que é sobre seis indivíduos e a fé, ou seis atitudes que você pode ter diante da verdade, pois na concepção que Deus me concede de fé. Ela é a "aceitação da verdade".

I. O que tem fé, o crente, ou seja aquele que recebe a verdade.Este é o que crer de todo coração, é aquele que recebe a verdade a qual lhe foi revelada.

II. O que não tem fé, ou incrédulo. Já este descrer, ou recusasse a crer de todo o coração, é o que rejeita a verdade a qual lhe foi revelada, mesmo que se prove ou seja, mesmo se lhe for revelada não simplismente declarada, mas, mostraram lhe a evidencia de ela ser a verdade, e mesmo assim a rejeitou. Este não recebeu a verdade em seu coração, não creu, ou seja foi lhe mostrada a verdade por palavras ou por obras, por meio da pregação ou do textemunho e ele a rejeitou.

III. Apostata. Diferente do incrédulo, o apostata é alguém que um dia creu na verdade, recebeu a em seu coração, e depois a rejeitou(Hebreus 6.4-6).

IV. O indeciso ou duvidoso.É o que crer um pouco ou durante um tempo, descrer um pouco ou durante um tempo. Não é nem crente, nem incrédulo. É o de coração incompleto, imperfeito diante de Deus.É assim por estar cheio de dúvidas, de incertezas a respeito da verdade, só Deus pode trazer luz suficiente ao indeciso e arrancar-lhe todas as trevas do conhecimento(Salmo 36.9 pb). Mas, Deus nos usa para tal, e a verdade sempre é revelada ao humilde, o orgulhoso sempre andará em trevas, ele pode até ser simples, mas, continuar orgulhoso, a humildade é um estado da vontade e não tem nada a ver com simplicidade.

V. O inconstante. A fé é a aceitação da verdade. A verdade pode ser muito aburda, muito dúra, a verdade é muito simples, a mentira por sua vez é muito complexa. O inconstante no tocante o seu relacionamento com a fé, é aquele que aceita e crer com muita facilidade tudo, desde que não esbarre em seus vícios.Procura, por esta causa, um meio de contornar a verdade, ou de fazer uma releitura da mesma, ou mesmo a descarta e sai a procura de outra resposta. Faz isso muita das vezes por orgulho.Pode crer só em certos aspéctos que lhe convém, ou que quer acreditar, porém em outras verdades que não lhe convem, não crer.É como o coração representado pela terra pedregosa, de que Jesus falou, é difícil da palavra criar raiz em sua vida, pois ela encontra muitas resistencias(Mateus 13.20,21).

VI. O ignorante. Se não conheço como posso crer ou descrer? Nem um incrédulo é totalmente ignorante, ele sabe mesmo que seja uma simples noção.

Deus voz abençoe!

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Afeição natural X Afeição Espiritual


"O segredo de amar é ser amado", disse Max Lucado."Nós o amamos por que ele nos amou primeiro", disse João em sua primeira epístola. Esta é uma das formas de entendermos o "amor derramado em nossos corações pelo Espírito Santo".Mas, também quando não temos condição de amar, quando não conseguimos sentir amor por alguém, Deus nos torna capazes de amar, o Espírito Santo vem e opera em nós amor,afeto por alguém. E é este amor que eu chamo de afeição Espiritual, pois não é produzido em nós pela vontade da carne, mas, sim em nós é gerado pelo Espírito, a sua origem é no Espírito Santo e não na carne. É quando pelas nossas limitações não conseguimos amar, mesmo sendo amados por Deus, mas, o Espírito Santo de Deus vem e põem em nós amor pelas almas perdidas. Esse amor vem em nós como um auxiliar, para melhor desenvolvermos a obra de Deus. Não vem em nós para escravizar nos a fazer a sua vontade, a satisfazê-lo, mas, para nos auxiliar, para fazermos bem e com alegria, e inteira disposição tudo, e para o bom e perfeito executar daquilo que Deus nos tem confiado.
No caso de um inimigo nosso, muita das vezes dizemos que amamos, mas, não somos sinceros quanto ao sentimento.Talvez somos sinceros quanto ao propósito, pois como cristãos estamos inseridos na prática do amor que é mandamento, do amor que resume toda a lei, na santidade que é a total consagração a prática do bem, mas, de uma certa forma nossa sensibilidade ainda não manifesta um sentimento correspondente. Sei que há os que falam da boca para fora, pois não estão inseridos na prática deste amor, são hipócritas.Mas, no caso dos que são sinceros quanto ao propósito, são surpreendidos por uma sensação de achar que são hipócritas, quanto ao que dizem ou querem dizer que amam, mas, não manifestam tal sentimento em sí. E isso impedi nos de fazermos a vontade de Deus com alegria, no tocante a amar os nossos inimigos, isso digo,o sentimento contrário, que é o que provavelmente está em nós, leva nos a pensar que é impossível amar os nossos inimigos.
E se amamos no amor espiritual, não o fazemos com tal disposição sempre, por que as vezes nos cansa e fica enfadonho a prática do amor. Por isso fazemos com dificuldade lutando contra nós mesmos.Não estou dizendo que não temos vontade de o fazer e fazemos, se não estaria dizendo que somos hipócritas, mas, e assim que nós sentimos quando não conseguimos sentir afeto por alguém.Estou dizendo que sim, temos vontade e somos sinceros quanto a vontade, mas, que a falta de um sentimento correspondente a nossa vontade(nesse caso o afeto), torna nos forçoso o fazer o que Deus quer e tem posto no nosso coração, ou seja a vontade de Deus que está em nós.
Então quando nos encontramos nesta situação, o Espírito do Amor, que está em nós, operando o amor Espiritual(benevolência desinteressada, obra do Espírito Santo nos santos, que corresponde ao fruto do Espírito que são as nove virtudes, e também a caridade a primeira delas) o afeto espiritual, para nos estimular a prática do bem, ao amo caridade desinteressada, que Deus quer e tem derramado em nós.
A diferença entre o afeto espiritual e o afeto natural, é que o espiritual assim como ele é gerado no Espírito de Deus, no coração de Deus,a sua origem é espiritual por ser vinda da parte do Espírito Santo, e é posto em nós por ele mesmo, por Deus. E o afeto natural é gerado na carne(sensibilidade) e é nela a sua origem e não posto em nós, pois, é de nós mesmos.Embora os demónios possa também provocar na carne paixões e afetos, mas, diferente do Espírito de Deus, o que é provocado ou estimulado em por demónios na carne, visam escravizar o homem, e o que é de Deus não, mas, são auxiliares e servos nossos a serviço de Deus.
Por que Deus põem em nós, os demónios provocam e estimulam os sentimentos que há em nós tornando agressivo e maléfico para nós mesmos. Por isso quando digo o que o Espírito obra em nós, digo que é afeto Espiritual, ou seja, gerado no Espírito e posto em nós, na nossa sensibilidade, por que por ser sentimento, eles são manifestos pela nossa sensibilidade na carne( carne aqui não é sinonimo de mal). Mas a sua origem não é como a do outro na sensibilidade, mas, no Espírito Santo.
Estes estímulos que os demónios,põem em nossa sensibilidade,como alguns pensamentos pecaminosos, são o que podemos entender, que está escrito, como "dardos inflamados do maligno" em Efésios 6.10.
Agora, Paulo escreve em suas cartas sobre bons sentimentos e amor uns nos outros, como também há outros que o Espírito Santo gera em nós, como compaixão, alegria etc...
São estímulos para manter a chama desses sentimentos acesas, feitos por servos de Deus a servos de Deus, numa fraternidade, movidos pelo Espírito Santo e não por demónios e seus seguidores.São estímulos santos, pela oração, pela instrução da palavra, pelo amor.

domingo, 12 de setembro de 2010

Tome hoje uma posição!!


O que você esta pensando e qual tem sido a sua reação diante de tantos ataques ao direito de livre expressão, diante de tanta ameaça meu objetivo aqui não é falar vou apenas citar alguns links de blogs que tenho lido aqui na blogosfera os quais são um verdadeiro alerta para nós!

*Você sabe o que estão tramitando contra você no congresso, Igreja?
*Religiosos temem a lei em defesa dos gays
*Pronunciamento do Pr.Pashoal
*Está lá no ministério da justiça
*Alerta do pastor Silas Malafaia

E aqui também para sua meditação vai alguns textos meus, que falam sobre a mentalidade de hoje e destes que procuram nos calar.

Opinião contraria
Estado laico, povo não
Fobia de expressão

Que Deu venha a iluminar e direcionar a sua vida nesta eleição!

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Esperança em Deus


Esperança:Ato de esperar o que se deseja.Expectativa.Fé em conseguir o que se deseja. O que se espera ou desejo.
Expectativa:Esperança fundada em supostos direitos, probabilidades ou promessas.
Perseverar: Conservar-se firme e constante; permanecer sem mudar ou sem variar de intento.

Em esperança creu contra a esperança que seria feito pai de muitas nações.(Rm 4.18)

Posso dizer que Abraão permaneceu a ter esperança quando não havia motivos, ele perseverou na esperança. Há dois tipos de esperança, que desejo considerar, a que é em Deus e a que é em o natural. É fácil ter esperança em Deus quando se tem esperança na capacidade natural.Como no caso de Abraão e Sara, quando ainda eram jovens, sabiam que tinha capacidade natural para serem pais, mas, quando veio a velhice não tinham mais, essa esperança de serem pais, mas, quando veio a velhice não tinham a esperança de serem capazes de filhos, pois a sua avançada idade lhes havia tirado a capacidade de serem pais. Os seus amigos, conhecidos e servos, não tinham mais a esperança em que seriam pais. Mas a esperança no natural é produzida pela fé no natural; e a esperança em Deus é produzida pela fé em Deus, e a esperança em Deus permaneceu firme quando a esperança no natural desabou. A Abraão creu contra a esperança no natural, pois, não cria que seria pela sua capacidade natural pai de muitas nações. Por isso posso dizer que a fé em Deus apoiada na fé no natural é uma fé paralítica; que não consegue por mais queira, mover uma palha; mas, quando a fé se desliga do natural, e passa a ser voltada totalmente pra Deus, sendo um grão de mostarda ela move o mundo, pois esta é a fé de todo o coração.
Disse de início que ele perseverou na esperança que tinha em Deus; creio que enquanto tinha capacidade par ter filhos sua fé não era totalmente em Deus.Mas ele creu na capacidade de Deus o fazer pai, e não na capacidade natural de ser pai.

domingo, 5 de setembro de 2010

Esperança e fé


Esperança e fé, são duas virtudes intimamente ligadas, segundo Romanos 8.24,25, só é esperança quando não vemos, pois, como esperaremos o que vemos?"Mas, se esperamos o que não vemos, com paciência o esperamos".Por isso podemos dizer com base em Hebreus 11.1, que a fé e o fundamento, o motivo ou causa de nossa esperança, pois lá diz:"a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem", e se é assim, podemos dizer que é o fundamento da esperança, visto a esperança ser aquilo que não vemos, mas, que temos a certeza de que assim o será, e por que temos a certeza? Por que confiamos, por que temos fé, e isto é a esperança.
I. A nossa esperança está em Cristo e ele é a nossa esperança, mas, não esperamos nele só para salvação, vida eterna, morarmos com ele, mas, ele é a nossa esperança em tudo, em que havemos de ser curados, libertos, transformados, etc...
II Não existe esperança sem fé, e por ela conhecemos que alguém tem fé.Quando Tiago falou sobre que a fé sem obras é morta, mostrou o aspecto físico da esperança, pois a fé sem esperança é morta.
a) Tiago 2.21,22. No acontecido em que Abraão ofereceu a Isaque sobre o altar, ele é interrogado pelo filho sobre o por que não tinham o cordeiro, ao que Abraão responde; Deus proverá para si o cordeiro do holocausto, meu filho"(Gn 22.7,8), dentro de si sabia que o cordeiro seria Isaque, mas, nesta frase transparece a esperança dele em que Deus haveria de livrar a Isaque. Ele obedeceu a Deus crendo que em Isaque seria chamada a sua semente(Gn 21.12/Hb 11.17-19),o mesmo Deus que agora pede a Isaque tempos antes o prometera ele cumpriria, e já esperava que uma hora ou outra isso ocorreria. Essa esperança é que fez abraão obedecer a Deus, sem temer que a promessa acerca de Isaque fosse por água a baixo, e por isso é que a esperança é o fruto da fé.
b)A verdadeira fé leva a atitudes,mas, não podemos dizer que a atitude é um ato de fé, pois nem sempre a atitude será produzida pela fé. O filhos de Ceva, judeu, principal dos sacerdotes, tentaram expulsar um demónio, na autoridade do nome de Jesus, ou seja tiveram a atitude, nome do qual eles não criam, pois disseram: "Esconjuro-vos por Jesus a quem Paulo prega", eles não criam em Jesus, era o Jesus que Paulo pregava, não eles. E o demónio não lhes respeitou.Por isso a esperança não a atitude, é que é a obra da fé(Atos 19.13).
c)Atitude de fé é quando a fé leva alguém a tomar uma atitude.Mas, estritamente falando; a fé só levará alguém a tomar uma atitude, quando ele for uma fé esperançosa.Se a fé não produzir a esperança, de maneira alguma levará a tomar uma atitude, pois a genuína fé sempre faz alguém esperar, sempre espera ela é sinonimo de confiança; por isso se alguém diz que tem fé, mas, vive desesperado a fé deste está morta.Outras coisas, ou outros motivos poderá levar a atitude, mas, somente a fé esperançosa levará a tomar a atitude de fé.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Visão de Dois Ministérios


"Isto fazendo, apanharam grande quantidade de peixes, e rompiam-se lhes as redes.Então, fizeram sinais aos companheiros do outro barco, para que fossem ajudá-los.E foram e encheram ambos os barcos, a ponto de quase irem a pique". Lucas 5.6,7

Na prosperidade espiritual, onde há muitos frutos, aqui há um segredo, um ministério deve compartilhar com o outro, essa bênção, assim o outro vai o ajudar e ambos se fartaram das bênçãos de Deus.
O que acontece na verdade é que na ganancia o ministério próspero, tende a construir um tempo maior para abrigar todas as almas(
Lc 12.13-21). Digo que os frutos com um tempo se perderão, mofando, dando bicho, devemos lembrar dos Israelitas que comiam além da conta o maná, ainda em sua boca dava bicho, e em suas vasilhas e vasos davam bicho.O ministério poderá ser bem sucedido, em manter todos na igreja, porém poderá ela dar assistência boa espiritual para todos?Se Pedro não pedisse ajuda afundaria com seu barco, e perderia o seu barco e seus peixes, o mesmo acontece, quantos grandes ministérios, com grande safra de desviados, e os que estão dentro estão raquíticos, na sua estrutura espiritual? Digo que os tais, são ministérios, "barcos afundados".
Diz a palavra de Deus sobre o liberal:
"...pela sua liberalidade está em pé."Isaías 32.8(Bíblia João F.A, revista e corrigida de 1997).
Agora por que o título deste texto é: Visão de dois ministérios? Por que é assim você abençoa o ministério de seu irmão e ele te abençoa, você pode ter em sua rede muitos peixes, mas, se você se abrir com seu irmão e compartilhar a pescaria poderás e certamente estarás livres do risco de viver uma vida de naufrágio.
Um Grande abraço para todos!!

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Andando por fé (Parte 2)


IV. Andar por fé como descansar na popa do barco, durante uma grande tempestade(Mateus 8.23,24).

A)Isso não quer dizer que você tem que ser cego e surdo, diante das necessidade de seu irmão.Por que fé produz obras(Tiago 2.22 e 26).Este andar por fé, e para você, Jesus te deu exemplo.Mas se o teu irmão não tem fé, como foram o discípulo(Mt 8.25,26), deves ajudá-los, na as incredulidade(Mc 9.24) ou na sua pouca fé(Mt 8.26).

b)Quem tem fé ou quem anda por fé, não tem medo das grandes ondas que querem engolir o seu pequeno barco, pois é por fé e não por vista.Posso dizer ainda que se é por fé e não por vista ele nem está enxergando a onda. Mas e se for fogo o perigo e não água?O calor eles não sentiram e nem tão pouco terão seus danos (Daniel 3.27). Pode descansar tranquilamente nas águas, no leito, dentro do barco.

V. Andar por vista, é se desesperar por causa da tempestade. (Mt 8.25)

Se você não poder crer em Deus tudo será demasiadamente difícil para você, você será cruelmente maltratado, pelas lutas provas e tribulações,vais afundar, nas águas(Mt 14.30,31), vais ser morto pelo calor do fogo(Daniel 3.22), e a sua obra, de maneira nenhuma será aprovada por Deus,ou não passará no teste (I Coríntios 3..12,13).

b) Quem anda por vista sempre censura aquele que anda por fé(Mc 4.38). Como os discípulos (Não se te dá que pereçamos? Ou não te preocupas?).Ao estarem embaraçados por não terem fé, olham e em meio a tribulação, vêem que o crente anda tranqüilo ou “dorme”, num profundo sono. Não que ele seja igual a Jonas (Jonas 1.5,6), não se importando com o próximo, mas, o criticam por que ele não se desespera, como eles.Para eles o se preocupar é se desesperar. Para quê? Convém lembrar, que esse preocupar não é por causa da tribulação, mas, sim por causa do próximo, por isso não desesperamos. Por que preocupamos é em ajudar o nosso próximo o qual está em dificuldade na sua fé, com a nossa fé produzindo obra .

VI. Andar por fé, é como lançar as redes pelo mandado do mestre. (Lc 5.4-6)

a)O mar é o mundo, para se estar nesse mundo como cristão, (mundo aqui é “ essa vida terrena”), agradando a Deus, temos que nos submetermos a vontade de Deus, sempre buscado ser dependente de D’Ele,ma, para conseguirmos isso, temos que crer verdadeiramente em Deus, a ponto de não duvidarmos,mas, mesmo se já tentamos e não conseguimos façamos de novo, não vendo a impossibilidade passada, com Pedro ao viu, mas, “crendo somente”.

b) Como resultado de uma vida de fé e obediência aos mandados de Deus, os frutos serão abundantes. Não ficaremos sós, pois careceremos que outros nos ajude com sua igreja e suas orientações, visto não conseguimos, mais comporta em nós os frutos. Não seremos como aquele homem rico, gananciosos, querendo apenas para nós, mas também repatiremos com os outros templo maiores, ao invés disso compartilharemos os frutos com os outros, pastores e templos a nossa volta( Lc 12.13-21/Lc 5.6-7).


... anterior.

domingo, 29 de agosto de 2010

Andando por fé(Parte 1)


Por que andamos por fé e não por vista. II Coríntios 5.7

I. Andar por fé é andar sobre as águas do mar. Mateus 14.28,29
.Pedro teve fé, pois como se pode andar sobre as águas?
.Não devemos tentar a Deus, Pedro andou por que Deus mandou.(Mt 4.7)
a) Se Jesus mandar faça.
b)Se não te mandar não faça, para que depois não venhas a dizer, que Deus te desamparou, que Ele foi errado.

II. Andar por vista é afundar nas águas. Mateus 14.30,31
.Pedro sentiu o vento forte. Se adamos por fé, devemos muitas vezes ignorar certos sentidos.
a)Ele sentiu e teve medo, se ele tivesse ignorado o veto forte que sentia, não teria afundado. Pois não temeria a ele.
1. Muitas das vezes estamos apegados ao sentir.Se não sentimos não cremos. Se começamos num culto e não ouvimos, nem um glória, nem uma língua estranha, já começamos por dúvida. "Será que Deus esta recebendo meu louvor"? Ora sem fé é impossível agradar a Deus, Hebreus 11.6
2. Se você se aproxima de Deus, sem fé, como pode querer que Ele receba o seu louvor? Ou responda a sua oração?Ou te fale através da palavra, se você até tem dúvida, se é esta a palavra ou não.Se queremos o sentir, primeiro é que cremos.Se dependemos de sentir primeiro para depois crer, estaremos como Tomé. Como diz o texto."Se creres verás a glória de Deus".João 11.39
b) Se você anda pela fé, que acreditar mesmo que não veja.É como a esperança."Se esperamos o que não vemos, com paciência o esperamos... ora a esperança que se vê não é esperança".Romanos 8.24,25
1. Para que ponto-de-fé? Que fé é esta que precisa, de que se veja alguma coisa. João 20.27
.Pedro teve medo, medo é sinonimo de dúvida.Se temos medo, é porque estamos inseguros a respeito de alguma coisa.
a) Se não pudermos crer, não podemos servir a Deus. Mediante a fé somos salvos, pela justificação que alcançamos em Cristo Jesus, pela fé, temos paz com Deus. Romanos 5.1
b)Pela fé Pedro andou sobre as águas, podendo assim cumprir o mandado de Jesus, que mandou que ele viesse ao seu encontro m cima das águas.Mas, quando duvidou, afundou nas águas, e não pode mais andar sobre elas, não pode mais cumprir o mandado de Deus, ele afundou.
III Ai então é só pedir socorro. Pois se isso não fizeres, poderás morrer no mar da vida.

continua...

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Palavra importante 6: Santidade


A palavra santidade; quer dizer separar para uso divino. Mas a sua aplicabilidade amplia este conceito. Quando vemos a sua aplicação no Velho Testamento, vemos que santidade, não trazia apenas o sentido de consagração, mas, também o de purificação, onde as práticas de higiene as quais a lei impunha aos judeus, visavam isto(Lv 6.22-27). Pois o homem para se santificar deveria se lavarem água corrente, não tocar em cadáveres, ou comer alguma carne de animal imundo, ou tocar no sangue ou sémen, ou mesmo numa mulher no período de sua menstruação, e muitas outras práticas eram exigidas para que se pudesse santificar(Lv11.39,40/15).Então na aplicação da palavra , ela no Velho Testamento trazia um significado bem mais amplo. Agora no Novo e no Velho Testamento, a palavra ganha outra dimensão que não somente a física, santidade também quer dizer, pureza moral, coração com propósitos e caminhos bons e justos(Mt 5.8/Hb 12.14). No Velho testamento, ainda na lei, Moisés fala que os pais não deveriam fazer com que suas filhas viessem a prostituir, pois a sua conduta viria a contaminar toda a terra, ou seja não era uma contaminação física, mas, moral(Lv 19.29). Pois seguiria-se seu mal exemplo. Jesus no Novo Testamento diz assim. "Bem-aventurado os limpos de coração, por eles verão a Deus"(Mt5.8).A santidade é algo que precisa estar na vida e no coração daquele, que busca servir a Deus, por que Deus conhece o homem pelo seu coração, ele reprova toda conduta impiedosa.Santidade é a conformação com a lei de Deus. Pecado é a transgressão da mesma. Mas santidade também é um estilo de vida totalmente em harmonia com o universo, o ser santo é um ser perfeito, a perfeição de que Deus, nos pede não é uma utopia, mas, o verdadeiro santo não se considera santo, e talvez se julgue a si mesmo um miserável pecador, pois contemplou o eterno e ficou assombrado. Glória a Deus, Aleluia!

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

A sedutora ilusão do espíritismo


A Bíblia diz que ao homem, está ordenado morrer uma única vez, está é a regra(Hebreus 9.27), salvo nos casos de ressurreição, casos estes que são raros ocorrendo apenas por vontade de Deus.Mas como seria bom para muitos, se houvesse uma segunda, terceira, chance, pela qual ele pudesse voltar em outra vida, e refazer agora de um forma melhor e bem mais justa, e por meio de boas obras pudesse alcançar uma vida melhor!Acontece que não é assim, mas, é nisso que muitos querem acreditar, muita das vezes até mesmo cristãos largam a sua fé, para seguir atrás desta sedutora ideologia ilusória. Acontece também que no Brasil, mais e mais cresce o número dos adeptos desta ideologia espírita.
Você já imaginou se você morto, pudesse mandar mensagens para seus entes queridos, e lhes avisar do mal e da realidade de espiritual, por meio de médiuns? O rico da parábola de Jesus, até quis( por certo, penso eu, durante sua vida pródiga, ouvia e lia sobre esta ideologia, que não é assim nova). Chegando no Ades, viu Abraão lá no Seio de Abraão, nome dado por Jesus ao lugar de descanso dos justos, lembrou-se desta filosofia.É claro ele não pediu para que falasse através de um médium, mas, pediu a ressurreição de um defunto para cumprir este propósito. Mas, quão grande foi a sua decepção ao saber, que isto também não seria permitido. Por que na terra já existia, livros e profetas de Deus, que apregoavam e previnião os homens para que este fossem salvos da condenação eterna(Lucas 16.19-31).
Mas, como já tenho declarado é crescente o número hoje de pessoas, que se agarram se prendem a estas filosofias, na esperança de se comunicarem com estes queridos que morreram, para saber como estão, obterem conselhos, e muitas outras coisas.
A literatura psicografada, de supostas histórias que supostas pessoas que aqui viveram, dizem aos médiuns, é muito popular e difundida, sendo lida por até mesmo cristãos, simplesmente como uma forma de literatura, esta ideologia é apregoada, nas novelas e filmes. As pessoas se apegam a ilusões como essas, por corresponderem as suas expectativas. A verdade, já na maioria das vezes é frustrante. Para cada coração Satanás, tem uma mentira, tão sedutora quanto o brilho do ouro, e o cheiro de um pernil assado e bem temperado às narinas de um faminto mendigo.
Mas, se alguém está cansado de viver na ilusão, a palavra de Deus é Lâmpada para os seus pés, e luz para o seus caminhos(Salmos 119.105). A verdade pode ser decepcionante, mas, é libertadora, nem sempre nos corresponde, mas, nunca nos abandona, e ela é a força de todo o justo.

domingo, 25 de julho de 2010

A natureza pecaminosa e Deus


Natureza pecaminosa, parece-se que tudo resolve com estas duas palavras, se alguém te perguntasse. "Por que o homem peca?"Você prontamente lhe diria, por que a sua natureza é pecaminosa, e dormira tranquilo com isso, acontece que quanto mais esclarecida for a alma,melhor e bem mais acertada deve ser a resposta a essa pergunta. Para mim a resposta seria; "por que o homem quer".
O mesmo se aplica a Deus, todos nós concordamos que Deus não peca, mas, quando se procura uma resposta satisfatória, encontramos a seguinte resposta. "Por que a sua natureza é Santa, por que a sua natureza é sem pecado".Pense bem parece que resumimos, pecado e santidade, a um simples estado e ou qualidade das naturezas humanas e divinas consecutivamente. E não é bem assim, no caso de Deus a sua oniciência( que é parte de sua natureza) o concede saber, e se prevenir de ser tentado, ou de se permitir ser inclinado ou tentado ao mal, pois é exatamente isso que a Bíblia diz. "Deus a ninguém tenta, por que não pode ser tentado pelo mal".E por que não pode ser tentado? Por que antes que seja,se houvesse tal probabilidade de o mal o tentar, ele já o saberia, é por isso que ele jamais é tentado pelo mal. Jesus como homem, foi tentado para nos dar o exemplo, só por isso; exemplo esse de vencer e resistir o mal. Mas não estamos falando de Deus como homem, e sim de Deus como Deus e do homem como homem, e da natureza divina e da natureza humana.
Por que não é a natureza que determina, sobre eu ser santo ou ser pecador e sim as minhas escolhas, Deus poderia escolher pecar, mesmo com sua oniciência sabendo todo o mal que isso lhe implicaria,por que a sua natureza não o impediria, pois isso depende única e exclusivamente de sua vontade. Por que tanto a natureza de Deus, como a humana, não é santa e ou pecadora em si mesma, sendo o pecado uma transgressão contra lei moral, e a santidade a confirmação da lei moral, não depende da natureza e sim de nossas escolhas.
Então dizer que a natureza é pecaminosa em si, é o mesmo que dizer que o pecado é uma qualidade dela, que só do homem existir ele peca, sem nem mesmo pecar. Agora sim a natureza é pecaminosa, mas, não em si pois ela não pode pecar pois não é um ser e sim é parte de nós, ela é pecaminosa simplesmente por que nos dá a ocasião ao pecado, mas, quem peca somos nós. Da mesma maneira, dizer que a natureza de Deus e santa em si, e o mesmo que dizer que se Deus pecar ele não peca. Pois se a santidade está em sua natureza é absurdo pensar que ele possa pecar, ou que tenha tal capacidade, mas, se afirmarmos que Deus não tem a capacidade de pecar, estaremos afirmando que a sua vontade não é livre e sim submissa a sua natureza. Pode uma coisa destas?Pois bem a natureza de Deus é santa, por que Deus é santo por que essa é sua escolha e não o contrário.

Um grande abraço a todos,e gloria a Deus, que escolheu a santidade, pois foi por esta causa, que ele nos amou!!

terça-feira, 20 de julho de 2010

Simples


O povo ficava simplesmente maravilhado e dizia: "Ele faz tudo muito bem. Faz até o surdo ouvir e o mudo falar". Marcos 7.36

Jesus em sua época por muitas vezes curou pessoas, e estas mesmo sem o consentimento d'Ele saíram a divulgar o que ele lhes havia feito, nem sempre eram acontecimentos que chamasse a atenção como foi o caso da libertação do endemoniado gadareno, mas, uma coisa é certa eles falavam mesmo assim, muitas coisas eram simples assim como a cura da sogra de Pedro de uma febre, mas, eles saíam e divulgavam o que Jesus lhes havia feito.É claro vale aqui uma observação que numa época daquelas a febre era algo muito perigoso, pois não possuíam o conhecimento que temos hoje, para combater ou prevenir uma morte por resfriado, ou gripe.
Hoje temos a tendência de complicar o evangelho, algo tão simples o tornamos tão complicado como a elaboração de um sermão, mas, não precisa ser assim, basta você contar ao mundo o seu testemunho, talvez Jesus te curou de uma simples dor de cabeça, então fale desta dor de cabeça, ela é a palavra que Deus tem para que você por meio dela possa testificar que ele é real, está vivo e tem poder para salvar, curar, que se importa conosco, que não nos deixa órfãos.

Deus voz abençoe!!

Vigiai e orai


" Vigiai e orai para que não caiais em tentação"...
Mateus 26.41


Assim como a oração sabemos que a vigilhança tem uma finalidade muito importante na vida do cristão no que tange a tentação. A vigilhança é o que podemos fazer para sermos livres de sermos tentados e a oração é para que possamos pedir a Deus que faça por nós o que não podemos fazer para sermos livres de sermos tentados.
Na vigilhança, como o próprio nome diz, vigiamos, procuramos evitar, fugir, desviar do mal, aquele mal que podemos previní-lo. Se somos propícios a falar mal de alguém, então devemos evitar os grupos de conversas ociosas, pois se tivermos ali falaremos não ficaremos calado.
Na oração clamamos a Deus e ele fará por nós o que não podemos fazer, ele nos livrara do mal que não é aparente, nos dará escape quando formos tentados por falta de vigilhança ou por um mal que não podíamos evitar.
Deus não tenta a ninguém por que não pode ser tentado pelo mal. Devido a sua uniciencia ele prevê o mal, não existe algo que d'Ele possa se esconder. Já nós só podemos nos esconder e nos livrar daquilo que sabemos e conhecemos, por isso devemos vigiar, mas, também orar. Pois fazendo assim, haveremos de evitar todo o mal.

Um mega abraço e fiquem todos na Paz e na Graça do Senhor Jesus Cristo!!!

domingo, 18 de julho de 2010

O ansioso e o ocioso


Ansioso e ocioso, são duas palavras muito conhecidas por nós, são descritas na Bíblia e nenhuma delas é por Jesus louvadas. Quanto ao ocioso, a palavra de Deus diz: " Vai ter com a formiga o preguiçoso..." "... se alguém nãoquizer trabalhar, não coma também"...(Provérbios 6.6/ 2 Tessalonicences 3.10 )E quanto ao ansioso, Paulo declara: " Não andeis anciosos por coisa alguma"(Filipenses 4.6 ). Ao ocioso de qualidade, que é o preguiçoso, Deus reprova; ao ocioso de estado ou seja, aquele que esta desejoso por fazer algo, mas, não teve ainda oportunidade, Deus lhe da trabalho(Mateus 20.1-16 ); ao ocioso de mente a escritura diz que não devemos ter pensamentosociosos , que são aqueles pensamentos que você não procura mais vem na sua cabeça mesmo sem esforço muitos dos tais profanos, pensamentos viciosos ou seja vindo de uma mente exercitada na iniquidade(Provérbio 6.18).
O ansioso por seu momento é aquele que sofre por antecedencia, que quer as coisas pra ontem, que conta os dedos, morde a língua, coça a cabeça, anda de uma lado para o outro. Na vida do Reino de Deus, ele é igualzinho, não consegue esperar pelos irmãos, não consegue vigiar e esperar em oração pelo agir de Deus, isso pode e é muito típico da sociedade em que estamos vivendo uma sociedade amargurada e atormentada pela ansiedade.
Pois bem são duas palavras, que em sua essência dizem sobre um desequilíbrio da rotina e conduta das pessoas, quanto ao estado de seu coração, e alma. Mas, Deus pede para que o homem descanse nele.

Um grande abraço!!

terça-feira, 13 de julho de 2010

Mandamentos leves


... e os seus mandamentos não são pesados. 1João 5.2

Desde criança que na igreja tenho ouvido falar sobre doutrina como algo assim, pesado árduo. Já ouvi pastores dizer e comparar a doutrina como chicote, pimenta, jiló necessário, e por muito tempo cresci ouvindo isso. Um dia lendo a palavra de Deus me deparei com este versículo e esta frase esclarecedora, nela Deus me dizia: "Não, os meus mandamentos não são pesados".E quando Jesus dizia sobre o seu ensinamento ele convidava as pessoas a aprender dele, usando o argumento de que ele era leve e suave(Mateus 11.18-30). E ele dizia mais, que aqueles que aprendesse dele e se submetesse encontrariam descanso para as suas próprias almas, aqui vale uma pergunta:Você tem encontrado descanso para a sua alma? Se a resposta é não, então o fardo que esta sobre os teus ombros não é o fardo de Jesus, e sim o fardo das religiões e ideologias humanas.
Então se os mandamentos de Deus não são pesados se a sua doutrina é leve, e seu domínio não é com imposições, por que muitas pessoas dizem e pensam assim?
Ou porque foram ensinadas erradas, ou porque são legalistas que amam como os fariseus atar fardos pesados e mandar o que Deus não mandou em nome de Deus, ou porque são pecadores não convertidos que querem servir a Deus pela carne e não conduzidos pelo Espírito, a bíblia nos assevera que na carne ninguém agrada a Deus( Rm 8.8). Mas, nem mesmo Jesus nem mesmo nenhum dos apóstolos, ensinaram ou apregoaram coisas pesadas ou ensinamentos legalistas e impositórias a ninguém, nem mesmo usaram de pressão psicológicas para tentar convencer os cristãos. Finney uma das grandes mentes cristãs do século XIX, em seu livro de Teologia Sistemática ensina que; "Que Deus não nos cobra nada além de nossas forças, capacidades e compreensões", ou seja nada além daquilo que suas mãos possam alcançar, no empenho de agradá-lo, e seu caminho diante dele é um caminho de fé, e de coração, nada pode ser contrário a isso, pois do contrário seria muito pesado.

Deus voz abençoe amados!

domingo, 11 de julho de 2010

Quem ama os prazeres nunca prosperara...












Quem ama os prazeres empobrecerá;quem ama o vinho e o azeite nunca enriquecera.
Provérbios 17.20


Neste texto de Provérbios vemos aqui, um princípio e uma verdade. O princípio é aquele que a maioria de nós conhecemos que se quisermos alcançar alguma coisa precisaremos de nos abster de tudo aquilo que for contrário, ou que possa atrapalhar a gente no alcance de nosso objetivo, isso no texto dá o exemplo da riqueza, que se a pessoa é alguém esbanjam, como o foi o filho pródigo, verá tudo o que possui ser consumido, e nunca será prospero, mas, se não mudar de conduta, se não poupar seu dinheiro, se não fizer um investimento lucrativo, se não procurar trabalhar a guardar o que adquiriu, consumindo apenas o necessário para a sua sobre vivência, concerteza se não tomar as medidas certas, ficará sempre em pobreza,e nunca chegará a prosperidade.
Meu irmão que já foi trocador, em aglomerados, me disse certa vez, sobre o esbanjamento de certas moças e certos rapazes, que por lá vivem, de que andam com ténis da moda, mas, contudo vivem em pobreza, se entrar em suas casas, vem paredes mofadas, cheiro de urina, mas, quando se encontrar com os mesmos na rua, estão impecáveis em suas vestimentas, com roupas de marcas, caras e sempre andam como se disse por ai; nos panos. Mas, contudo a Bíblia nos ensina que se quisermos prosperar, este caminho é o caminho que não devemos seguir.

Um grande abraço!

sábado, 10 de julho de 2010

Dê-lhes o que você tem!


E Pedro fitando os olhos nele disse: Olha para nós.
E olhou para eles esperando receber alguma coisa.
E disse Pedro:Não tenho prata nem ouro, mas, o que tenho isto te dou. Em nome de Jesus Cristo o Nazareno levanta-te e anda. Atos 3.4-6


Você chega a porta, e tem um miserável a te pedir, o que você tem para lhe dar? Pedro e João tinham, Jesus. Quando subimos ao púlpito, para dirigir um trabalho, ou mesmo ministrar um hino, ou uma mensagem, as pessoas que estão do outro lado estão cedentas, de que nós lhes demos algo, podemos ter alguma coisa, e o que tivermos é isso que lhes daremos. Podemos lhes dar um tempinho de descontração com uma piada, muitos ministros contam piadas para suas ovelhas, podemos lhes dar um tempo de admiração e contemplação ao executar com perfeição uma melodia, e com uma voz abençoadamente bonita fazer com que os olhos fiquem sem piscar, e que os murmuradores, que cochicham durante o culto parem por um momento e desfrute daquela apresentação que temos para lhes dar, mas, o que isso causará em suas vidas?Será que o que temos tido para dar as pessoas tem sido algo que como aquelas esmolas não tirava aquele homem, mas, apenas o mantinha preso como que algemas na vida miserável em que ele estava vivendo?
O que temos para dar? Descontração, piadas, talentos, riquezas infinitas de toda a espécie? Lembremos que Naamã tinha tudo o que queria ele era um general do rei da Assíria, mas, contudo as suas posses não lhe mudaram a sua situação aquilo que ele mais necessitava, não era de poder, nem de riquezas, era de ter saúde novamente. Da mesma forma aquele coxo na porta do templo, mas, graças a Deus que Pedro e João estavam duros naquele dia, estavam com seus bolsos literalmente vazios, pois sendo assim puderam dar aquele homem o que tinham de mais precioso, lhe deram Jesus, e Jesus mudou a situação daquele homem, ele deixou de ser coxo, não mais teve a necessidade de mendigar, pois estava curado.
Jesus, isso é o que as pessoas esperam de nós, isso é a única coisa que precisamos ter e ter com abundância, para podermos dar a quem pedir, de forma que venhamos a satisfazer a real necessidade de suas almas, pois somente Jesus é o único que realmente pode mudar as vidas.

Um grande abraço Deus voz abençoe!

sábado, 26 de junho de 2010

Porque não podemos deixar de falar!!!


Por que não podemos deixar de falar do que temos visto e ouvido. Atos 4.20

Notório era a todos, que Deus havia pelas mãos de Pedro e João, curado a um homem coxo desde que nascera. Por isso não podiam condenar a Pedro e a João. Mas temendo por este e outros sinais o povo viesse a se converter ao cristianismo os principais do templo, os açoitaram e os advertiram que não falassem, nem ensinassem naquele nome. No entanto, Pedro tomando a palavra começou a lhes dizer, e no seu discurso lhes declarou:
"Por que não podemos deixar de falar do que temos visto e ouvido".
Seremos ingratos, seremos injustos, seremos omíços, seremos egoístas e ímpios, por esconder a verdade, a solução dos problemas, a declaração do amor de Deus, a salvação e a vida eterna, não estaremos cumprindo os mandamentos de Deus, e nem amando o nosso próximo. O pecado do jovem rico, foi não amar o seu próximo, dizia que amava a Deus que não via, mas, não amava ao próximo que não via, o seu coração estava no dinheiro. O amor tudo sofre, ele não sofria a perca de sua riqueza pelo amor de Deus. Como amava?
Se recebemos tão grande dádiva é nossa obrigação repartir, o que recebemos, o amor nos constrange a isso. De maneira que se realmente amamos a Deus, comprimos os seus mandamentos e amamos o nosso próximo, não poderemos deixar de falar tudo o que temos visto e ouvido de Jesus.Mas, se você recebesse uma grande dadiva, qual seria o seu natural comportamento? Quem primeiro declarou, o coxo ou Pedro? Vemos que apos a cura, foi o coxo quem saiu glorificando e com isso dando um textemunho vivo, coube a Pedro apenas esclarecer o que estava acontecendo, o que eu quero realmente dizer é justamente isso, que se você recebe algo bom maravilhoso de mais para ti, qual será o seu comportamento? Vai ou não falar? E mesmo que não fale a sua propria vida o vai!!

Deus voz abençoe!!

Sobrecarregados


Mateus 11.28,29

Você já esteve assim?Sobre carregado? Já colocou sobre os seus ombros, um fardo maior do que suas forças? Um fardo moral, o da reputação, o da conduta que os homens esperam de ti, ou semelhante. Um fardo de religião, tendo que cumprir, dogmas sobre dogmas, costumes e rituais, servi a deuses tiranos, que mais dão motivos de odiá-los e nenhum motivo real para ama-los. Um fardo psicológico a pressão das cobranças, dos deveres, dos sentimentos, das circunstâncias, sobre a opressão na consciência de fatalidades, de fatos e situações que vem a ti, e fogem do seu controle. Sobrecarregados de anceios, de trabalhos, de preocupações de responsabilidades, de decepções, de tudo...
Quanto a este problema, Jesus disse:
Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para a vossa alma. Mateus 11.28
Só o Senhor Jesus pode aliviar-nos, tirar a sobre carga. Como? Não sei, mas, Ele sempre vê alguma coisa, Ele direciona os nossos caminhos, as nossas ideias, ele mostra para nós uma porta, quando não sabemos mais como achar. Quando tudo parece claro o suficiente, de forma que todas as opções já foram exploradas, Ele então traz a sua luz com um brilho mais forte, Ele traz uma luz dentro de outra, nos fazendo compreender e enxergar a solução d'Ele, que por causa de nossas limitações, não enxergamos, mesmo estando elas debaixo de nossas narinas.

Um grande abraço para todos!

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Membros consagrados


...nem tão pouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniquidade...
Romanos 6.13

Quando você viu este titulo talvez pensou que se tratasse de pessoas consagradas a Deus.Não é isso. Estou dizendo de membros do nosso próprio corpo, pois assim como os homens do mundo apresentam seus corpos para servirem as iniquidades, ou seja a prostituta se apresenta para ser um instrumento da lascívia, o viciado um instrumento do desejo incontrolado de usar intorpercentes, cometendo com isso roubos, e viciando outros. Entre outros vícios, e maus costumes que as pessoas adquirem por apresentarem ou oferecerem os membros de seus próprios corpos para serem usados pelo pecado para a satisfação carnal, por que na verdade como o versículo ai a cima citado diz eles consagram seus membros a iniquidade, a Bíblia nos exorta na continuação deste versículo.

...e os vossos membros a Deus como instrumento de justiça.

Que ao contrario, devemos consagrar os nossos membros agora libertos do pecado, a Deus; para serem eles instrumentos da sua justiça.Como vemos se na pratica do pecado adquiríamos vícios e manias terríveis que era difícil de nos vermos livres deles, precisamos agora adquirirmos bons costumes, os quais venha a moldar a nossa conduta, é difícil pois quando você vive conforme o pecado você apenas segue a correnteza, ou seja você apenas faz o que seus impulsos querem, você é bonzinho quando os seus impulsos querem, e quando eles querem você é mau. Mas, agora é diferente, se a carne quiser você é bom, mas, se a carne não quiser deve continuar a ser bom, pois isso é do agrado de Deus, que façamos aquilo que é justo.
Deus dará graça! Se estamos em Cristo Jesus. Romanos 8.1

Leia mais...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...