TRADUTOR

sábado, 31 de dezembro de 2016

Série Creio 2: Inspiração da Bíblia como Palavra de Deus

2. Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão (2Tm 3.14-17).

Creio que todo o cristão que faz honra ao seu nome, crer na inspiração dá Bíblia, muitos questionam a validade do Canon Sagrado, o acham tendencioso, que os livros nele inseridos visavam atender os interesses de um cristianismo imperialista a favor do imperador Constantino, perguntam se tudo não foi uma questão de interesses e nada de inspirado há de verdade. Todavia o maior testemunho em favor dela que temos é o testemunho do Espírito Santo, e o de milhões de vidas transformadas para a Glória de Deus ao redor do mundo porque creram nas sagradas letras e aceitaram a mensagem do evangelho nelas contidas. Este testemunho é tão grande que em todas as eras as pessoas que aceitaram o evangelho conforme as Escrituras, logo nos informa e deles se testemunham que tem experimentado o maravilhoso novo nascimento do qual Jesus a Nicodemos (João 3). A própria oposição a estás sagradas letras tem se tornado um testemunho de que ela é a Palavra de Deus, tanto por inspiração como por realidade, pois aonde as trevas são mais densas o brilho dá luz se mostra mais escelente.
*"Na inspiração verbal da Bíblia sagrada". A palavra é inspirada, isso quer dizer que ela é cheia; ela é inspirada verbalmente ou seja que a sua escrita, produção e organização foi inspirada por Deus. Ele revelou profecias e visões as quais foram nela escrita, autorizou o registro de histórias e discursos humanos, de anjos ou demônios que foram inseridos nela, mandou que se registrasse as suas palavras, leis, testemunhos. Quem a fez estava cheio do Espírito Santo.
Outra coisa, a expressão" inspiração verbal", também pode querer dizer, por verbo indicar ação, que a elaboração ou organização do Canon sagrado, foi feita por inteira inspiração divina, e não por interesses humanos. Por mais que os homens tivessem algum interesse nisso.
Outra definição para esta expressão, é que a Bíblia, é um instrumento de inspiração divina, sobre a vida daqueles que a recebem como regra de fé e prática, instrumento poderoso de Deus.
Quando lemos que a fé vem pelo ouvir a palavra de Deus, vemos que este livro transmite pelo Espírito Santo que dele faz uso, inspiração para a vida daqueles, que o ouve. Inspirando através de suas verdades profundas fé no coração do leitor e do ouvinte atento.
* Única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão. É a bulsula pela qual o cristão se orienta, na qual ele dirige a sua vida, através dos valores e princípios nela revelados.
São infalíveis, pois quem os garante é o próprio Deus, que os sustenta pois são a sua palavra. Ele mesmo diz, que passariam céus e terra, mas, que a sua palavra estaria intacta, sem ser mudada ou arrependida( Lucas 21.33  ).
Fé normativa , ou fé que orienta a conduta do cristão em sua vida, e na formação do seu caráter. Está fé é fundamentada nos santos princípios e valores dá Palavra de Deus.
*" Divinamente inspirada". As Escrituras Sagradas são cheias de Deus, cheias com seu coração, propósito e designos para o homem, cheios com a sua revelação, cheias com seus conselhos, com a prescrição de seu santo caminho o qual é Jesus, cheias ou seja inspiradas, impregnadas, são Palavras de Vida Eterna( João 5.39/6.68/ ). Quem dela bebê tem a sede de sua alma saciada(João 4.14)
Não temos a Bíblia como um dogma, ela não nos é imposta por normas eclesiástica, mas, é a inspiração clara, insuperável, irrefutável, inesgotável, incomparável é que por si só a impõe como autoridade espiritual escrita para que a sigamos e creiamos em seus escritos. Seu testemunho e o testemunho do Espírito Santo, bem como o de milhares de santos pelos séculos atestam-na e aprovam-na como Palavra de Deus.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Série creio 1: Trindade

Nesta série de postagens estaremos fazendo
várias reflexões sobre os 14 crédulos das Assembleias de Deus. Nesta primeira falaremos sobre Trindade.

1. Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).

A expressão subsistente traz um sentido magnífico, que é existente em três pessoas.
*  " Sub" é um prefixo que traz a idéia de estar abaixo, ou sobre o poder de, subentender( ou aquela idéia ou sentido envolto, embutido ou contido em algo). Segundo o dicionário da língua portuguesa, é: Prefixo que significa inferioridade, aproximação ou substituição.
* Existente. Que existe, que tem um lugar na realidade; que tem presença, que vive ou tem vida, que é. O que é real.
* Logo subsistente é a existência que perpétua, ou está subtendida, ou que se manifesta, ou que está através de algo ou alguém. Aplicando isto a Deus, Ele subsiste(sub existe), ou existe através da trindade.
2. Ele " eternamente subsiste através da trindade e é a mesma". A palavra eternidade traz a significação de uma existência sem limites, sem princípio, sem fim, mas sendo presente, sendo real. Então Deus Ele, subsiste eternamente na trindade, ou seja, Ele existe em todos os sentidos e sempre e sempre; sua realidade se manifesta absoluta e sendo a essência plena de cada indivíduo da trindade e dela ao todo. O atributo da onipresença aliado a onisciência, torna a unidade de Deus uma realidade incontestável. A onipresença do Pai torna o Pai presente no Filho e no Espírito Santo, ao mesmo tempo que conserva a sua individualidade e isso se aplica aos demais. A onisciência do Filho torna o Filho conhecedor do todo do coração, da mente do Espírito Santo e do Pai e isso se aplica aos demais. E a onipotência vem apenas confirmar a possibilidade de isto ser uma realidade. A comunhão é outra peça importantíssima no estabelecimento e confirmação da unidade divina, pois não apenas conhecem o coração um do outro, mas, caminhão no mesmo caminho, seguem o mesmo passo, se firmam no mesmo propósito.
* Triunidade: Pense no exemplo da mexerica. É apenas uma mexerica, apenas um fruto, ela possui uma casca grossa que a torna uma, e ligas que prende suavemente os seus gomos. Nisto temos um  só Deus, que age em perfeita unidade, porque age como um e se manifesta sempre como um. Um só Deus.
Mas, analisemos está mexerica, ela possui vários gomos perfeitamente separados unidos apenas por esta liga e pela casca que os cobre. Mas, existe outra unidade neles, é que, dentro de cada um deles existe a mesma composição, que dá o sabor da mexerica, o mesmo dna, as mesmas moléculas, o mesmo sabor, pequenos favos com o mesmo líquido, o mesmo cheiro.Nada diferente, a não ser a sua individualidade. É claro que no caso de Deus, cada pessoa da trindade, tem a sua personalidade em individual, não são cópias um do outro. Mas, assim como a mexerica são um em essência, sendo três pessoas.
Da mesma forma, para falar sobre a unidade de Deus, precisamos falar sobre a unidade em dois pontos, como no exemplo da mexerica, a unidade externa(exemplificada pela casca e pela liga) e a unidade interna( exemplificada pela essência comum nos vários gomos).
Unidade externa: " A casca e a liga", Se refere a tudo o que Deus faz, a todos os seus planos executados(casca), e a todos os seus designos quando ainda internos, apenas no projeto( a liga).
A) " A casca". Deus age como um todos os seus feitos rendem lhe glória como a um, todos os seus caminhos são perfeitamentes um único caminho, pois o Pai, não seguem para um lado e o Filho para o outro, e o Espírito um caminho totalmente diferente. Por isso  é estranho pensar em Deus agindo de forma diferente daquele que é comum a nós pela palavra de Deus. A palavra para representar a casca e união plena.
B) " A liga". Há um sentimento e um propósito único, no coracde ambos os três, a um caminho de coração, de consagração a benevolência desinteressada, há um plano universal, há um caminho mais alto que os nossos, e está unidade de sentimento que é perfeitamente única, de pensamento( não que cada um não tenha o seu, mas, porque se harmonizam, mesmo sendo diferentes, mesmo cada um tendo o seu próprio, não existe falta de comunhão), os liga, os grudam. A palavra para representar a liga é comunhão plena.
Unidade interna: A essência nos gomos é a mesma. Dá mesma forma a essência em Deus é a mesma nas três pessoas. Pois o mesmo poder divino e os mesmos atributos comunicaveis e incomunicáveis, que há no Pai, há no Filho, e no Espírito Santo, são eternos, são onipresente, onipotente, oniciente etc... Por tudo isso, a unidade é perfeita, tanto externa quanto interna.

sábado, 24 de dezembro de 2016

Caráter, religião e ateísmo


Se um Pai consegue por limites em uma criança fazendo-a o respeitar, então esta criança ira guardar tudo o
que ele veio a ensinar a ela (ou pelo menos a essência disto). Se um ladrão é pego em um roubo pela polícia, ele vai procurar fugir, se houver esta opção, alguns vão atirar, e outros se entregarão sem resistência, o fato é que a presença da polícia por si impõem uma consciência, medo de ser preso privado da liberdade, ninguém quer chegar perante um juiz e receber uma sentença punitiva. Muitos de nós quando não temos pessoas a nos vigiar, procuramos romper com nossos limites morais, em nome de uma necessidade, cobiça, medo ou outra coisa;  mesmo tendo consciência de que o que viemos a fazer seja errado. Sem a presença de uma autoridade que imponha respeito, ou melhor sem respeito e consideração às autoridades, ou mesmo sem  a presença de alguém que se imponha como autoridade, não há como garantir que prevaleça qualquer lei. Ou no tocante aos valores morais, sem consciência de alguém a quem você tem que prestar contas, ou mesmo você tem que dar satisfação de seus atos, jamais se questionara se é certo, ou errado. Já ouvi alguém dizer que bom caráter, não é algo exclusivo da religião, que ateus também podem ter bom caráter. Não posso absolutamente discordar, embora estes mesmos ateus de “bom caráter”, nasceram em uma nação religiosa cheia de valores morais, alguns até são filhos ou netos de cristãos, ou mesmo vizinhos, colegas de serviço, escola e por isso herdaram esses valores, ou mesmo farão influenciados, pois os valores morais cristãos são bons e edificantes a toda a sociedade, e atraem a admiração até dos mais ímpios dos homens. Agora estes valores não partiram deles, nem dos ideais aos quais eles pregam.
Se criarmos uma sociedade sem religião, e apenas com os princípios morais das religiões, uma sociedade onde não há crença no espiritual que a matéria é o princípio, que o homem veio do fruto da evolução que não é melhor ou diferente de qualquer animal irracional, que Deus não existe, que os princípios morais de certo ou errado são relativos e que não há verdade absoluta; em pouco tempo estes princípios morais serão corroídos e desaparecerá. Esta sociedade para tentar mantê-los(os princípios morais) a princípio terá que estabelecer leis impondo-os a sociedade que começara a questionar o governo, e vera isso como um regime ditatorial. É fato o que tenho dito, pois quanto mais nossa sociedade se afasta de Deus, e troca a autoridade da Bíblia e de Deus, pelas teorias e ideais anticristãos, assim os princípios morais vão se deteriorando, e o que antes era normal, hoje é anormal, o que era errado hoje é certo e dizer contra pode até ser crime em alguns países.Há um filme cristão de Nome , “A Jornada uma viagem pelo tempo”, o qual conta sobre um teólogo que viajou no tempo e descobriu que a dissociação da conduta moral, da pessoa de Deus, era danosa, simplesmente pelo fato de que sem a presença da autoridade de Deus ela não se sustenta e gradativamente se corrompe.
Voltando a afirmação de que," bom caráter, não é algo exclusivo da religião, que ateus também podem ter bom caráter"; tenho cinco considerações importantes, que gostaria que o leitor lesse e refletisse:
A primeira consideração que já ate o fiz nos parágrafos acima, nem um ateu que seja "bom caráter", é isolado totalmente de uma sociedade teísta, ou seja, o fato dele estar inserido nesta sociedade o influencia a própria psicologia diz que o ser humano, é um ser social. Logo concluímos que mesmo que o ateu despreze a pessoa de Deus, sua vida devido o contexto social será direta ou indiretamente influenciada em seus valores pelos, princípios religiosos.
A segunda consideração, em muitas pessoas o ser bom faz parte de seu temperamento, mesmo que sua ideologia seja uma ideologia ateísta, pois o temperamento, não muda com as idéias.
Terceira consideração, para Jesus Cristo não importa a aparência ou o que você faça de bom, ou aparenta ser uma pessoa bondosa, pois como é falado na carta aos Gálatas;" em Cristo Jesus nem a circuncisão, nem a incircuncisão tem virtude alguma mas, sim o ser um nova criatura"( Gálatas 6.15). Pois é como na área da saúde se você preparar uma mesa cirúrgica para um cirurgião, levando em consideração as técnicas assépticas, e no final você tocar nesta mesa com sua mão, e esbarrar nas, ferramentas com sua mão sem uma luva estéril, você entara compromete toda a mesa cirúrgica. Da mesma forma, se você não for uma nova criatura, para Jesus qualquer ato de justiça seu, é apenas trapo de imundícia, ou seja tua bondade pode e é considerada pecado, por que como disse Charles Finney, o seu propósito ultimo(o seu coração em linguagem popular) é egoísta. Logo só com Jesus realmente pode haver bondade real.
Quarta a consciência em si já é um ato constante de Deus no ser humano, logo não há como o ser humano fugir da influencia divina ficando o mesmo sem desculpa sobre os seus atos ímpios. O ateu pode falar contra a religião, mas, não contra a sua consciência, ele pode ate ser insensível aos clamores de sua consciência, mas, isso não o torna inconsciente apenas, diz que a sua mente esta cauterizada.
Quinta e ultima consideração, ainda refletindo sobre consciência, ha diferença de uma pessoa com consciência cauterizada no tocante aos assuntos morais é a insensibilidade, e isso não quer dizer falta de consciência e sim simplesmente a insensibilidade. Ou seja a pessoa sabe o certo e o errado, mas, não se sensibiliza não se incomoda, isso também é verdade no tocante as coisas espirituais. Vivemos numa sociedade onde as pessoas estão cada vez, mais insensíveis a palavra de Deus, não se importam com o erro, mas, questionam as pessoas que se importam( 1 Pedro 4.3 e 4).
Deixo um versículo Bíblico que diz, com propriedade em poucas palavras o que já tenho expressado.
"...porquanto tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu".Romanos 1.21.
Caro leitor pense nisto!Deus o abençoe!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Porque Deus me prova?

 Porque Deus me prova? Primeiro é preciso saber em que sentido estou sendo provado? Para depois eu perguntar porque estou passando por isso? Porque geralmente está pergunta ( Porque Deus me prova?), não é feita no sentido de prova mesmo, mas, sim no sentido de querer saber o que fizemos para merecer, o sofrimento ou a situação na qual nos encontramos.
Mas, como já vimos na série de reflexões, "o provar de Deus", Deus não nos prova como sinônimo de castigo, e sim como sinônimo de teste e evidência. Vimos também que a causa, ou o porque d'Ele nos provar é a promoção do bem, seja este bem o do "Reino de Deus", de Deus, ou o nosso ( dependendo do contexto dá prova). Que a prova é o manifestar dá justiça de Deus, o evidenciar de seu amor, também que ela vem quando Deus vê em nós a " necessidade de sermos provados", para assim crescermos em fé, amor, comunhão, graça, conhecimento e sabedoria de Deus.
Logo o provar de Deus, não pode ser erroneamente indentificado como o castigo de Deus. Nossos pais não nos provam quando erramos, nem Deus, que incoerência essa, mas, na verdade é isso que estamos a dizer, quando perguntamos. Dizemos, "qual erro cometemos para merecermos ser testados por Deus?" Não, os nossos erros não nos torna merecedores de sermos testados por Deus, e sim de sermos condenados por Ele. A prova de Deus não é uma questão de merecimento e sim de necessidade. Mas estabelecemos também em nossa reflexão sobre o provar de Deus, que o provar de Deus não é só para os justos e sim para os ímpios também. Para os ímpios ele serve como evidência dá justiça, do amor de Deus, evidencia está apresentada ao impio para que ele fique indesculpável diante de Deus. Para o justo ele serve também como evidência de justiça, de amor de Deus, mas, não para julgamento e sim para confirmação da fé, para glorificação do nome Santo do Senhor Jesus na sua vida e pela sua vida.
* Vale ressaltar também que, tanto o ímpio como o justo são provados, mas, só o justo reconhece o provar de Deus.
Então porque sou provado por Deus?
* Se sou provado como um teste a fim de promover evidências( Deuteronômio 13.3/ Jó 23.10).
1.Pode ser para que o meu coração se exponha, revelando quem eu sou para mim mesmo.
2.Para que eu chegue ao meu limite, e venha a reconhecer até onde posso ir e que preciso sempre d'Ele para tudo.
3. Para que eu possa ter os meus olhos abertos a respeito de meus erros e equívocos, vendo através disto a justiça e o amor de Deus, e humilhado possa ter o meu coração apto para aprender com Deus.
* Agora a prova no sentido de evidência, é o testemunho de Deus para com o homem, seja para bem ou para mal.
*Raramente Deus criará uma situação para usa-la como prova, principalmente se está situação seja má, porque Deus a ninguém tenta( ou seja, persuade ao mal). Mas, a prova na grande maioria das vezes, e estabelecida em situações nas quais nos encontramos, ou venhamos a nós encontrar. E isso acontece sob a vontade permiciva de Deus, mas, tanto a circunstância quanto a situação em que nos encontremos veio apenas permitida não criada por Deus, e sim na grande maioria das vezes por nós mesmos ou pelo inimigo.
Quando há morte física ou alguma perda irrecuperável, isso não é resultado do provar de Deus, ou isso não aconteceu porque estou sendo provado, mas, isso aconteceu como resultado daquela circunstância e situação na qual estou envolvido( porque toda a sorte de mal que existe no mundo é resultado direto e indireto do pecado, lembremos a Bíblia diz por um só homem entrou o pecado no mundo, e por ele a morte, Romanos 5.12). Deus apenas usou aquela situação, mas não a criou, nem a manipulou. O provar de Deus está apenas no usar aquela situação para extrair dá mesma evidências. Um exemplo que se aproxima do que digo. Seria se um pai dissesse ao filho." Filho não impine a bicicleta que você pode cair e se machucar", mas, o filho responde. "Sou perfeitamente capaz de impinar a bicicleta andar de uma roda e ainda depois soltar o guidom". E quando o Filho faz a primeira vez vai tudo bem, e ele repete a segunda vez para se exibir, e cai e se machuca. Então nesta hora a palavra do pai ficou evidente naquilo que aconteceu para o filho, e a situação serviu como teste ou prova de que o pai tem razão. É claro é um pouco mais complexo o provar de Deus, mas, está ilustração chega bem perto do que tenho falado.
* Agora, nas, vezes em que Deus cria a situação, vale lembrar e questionar se este criar foi expontaneo de Deus, ou se foi provocado pelo homem. Não creio que exista isto, de Deus fazer porque simplesmente quer, mas, penso e tenho base bíblica para isso que sempre a provação é provocada pelo homem( direta ou indiretamente) ou para a promoção dá Glória de Deus (quando necessariamente dela ou seja dá prova resulte), lembrando que a promoção dá Glória de Deus é um bem inestimável para todo o seu Reino.
Sobre provas provocadas pelo homem temos, o exemplo do maná e das carnes no deserto(Êxodo 16). Sobre provas para a Glória de Deus, temos Jó, e a passagem no Evangelho segundo escreveu João, do cego de nascença na qual Jesus diz:João: 9. 3. Respondeu Jesus: Nem ele pecou nem seus pais; mas foi para que nele se manifestem as obras de Deus. - Bíblia JFA Offline

Para concluir deixo aqui mais duas observações sobre o porque Deus nos prova, não só a você em individual mas, a todos nós, digo tendo em mente tudo o que já falei aqui e na série de reflexões "O provar de Deus", publicada neste blog.
1°.Deus me prova porque Ele é justo, para que todo o homem fique indesculpável diante d'Ele. Para mostrar ao sofredor, que possa querer o culpar por suas desgraças, as provas ou evidências de sua, justiça, de sua bondade, de seu grande amor.
2°. Para a promoção do bem de seu Reino, para mostrar a todos os seus súditos, tanto a fiéis quanto a infiéis, a integridade de seus caminhos e atos, e a magnificência de seu governo moral universal.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

O testemunho do Espírito Santo



João: 15. 26,27. Quando vier o Ajudador, que eu vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da verdade, que do Pai procede, esse dará testemunho de mim; e também vós dareis testemunho, porque estais comigo desde o princípio. - Bíblia JFA Offline
Atos dos Apóstolos: 1. 8. Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samária, e até os confins da terra. - Bíblia JFA Offline
João: 16. 7 a 11.Todavia, digo-vos a verdade, convém-vos que eu vá; pois se eu não for, o Ajudador não virá a vós; mas, se eu for, vo-lo enviarei. E quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo:  do pecado, porque não crêem em mim; da justiça, porque vou para meu Pai, e não me vereis mais, e do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado. - Bíblia JFA Offline
O testemunho do Espírito Santo, serve tanto para crentes em Cristo Jesus, quanto para não crentes. Para crentes vem vivificando e fortalecendo a fé, isto é, operando convicção. Para não crentes, vem convencendo do pecado, da justiça e do juízo, e operando fé em Jesus Cristo; ou seja é eficaz na conversão e o único que opera conversão genuína. Acontece que em nosso século atual, o cristianismo tem se esquecido deste testemunho, ou porque não falar que tem até mesmo sufocado-o. E você me pergunta:" Quando é que temos feito isto?"
Não estou dizendo que esquecemos ou negligenciamos saber da pessoa do Espírito Santo, estou apenas enfocando este ponto da Obra do Espírito Santo, o qual é tão necessário e tão primordial, que jamais deve ser esquecido ou tratado com pouco caso, e é isto que estamos fazendo. Sabemos que é Ele quem convence o homem, porque é Ele quem mostra Jesus ou revela a alma o verdadeiro e genuíno Senhor Jesus. O nosso trabalho é expor de forma clara as escrituras, mas, isso precisa ser feito em poder do Espírito Santo, e não em técnica humana. Ele age  cooperando conosco, mas, muitos não sentem essa necessidade de sua cooperação, mas, Ele é até muito mais que um cooperador nosso na incumbência que Jesus nos deu, Ele é nosso parceiro e nosso Aliado na causa do evangelho.  Eles falam dessa necessidade da presença e atuação do Espírito Santo, ensinam sobre ela, mas, não vivem ela, e não se sentem incomodados com isso, pelo contrário se contentam com qualquer vento que sopre. Mas, além da cooperação, Ele também tem um testemunho a dar, a respeito de Jesus, pois se Ele é nosso cooperador, então Ele é um membro importante nesta agência. Ele tem uma voz e precisa ser ouvida.
Fiquei muito maravilhado quando li isto na Bíblia, e descobri que Ele não apenas é um cooperador, mas, também é uma testemunha. Ele em sua cooperação opera e gera provas, evidências sobre Jesus, a todo o coração sincero na busca pela verdade. Ele faz o pecador enxergar, abre a mente dele para que ele possa compreender as escrituras, a pregação do evangelho, faz o pecador conseguir enxergar a realidade de Jesus Cristo.
Sempre que alguém ou uma geração começa a duvidar da pessoa e realidade de Jesus Cristo o Filho do Deus Vivo, o testemunho do Espírito Santo se apresenta para dissipar estas trevas. Foi por meio d'Ele que Pedro declarou:"Tu és o Cristo Filho do Deus Vivo"(Mateus 16.16).
Passarei agora a responder a pergunta que fiz acima, a qual é: Quando esquecemos e sufocamos o testemunho do Espírito Santo?
*Quando a Bíblia não é ensinada, mas, é torcida é usada como instrumento de justificativas para coisas contrárias a Deus. Tentamos sufocar o testemunho do Espírito Santo, pois Ele age conforme suas próprias palavras, ou seja a Bíblia. Digo," tentamos sufocar", pois quem poderá calar o ressoar de sua voz, mas, sufocamos no sentido de que o entristecemos e com isso não há uma cooperação nossa com o nosso Cooperador e Parceiro( ou seja, até queremos Ele como cooperador, mas, não como parceiro).
*Quando as conversões se dão por meio de técnicas humanas e não pelo poder de Deus. Porque Ele convence o pecador, Ele não faz nenhuma lavagem cerebral. Sua ação de convencimento se instrumentaliza através da verdade, do esclarecimento da verdade, da revelação da verdade, da vivificação e fortalecimento da verdade e mais em todo o seu uso para expor e elucidar da verdade, seu testemunho é como o testemunho de Jesus aos discípulos no caminho para Emaús, arde como fogo no peito e na consciência da pessoa que o ouve(Lucas 24.32).
Quando procuramos convencer pessoas a Jesus sem a ação d'Ele geralmente produzimos discípulos para nós mesmos, e não para Jesus. Estes jamais serão testemunhas de Jesus, porque não podem ser, pois nem mesmo o conhecem. Como poderia? Não estão verdadeiramente convertidos a Ele. E quando procuram testemunhar não são eficazes, pois são como os filhos de Ceva(os quais ficaram envergonhados e confundidos quando tentaram expulsar um demônio), dizem do que não conhecem são contraditórios( Atos 19.13-17  ). Está será a realidade deles e é a de muitos até que se convertam realmente a Jesus, e tenham em si o Espírito Santo, para serem como Ele verdadeiras testemunhas de Jesus.
* Quando fazemos concessões a respeito da verdade. A " verdade" aqui é o conteúdo da Bíblia, este é toda a verdade que o homem precisa saber a respeito de Deus e de sua realidade diante do mesmo. Quando abandonamos ou permitimos a flexibilização desta verdade para concordarmos com o mundo e não sermos perseguidos por ele, e sermos aceitos por ele. Neste momento estamos tentando sufocar, o testemunho do Espírito Santo, pois Ele age conforme a verdade da Palavra de Deus.
*Quando permitimos que o cristianismo se assemelhe a outra religião qualquer. Não somos, como já tenho lido, um arranjo helenístico, ou invenção de Roma, mas, somos os pregoeiros do "evangelho", e só podemos mostrar a superioridade e os benefícios desta mensagem, se o fizermos na virtude(poder) do Espírito Santo. Muitos questionam o nome dizem que não se pode transliterar o nome de Jesus, mas, esquecem que este nome tem o selo da aprovação do testemunho do Espírito Santo. Outros questionam a religião, dizem que somos uma farsa, e ai, me responda; " somos?" Por acaso podes me responder assim, de pronto sem saber o que o Espírito diz?(Apocalipse 2.7 " quem tem ouvidos ouça, o que o Espírito diz...") É o Espírito Santo quem dá testemunho de Jesus( João 15. 26,27), e você também poderá dar e ser testemunha de Jesus, se d'Ele fores parceiro.
João: 16. 13. Quando vier, porém, aquele, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá o que tiver ouvido, e vos anunciará as coisas vindouras. - Bíblia JFA Offline
* Quando em nossa apologia deixamos de contar com o seu apóio. Será que em nossa apologia recorremos a Ele?" Pareceu bem ao Espírito Santo e a nós'... disse Tiago em Atos 15.28.  A igreja do 1° Século, tinha no Espírito Santo, um grande aliado na realização de toda a obra de Deus. Quando vejo debates apaixonados sobre coisas que se resolveria tão facilmente se o Espírito Santo desse o seu parecer, mas, acontece que achamos que somos suficientemente capazes de resolver nossas nossas questões teológicas sem a participação da maior autoridade sobre o assunto. E com isso criamos facções fazendo motivo de guerra, daquilo que deveria ser um prazeroso labor.
* Quando todos falam e opinam sobre Jesus, e Ele não é ouvido. Não porque não queira, mas, porque não permitimos, ou porque mesmo sabendo que Ele tem algo a dizer, não procuramos ouvir, não fazemos questão de ouvir. E agimos como se Ele não quisesse falar, ou quê o que nós dissemos seja o que Ele quer dizer.Em um assunto de suma importância, no qual somente o seu testemunho valida algo, como poderia outra pessoa assumir o seu lugar? Nós somos testemunhas de Jesus, mas, o nosso testemunho é validado pelo selo do testemunho do Espírito Santo.
* Quando extinguimos a sua chama de nossas vidas.
Paulo diz em Efésios: 4. 30. E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual fostes selados para o dia da redenção. - Bíblia JFA Offline
Se temos afugentado o Espírito Santo, através de nossa conduta pecaminosa que sempre o relega a segundo plano, outros nem mesmo um lugar o dão mais. Se não o buscamos, não o valorizamos, recusamos a ouvir os seus conselhos, resistimos lhe das mais diversas formas, como poderemos contar com Ele, se já não está no meio de nós, porque o temos expulsado do meio de nós. E dizemos Espírito Santo, Espírito Santo, mas, é mentira não o estamos estimando, antes nossas obras contrariam as nossas palavras
Quando todos estes pecados e outros mais cometemos contra Ele e contra a Bíblia, nós estamos esquecendo, menosprezando e sufocando o seu testemunho. Está tem sido uma postura do atual cristianismo diante do Espírito Santo, que ao fazerem assim ficam desarmados diante do mundo, e mesmo que consigam vencer um debate todavia não conseguem conquistar uma alma para Cristo. Pode até ser que dê uma maneira muito laboriosa consigam, mas, se tivessem a parceria do  testemunho do Espírito Santo, o êxito seria admiravelmente maior.

Leia mais...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...