TRADUTOR

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Série Creio 10: Atualidade dos dons espirituais

10. Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade (1Co 12.1-12).
A crença e o ensino ( doutrina), na atualidade dos dons espirituais, é uma marca de nascença do pentecostalismo histórico, retirar isso é falsifica-lo. Embora essa doutrina ainda permaneça em nosso rol de doutrinas, todavia o misticismo ou a crença superticiosa tem sufocado essa realidade tal como os espinhos da parábola do semeador sufocam a mensagem do evangelho. Como assim? É porque o ser humano é por natureza inclinado a criar rituais e tradições, a dar valor e peso espirituais a coisas que não o possoe, a dar importância a detalhes insignificantes. Como por exemplo falar;" em nome de Jesus um, em nome de Jesus dois, e ir até em nome de Jesus sete", ou durante a oração ter que ungir água, panos, envelopes, fotos...Ou seja, criar um ritual uma doutrina e tradição, que limite a fé, que a faça usar moletas. Quando também trazem elementos religiosos de outras religiões, como as espíritas( roupas brancas, vale do sal). Então estes espinhos ou doutrinas estranhas que crescem junto com a doutrina ortodoxa dos dons, tendem a sufoca-la, por servir de tropessos e escândalos aos que crêem, e de argumento a favor dos que defendem que os dons passaram.
O fato é que a doutrina dos dons espirituais é atual, mas, precisa ser desprovida de sincretismos e de supertições, precisa ser estritamente bíblica, ou seja, apenas em nome de Jesus, na unção do Espírito Santo e nada mais.
1 Coríntios: 12. 7. A cada um, porém, é dada a manifestação do Espírito para o proveito comum. - Bíblia JFA Offline
Como já falei em outra ocasião, a experiência pentecostal, põe em xeque aqueles que questionam a atualidade dos dons. Note as palavras iniciais deste versículo acima citado, a qual indica uma ação, ato presente; " a cada um, porém, é dada", não diz" foi dada", nem " será dada", ou seja é uma realidade presente. Aqueles que questionam está realidade precisam, ou necessariamente são forçados pelos versículos que antecedem a estes a tomarem uma posição. " Ou dizem que a operação, ou manifestação dos dons em nós e por Satanás, ou manifestações de emocionalismo", ou aceitam a atualidade dos dons. Todavia não podem estar indiferentes, ou tomar uma postura neutra, simplismente não crendo na atualidade dos dons. Pois veja o que os textos antecedentes dizem:
1 Coríntios: 12. 3. Portanto vos quero fazer compreender que ninguém, falando pelo Espírito de Deus, diz: Jesus é anátema! e ninguém pode dizer: Jesus é o Senhor! senão pelo Espírito Santo. 4. Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. 5. E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo. 6. E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. - Bíblia JFA Offline
 Se o texto diz que a cada um é dada, não pode ser isso no passado, nem no futuro mas, no presente. Logo se eles afirmam que o que opera em nós não pode ser os mesmos dons descritos na Bíblia, estão afirmar o descabida de que não falamos por Deus, e estão a se opor a esta declaração bíblica.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

"O importante é ter fé?"

"Ora a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que se não vêem". Hebreus 11.1

A fé é uma ferramenta, uma faculdade, ela  é  um mecanismo ou condição dada por Deus ao homem, que possibilita ao crente( aquele que crer) a alcançar a salvação.A fé em si é nada, e não pode nada, a fé não pode fazer nada porque a fé, não é um ser e ou uma pessoa. É como se você desse uma colher a uma pessoa e dissesse para ela se fartar de colher que ela teria sua fome saciada. Na verdade se você não lhe desse em seguida um bom prato de comida para que ela utilizasse aquela colher, a colher de nada serviria para aliviar aquela fome, ela de certo não se saciaria. Assim da mesma forma a fé precisa estar direcionada a algo e ou alguém e é este algo e ou alguém em quem você confia que fará alguma coisa. Por isso em si não pode nada, mas, o alvo dela, ou aquilo e aquele em quem crer é que pode. Na verdade, a fé como diz o versículo acima, ela é a fundação ou fundamento da edificação de toda a vida seja ela, espiritual, emocional, ou física, mas, Jesus antes disso ressalta, que o mais importante é o terreno onde se lança as bases e ou fundamentos de sua vida( Mateus 7.24-27).
 Assim, há pessoas que creem em tudo, e não possuem um discernimento na sua fé, pede oração a um crente, um despacho a um pai de santo, frequenta uma mesa de espiritismo, crer em Jesus, São Francisco, Santa Maria, Buda, Maomé, Chico Xavier. Crer que Deus é poderoso, mas, crer que o dipirona ajuda. Isso parte de um pensamento divulgado entre as pessoas nos dias atuais, onde sua máxima é;"o importante é ter fé", ou seja, o importante é ser um religioso, na prática este pensamento diz que não importa em quem você crer, ou no que você crer, mas, o importante é crer. Então essa ideia relativiza a religião, e deusifica a fé. É a fé na fé. Já ouvi médicos afirmarem, ou dizerem que os religiosos que são curados apenas foram recuperados porque a fé desencadeou algo no organismo, que veio a realizar a cura, ou seja, uma ideia intrínseca de força do pensamento positivo, ou auto-sugestão. Segundo os mesmo, religiosos são mais otimistas.
Logo o "deus" não é o mais importante, e sim a fé, esquecem que até a fé genuína só surge diante da certeza proporcionada por Deus, certeza esta adquirida diante da pregação da palavra como diz o texto bíblico, "A fé vem pelo ouvir a palavra de Deus",(Romanos 10.17 ) ou seja, até mesmo a capacidade de crer vem ao homem da parte de Deus.
Concluo esta breve reflexão dizendo, a fé em Deus, fundamentada nas palavras de Jesus, é que pode alguma coisa. E que coisa é esta que esta fé pode? Pode apenas, significar o sinal verde, que você voluntariamente da para que Jesus possa realizar a obra que Ele tem para fazer na sua vida, e por fim te levar para perto de Deus, por toda a eternidade, salvo, reconciliado, justificado e regenerado.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Série pecados 9: Palavra torpe


Efésios: 4. 29. Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que seja boa para a necessária edificação, a fim de que ministre graça aos que a ouvem. - Bíblia JFA Offline
A palavra torpe é aquela palavra de baixo calão, com sentidos e intenções imputada, seja no sentido sexual, ou impuro em outro qualquer sentido maligno. Mesmo uma palavra não propriamente em seu significado interno ou próprio impuro ou maligno, quando dita com a intenção de denegrir alguém, de ofender alguém, de machucar emocionalmente e psicologicamente alguém, no sentido de chingamento, de blasfêmia e ofensa ela se torna torpe.
Pessoas que se acostumando a este linguajar ou por viver em ambientes onde é corriqueiro este linguajar se deixando assim se influênciar, diz palavras assim com muita naturalidade, mesmo não sendo com a intenção de chingamento. Dizem por alegria, por frustração, por prazer ou por angústia, até mesmo nas saudações a pessoas queridas, expressão a todo o momento palavras vulgares.
A palavra torpe são palavras que mesmo não sendo um chingamento insinuam em suas entrelinhas idéias de condutas vergonhosa, sensuais, nojentas; estimulam ou induzem a pensamentos malignos, sensuais, pornográficos, violentos; estimulam ou induzem a imaginação malignas, sensuais, pornograficas, violentas, nojentas.
É um dos pecados da boca, é uma das faíscas deste pequeno fogo que a um tão grande bosque incendeia( Tiago 3.5). Porque a palavra mal falada, e a que denigre uma pessoa é causa de mortes, irás, contendas e divisões tanto no mundo, quanto no seio do próprio cristianismo.
*" Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe..." Estas palavras não só procedem de uma mente contaminada, destruída, mas, também contaminam aqueles que se deixam influenciar por elas. São oriundas também, não de forma geral, mas, em sua maioria de pessoas acostumadas a uma classe de pecados, inseridas, imersas no submundo criado por esta classe de pecados, de tal forma a ter seus raciocínios e lógicas moldados e desenvolvidos em cima das diretrizes destes pecados; de igual modo desenvolvem uma linguagem própria que reflete a realidade que vivem e expressam o que há em abundância em seus corações (Mateus 12.34).
Está é uma recomendação do apóstolo, que os nossos lábios são santos, e devem refletir o nosso novo viver em Cristo. Ressalto que não devemos confundir palavra torpe com gíria, gíria é um dialeto tribal ou de grupos sociais ou mesmo de modismo de uma época. Destes grupos sociais, podemos variar entre góticos, rockeiros, funkeiros, sambistas e outros de estilo ou oriundos de estilos musicais. De tem gíria também no meio cristão, ou oriundas de cristãos, nos meios tradicionais, históricos, pentecostais, carismáticos, neo-pentecostais. É há aquelas que são modismos que surgem divulgados pela mídia, ou por pessoas de destaque. Embora as palavras torpes sejam em grande maioria gíria, a gíria não é palavra torpe e sim uma palavra informal e passageira. Aqui vai em anexo em itálico a definição de gíria:
GÍRIA
Linguagem informal com vocabulário rico em expressões metafóricas, jocosas, elípticas e mais efêmeras(passageiras) as da língua tradicional.
2. sling dialeto us. por determinado grupo social [Seu processo de formação inclui acréscimo de sons ou sílabas, uso de certos códigos etc.].
3.sling linguagem de marginais, difícil de ser compreendida por outras classes sociais, e que costuma funcionar como mecanismo de coesão tribal [A gíria, a princípio linguagem de marginais, estendeu-se a outros grupos sociais.]. "g. dos malandros"
4.p.ext. linguajar rude; calão.
5. sling linguagem própria daqueles que desempenham a mesma profissão, arte etc.; jargão.  "a g. dos economistas"
* "...mas, só a que seja boa, para a necessaria edificação,"
Edificar é construir, levantar um edifício, na aplicação do texto, são palavras que contribuem para o enriquecimento espiritual, moral, para a melhora da estima, para orientar as pessoas para a vida, para a paz, a comunhão com Deus, para o amor e toda a sorte de coisas boas.
Palavras edificantes são o oposto das palavras torpes, pois não destroem, não denigre, não contaminam. Pelo contrário são poderosas em Deus, para restauração daquilo que foi destruído, são edificantes de coisas boas e novas na vida daqueles que as expressam assim como daqueles que as recebem, são purificadoras de almas, assim como bálsamo para corações feridos.
* "... a fim de que ministre graça aos que a ouvem. "
Você pode ver como é maravilhoso ter um linguajar são, donde flui palavras de vida e que beneficiam aqueles que as colhemos. O apóstolo diz aqui que são ministrações de graça sobre a vida dos que te ouvem.
Deus vos abençoe!

domingo, 11 de junho de 2017

Série Creio 9: No batismo com o Espírito Santo

9. No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo, com a evidência inicial de falar em outras línguas, conforme a sua vontade (Atos 1.5; 2.4; 10.44-46; 19.1-7).

Atos dos Apóstolos: 1. 5. Porque, na verdade, João batizou em água, mas vós sereis batizados no Espírito Santo, dentro de poucos dias. - Bíblia JFA Offline
Atos dos Apóstolos: 2. 4. E todos ficaram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito lhes concedia que falassem. - Bíblia JFA Offline

* Há duas visões sobre o batismo com o Espírito Santo, uma sessacionista que crer que o batismo com o Espírito Santo ainda ocorre, mas, que os dons tais como se manifestavam na era apostólica já cessaram, que não há necessidade da busca, pois o derramamento como em Atos foi para ocasiões específicas e especiais para a confirmação.
Aqui vai um trecho, da apostila de Pneumatologia, da escola"Universidade da Bíblia", que é a conclusão sobre este assunto:

Concluindo poderíamos resumir alguns dos pontos citados nesta lição e também poderíamos declarar algumas das deduções que podem ser tiradas destes pontos. 
1. O batismo com o Espírito foi o derramamento do Espírito sobre vários povos. 
2. A dispensação do Espírito foi possível devido o trabalho que Cristo concluiu. Realmente foi Cristo quem fez o batismo (Atos 2:33). 
3. O batismo não foi dado diariamente aos indivíduos, mas a um grupo distinto, em um momento distinto. 
4. Uma vez terminada esta experiência não se repetiu porque a vinda do Espírito a qualquer grupo era permanente. Os sinais que cercaram o batismo em particular foram suficientes para dar credito a aquele grupo definitivamente (Atos 11:15-18). O autor nunca buscaria por exemplo ser batizado com o Espírito porque os Gentios receberam isto há mais de mil e novecentos anos, como está registrado em Atos, capítulo 10. Isso foi atestado suficientemente através de Sinais naquele momento. 
5. Ninguém buscou esta experiência e também não foram estimulados a buscar. O batismo foi dado por Deus em seu tempo. (Veja nos capítulos 8 e 10 de Atos )

* Já outro grupo crê no batismo com o Espírito Santo com evidência inicial o falar em línguas extranhas e na atualidade dos dons espirituais.
Veja trecho tirado da "Teologia Sistemática Pentecostal).

O que é o batismo com o Espírito. É um revestimento e derramamento de poder do Alto, com a evidência física inicial de línguas estranhas, conforme o Espírito Santo concede, pela instrumentalidade do Senhor Jesus, para o ingresso do crente numa vida de mais profunda adoração e eficiente serviço para Deus (Lc 24.49; At 1.8;10.46.1 Co 14.15,26).

Logo nós da Assembléia de Deus, cremos ou somos do segundo grupo. O que crer que estás bênçãos são para hoje. Uma vez que está realidade e necessidade nunca mudou, toda cristandade sempre precisou de ver, e ter a atuação do Espírito Santo com poder, para tornar dinâmico e cristalino a mensagem do evangelho. Coisa essa que devido ao nosso descuido, temos deixado mesmo do ciclo pentecostal se apagar, vindo com isso Evangelho mais, superticioso e místico do que pentecostal. Pois sem este fogo, e fulgor do Espírito Santo, a tendência é ou dizer que foi só para o passado, ou se atirar a invencionices prejudiciais numa busca inrrefletida. Não é assim, o dom do Espírito Santo como uma bijouteria que se busca em qualquer esquina. Mas, é uma jóia que precisa ser garimpada.
É sim para todos os que crêem e buscam, mas, Ele é santo e não se mistura com fogo extranho. Por isso o pentecostalismo se distingue do neo-pentecostalismo, pois o Pentecostalismo é zeloso pela doutrina bíblica, já o neo-pentecostalismo sua doutrina é extra-biblica e sincretista.
Há experiência pentecostal, mostrou ao protestantismo histórico que suas argumentações sessacionista estão erradas e equivocadas, com isso surgiu dentro dos mesmo um racha dividindo aqueles que não queriam dar o braço a torcer, daqueles que abraçaram a ideia, com isso entre o protestantismo histórico temos aqueles que se denominam carismáticos( pois devido ao preconceito e críticas aos pentecostais, não quiseram assumir o nome) e os tradicionais que retém a interpretação antiga sobre o batismo com o Espírito Santo e os dons do Espírito Santo, claro que agora com argumentos atualizados tais como os do trecho copiado acima.
Deus abençoe a todos!

sábado, 10 de junho de 2017

O provar de Deus e Táticas do Espírito do Anti-Cristo: links e pdf

Aqui nesta postagem, estou colocando todos
os links da série de reflexões, "O provar de Deus", e para quem desejar ter a série em PDF pode baixar toda a série organizada num único PDF.

* Link um.

*Link dois.



Link para o PDF.


* Aqui a baixo segue os links de outro estudo postado aqui neste site, e o link de seu PDF. Este é o da série "Táticas do espírito do Anti-Cristo", postado em 14 postagens:

Link um.

Link dois.


Link do PDF.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

O que impede um desviado de voltar a Jesus?



I. O que me impede de voltar ao caminho?
Ou porque não consigo voltar a servir Jesus?
Geralmente o que impede o homem de voltar ao caminho, é uma barreira que este deixa em seu coração, que tem por principais causas a resistência ao Espírito Santo, a resistência à algumas verdades das Escrituras(Bíblia) ou mesmo o desprezo pelas Escrituras, e por dar ouvidos a Satanás e seus emissários. E essas barreiras no coração ( na mente), são:

1. Orgulho.
Em que sentido? Ou como?
Fato é que o orgulhoso sempre resiste ao Espírito Santo. Então em que sentido o orgulho me impede de voltar a Jesus? No sentido da resistência.
* Resistir é fazer oposição, impedir, forçar o contrário, não deixar algo acontecer ou ser contrário a alguém ou a algo( ideia, movimento, etc...). O orgulhoso resiste as investidas do Espírito Santo para o resgatar. Sempre ao fazer resistência ao Espírito Santo, ele automaticente faz submissão a Satanás, porque o está a ouvir, e se deixa persuadir contra a voz do Espírito Santo.
Hebreus 3:7 -9.( Assim, como diz o Espírito Santo: "Hoje, se vocês ouvirem a sua voz, não endureçam o coração, como na rebelião, durante o tempo de provação no deserto, onde os seus antepassados me tentaram, pondo-me à prova, apesar de, durante quarenta anos, terem visto o que eu fiz. ) Como se dá esta resistência?
1°. Entristecendo. Falamos no contexto da pessoa desviada, pois quando o indivíduo começa a sair do caminho, o Espírito Santo, mesmo antes de seu desvio já o adverte. Não existe queda espiritual, sem que a pessoa não tenha negligenciado a voz do Espírito Santo. E se a pessoa se desvia o Espírito Santo torna a falar com ele, no intuito de resgatá-lo, todavia cada escolha desta pessoa dali em diante tende a entristece-lo pois seu orgulho o torna surdo a voz do Senhor. Porque estas escolhas seram feitas na mesma mentalidade, com o mesmo coração, que o afastou de Jesus.
Proverbios 16:18 -' O orgulho vem antes da destruição; o espírito altivo, antes da queda. "
2°. Sendo autosufiente.
Está é outra face da resistência feita por um coração orgulhoso ao Espírito Santo. Como o próprio nome sugere é a pessoa que não precisa ou demonstra não precisar de Deus. Ele se basta, sua mão lhe provê, o que "necessita" a sua alma. Ele diz para os outros e para si mesmo;" tudo o que tenho, foi minhas mãos, foi minha capacidade, meu talento, etc...". E mesmo que por uma educação religiosa, e um pseudo( aparente, falso e enganoso) temor a Deus, não diga assim. Todavia a sua postura, suas escolhas, a sua vida, o seu coração demonstram isso. É um espírito( mentalidade) de ingratidão a Deus, de falta de reconhecimento sincero ao Senhor e Salvador de sua vida, Jesus.
Está autosuficiência é inimiga da sua salvação, e impede ele de dar ouvidos ao Espírito Santo, resistindo-o.
Atos 7:51 - "Povo rebelde, obstinado de coração e de ouvidos! Vocês são iguais aos seus antepassados: sempre resistem ao Espírito Santo!
3° Desvalorizando-o.
Nem sempre esquecer é um acidente, às vezes é descaso mesmo. Quantas vezes o Espírito Santo fala, e a pessoa até aparenta prestar atenção, mas, quando passa um pouco de tempo e ele já não se lembra do que Deus lhe disse. Ouvir a Deus é guardar a sua palavra. Mas, o orgulhoso tem um ânimo exaltado, uma mente escarnecedores, e quando não é assim é porque os seus reais valores ocupam de tal forma o coração que a voz do Espírito Santo não vem a ele mais com aquele peso de importância. Acontece de sua mente altiva direcionar a sua atenção aos defeitos e a vida pessoal do vaso que Deus, esta usando, com isso ele despresa a palavra por causa da pessoa que entregou. Se for em sonhos Satanás por meio de suas setas procura desvirtuar a mensagem do Senhor, levando-o a achar que são as preocupações e fadigas da vida, com seu coração orgulhoso ( que geralmente é irrefletido) logo concordará, visto que as idéias do maligno sempre são de acordo com o coração e desfazendo a palavra de Deus.
Ele não mais valoriza o Espírito Santo, e sempre quando o Espírito Santo lhe fala, ele desvia a sua mente, a sua atenção e o seu coração para outras coisas. Com essa atitude ou outra semelhante, ele resiste ao Senhor desvalorizando-o.
4° Esquecendo-o.
Um dos males do orgulho é que ele menospreza aquilo que não é importante ao seu "eu", para a promoção da sua vontade a ponto de esquecê-lo. Assim o desviado deixa o Espírito Santo de lado, porque este não o ajuda em sua conduta ostensiva, e começa a tomar atitudes sem levar em consideração a presença do Senhor. Isso também é uma resistência, que se passa mesmo de forma involuntária, porque simplesmente o esquece, pois ele não está no foco de seus projetos de suas ambições.
 *Como o orgulho me impede de voltar ao caminho?

A) Procurando justificativas.
 Há pessoas que casam justificativas, ou seja motivos, ou razões para dar desculpas as pessoas e a si mesmas do porque não voltam ao caminho do Senhor. Eles procuram justificar-se, desculpas que os façam parecer justos. Argumentos que aqueles que ouvirem, digam que é melhor estar da forma como estão do que voltar ao caminho. Desejam que as pessoas sejam condescendente com a postura deles, que os apóie, que lhes dê razão. Procuram desculpar-se de forma que possam passar a idéia convincente de que, " a igreja está errada e eles não ".
Por exemplo:
" Eu não volto lá porque as pessoas estão sempre a nos julgar".
"Os crentes pregam o amor, mas, são um bando de hipócritas".
" Só se prega em dinheiro... "
" Não dizem a verdade... "
E outras frases as quais traduzem idéias que eles sempre dizem( às vezes até como um mantra), primeiro para si mesmo, depois para os outros. Pode ser que quem o ouça venha, querer o contradizer(contra argumentar), mas, ele não vai estar disposto a ouvi-lo, por se colocar( mesmo que inconscientemente) no lugar de vítima.
Aqui o orgulho age no sentido da pessoa achar que está com a razão.
Esse procurar justificativas, se manifesta ou se entende como racionalização, onde tentamos dar razões que justificam o nosso comportamento, achando justificativas para tudo. Se manifesta também como projeção, no qual você transfere seus erros para outros. Projetamos nos outros os nossos defeitos. Dizemos que o problema é deles. Finalmente culpamos a Deus. Transferimos nossos problemas para alguém, achamos um bode expiatório.

B). Vergonha.
Outra forma de reação do orgulho, na maioria das vezes, se dá na vida de pessoas que desempenharam algo na obra do Senhor, que teve dons e ou foi de forma destacado e evidenciado diante de todos. E quando cai por um motivo em algum pecado escandaloso( roubo, adultério, vício, etc...), então se vê envergonhado de voltar. Pois a voz da serpente e a de seu ego, que apesar da queda ainda anda inflamado, lhe dizem que será ofendido e criticado, que as pessoas olharam com apontar de dedos, que a igreja é hipócrita, e que não demonstra o amor que diz.

2. A sua razão ou justiça própria.
Justiça própria, é a justiça que é atribuída a si próprio tanto no sentido daquilo que você faz, como no sentido daquilo que você deseja que fosse feito a si próprio. Quando se torna uma fonte de orgulho ou quando é contaminado pelo mesmo, é um clamor cheio de amargura e ressentimento que se faça justiça a si próprio. É também querer que a sua razão prevaleça ou que se faça justiça ao seu ego.

A). Justiça própria e ou auto- justiça.
 No sentido do clamor do ego humano por uma justiça a si mesmo. É uma justiça egoísta. É uma justiça baseada em critérios próprios, instigada e inflamada por uma amargura na alma, e ou revolta, e ou ressentimentos, e ou uma opinião descriminadora, preconceituosa e apaixonada.
É querer que se satisfaça essa exigência estabelecida por seu coração inchado pelo orgulho, como condição para que ele volte ao caminho( mesmo exigindo sua visão pessimista não espera que será atingido). E geralmente estes tem uma visão decepcionante a respeito dos " cristãos ", e veem o " Deus" que pregamos como injusto, e opressor com suas leis e regras morais pesadas.
É uma justiça orgulhosa, pois é ou parte de um orgulho ferido. Como foi dito sobre o orgulhoso que resiste ao Espírito Santo, cassando e se apegando a justificativas.

B).A sua razão.
Isso é algo que impede a pessoa que está desviada, de voltar ao caminho e por consequência a congregar. A sua razão ou seja achar   "que tem razão ", que está certo, porque alguém lá na congregação errou com ele, ou que ninguém até hoje veio o visitar.E ele pode até estar com a razão, mas, enquanto se agarrar a ela seus passos seguiram de encontro a condenação eterna, enquanto aqueles que ele diz que erraram com ele, estaram acertando suas vidas com Jesus e sendo salvos.
 É melhor soltar o baú cheio de tesouro do que morrer afogado no fundo do oceano.

C). Há também os que são" justos ao seus próprios olhos".
Se ilude, se engana, com suas obras e feitos de "bondade e justiça", achando que serão salvos, que não necessitam de igrejas, de congregar de ter e estar em comunhão com os irmãos.
Esquece-se que a nossa justiça vem de Deus. Mas nós por nós mesmos não somos tão justos assim, pois a nossa justiça é como trapo de imundícia, e somente mediante a fé em Jesus, é que Deus o grande Rei, lhe declarará justo (Romanos 5.1).

3. Estar armado.
Jesus disse," vinde a mim todos os que estais cansados e sobrecarregados, que eu voz aliviarei " (   Mateus 11.28).

A pessoa que está nesta condição, é aquele que diz para si mesmo;" eu conheço a Bíblia de có e salteado ", " sou teólogo ", " fui crente por muitos anos ", " estou apenas dando um tempo, volto quando eu quizer, quando eu sentir vontade "... e outros argumentos semelhantes ou mais equivocados, bem como sentimentos e mentalidades ( modo de pensar e ver as coisas) semelhantes.
Equivocados porque não percebem que estão a dar ouvidos a voz do inimigo. É alguém que está mentalmente armado de argumentos lógicos e morais para debater com quem for ao seu encontro tentando o trazer de volta ao caminho.
Isto impede a pessoa de voltar ao caminho, porque endurece o coração do mesmo para a voz do Espírito Santo. Estes tem uma justificativa, um argumento moral, uma resposta para cada erro, que costuma ser ou atacando o caminho, a comunidade dos santos, fazendo o olhar com olhos críticos e sensores, ou acusadores, para os crentes em Jesus. Ou se esquivando deste Santo Caminho, ou seja fugindo do assunto, se protegendo e protegendo o seu erro. Estás atitudes ou posturas destas pessoas, são muita das vezes acompanhadas de um sentimento de raiva o qual endossa, ou seja da mais veemência em seus corações a suas justificativas, causando um segundo sentimento de indignação.
Agora, como o versículo acima se relaciona com estas pessoas? De forma nenhuma, porque ele tem a ver justamente com as pessoas que fazem o contrário, que se desarmam de suas justificativas para poder receber a Cristo em seu coração sendo por Ele sarado de seu prejudicial fardo.

4. Embaraçados.
Há pessoas quando afasta do caminho do Senhor, o inimigo tende a embaraçar com coisas variadas. Com vícios, com o tempo, com relacionamentos ilícitos, compromissos seculares. E geralmente quando querem ou desejam voltar, ou quando alguém lhes convida a voltar; eles ouvem ( ou dão ouvidos, ou crédito) a voz da "Serpente", em seus ouvidos dizendo: " Não, primeiro eu preciso resolver este negócio ", " preciso casar"( desculpas de amasiados), " preciso resolver o meu caso", " não consigo parar com determinado vício" e ou; " já tentei mas, não consigo", etc...
O embaraço na sua vida se torna uma forma de auto-justiça. Uma vez que o inimigo põem no coração da pessoa que ela só pode voltar para Jesus, depois que ela resolver está etapa da sua vida, de satisfazer essa "justiça". Alguns dizem: "Meu trabalho não me da tempo para congregar ." "Meu esposo acha ruim..." "Eu me envolvi muito no mundo do crime, e se eu sair eles vão acabar comigo e com minha família", etc...
* Pode ser ou estar numa situação e ao mesmo tempo estar numa inclinação.
Jamais colocará a sua frente algo que ele saiba que você vai resistir, mas, como o inimigo sabe sobre nossas inclinações do coração,bem como vasculha as nossas preocupações e afeições e ambições cotidianas. Logo não só te procurará manter longe de Jesus, com tropessos nas suas inclinações, mas, também te envolvendo com os mesmos em situações. Não só te pora tropeços mas, os tornara em embaraços.
 E assim de tropesso em tropesso ele vai te segurando em casa, enquanto ele te segura em casa, ele vai te enrrolando num pecado do qual você tenha dificuldades depois para sair. Ou vai colocando através de seus emissários, pedras de resistência e concessões no coração, para que você perca o desejo de querer voltar. Ou faz crescer espinhos para que com os mesmo todo o resto da palavra que há em Ti seja sufocado, e com isso não tenhas mais, tempo nem fôlego para pensar na sua vida espiritual e desejar a Cristo de novo.
Acontece também da pessoa até conseguir levantar as suas mãos, mas, fica desanimada de caminhar e para, devido as recaídas, e a voz do maligno soprando pensamentos depressivos, e ou desanimadores dizendo, "que ele não conseguira se ver livre do mal". Ou pensamentos revoltantes contra o caminho, tendo talvez como foco a instituição pela qual você procurou se reconciliar com sua fé em Jesus.
Alguns o inimigo embaraça com bem menos, ainda nos primeiros dias que está distante. O inimigo sabendo que a pessoa ainda manifesta um desejo de congregar de estar em comunhão, e sabedor que ela vai ter este desejo crescido, ele procura esfriar este pequeno fogo o mais de pressa possível.
O embaraço é tudo aquilo que prende o seu coração, que estabelece entre ti e ele um elo de compromisso tal que você fica impedido, de se compromissar com Deus, porque este algo tem a primazia e o domínio do seu coração. Há pessoa até quer mas, como alguém que caiu na areia movediça ela só consegui se afundar mais, e isso elas veem como uma grande barreira, mesmo que apenas seja a sombra de uma formiga na frente da chama de uma vela.
O embaraço, são circunstâncias, situações, estados  e inclinações, nos quais o inimigo mantém cativos os desviados. Na verdade o verdadeiro embaraço está na mente, pois quando a pessoa se posiciona firmemente em decidir pelo Senhor Jesus, e resolve ignorar todas estás situações e circunstâncias em que se encontra, ou estado no qual está. Assim como Deus segurou a mão de Pedro no mar, o Senhor lhe sustém, se realmente sua decisão pelo Senhor Jesus é firme, se realmente ele perseverar nela.

5. Que não é sincero ou indeciso.
Trata-se da pessoa que não é sincera para consigo mesmo. Estando fora dos caminhos do Senhor, por vezes faz planos de voltar, mas, por lhe faltar uma decisão firme diante de Deus, é recuado de sua decisão.
É semelhante a semente a beira do caminho que é comida por aves, suas decisões por não ter raízes são sopradas do coração pelo inimigo. Também é como a folha seca soprada pelo vento, toda vez que diz pra si mesmo que vai se firmar, outro propósito, outra ideia vem e fala mais alto no seu coração, roubando-lhe o tempo, a atenção e a vontade.
Ele não é sincero nem decidido, e é indeciso ou vacilante na sua decisão, porque lhe falta sinceridade, honestidade em seu coração com respeito a querer voltar para Jesus.

6. Ocupado.
Uma coisa certa na vida de algumas pessoas desviadas, é o crescimento dos espinhos. Quais são os espinhos, Jesus os descrimina na explicação da parábola do semeador. E são eles, "preocupações desta vida" ou " cuidados deste mundo, " as seduções e o engano das riquezas", e " as ambições(ou anseios) doutras coisas " ou "prazeres(deleites) desta vida" (Mateus 13.22/Marcos 4.19/Lucas 8.14). Ou seja, o inimigo coloca o coração e a mente da pessoa ocupado, de tal forma que ele não tem tempo, para pensar na situação de sua vida espiritual, ele não para pra pensar em sua salvação ( e se pensa não dá a devida atenção a este tema tão importante para sua vida) e procurar reconciliar-se com Jesus.
Acontece de muitos falarem com esta pessoa,é a mesma tem a sua alma a comover-se, mas, logo após, suas ambições, cobiças e preocupações sufocam aquela palavra e ela fica infrutífera. É como se ele tivesse ouvido uma canção bonita, chorado ao refletir na sua vida, mas, logo se esqueceu da mesma, porque começou a tocar uma daquelas baladas chicletes que ele gosta muito.

7. Pedras( ou resistência no coração ou concessões).
Outra coisa que faz ou impede a pessoa de voltar a Jesus, é o cultivo de resistência a certas verdades da Palavra de Deus. Há pessoas que resistem ao dízimo, ao assalariar de pastores, a literalidade de certas passagens bíblicas, como a criação em 7 dias, tal como é descrita em Gêneses.1.

A)Resistência.
 Essa resistência é coisa que antes de se afastar do caminho, talvez até não a possuísse, embora muitos conforme a parábola do semeador, se desviam por cultivar pedras no coração. Mas, aqueles que não a talvez não cultivassem pedras no coração, ao sair da igreja, ao deixar de estar em comunhão com os santos ( pois não há comunhão com Deus, sem comunhão com os santos), começou a dar ouvidos a Satanás e seus emissários, com idéias que se opõem a palavra de Deus. Como deixou de crer na verdade, ficou sujeito a operação do erro, para crer na mentira (  2 Tessalonicenses 2.10 a 12 ). E sim, ocorre tal como Jesus nos diz na parábola do semeador, que por causa de antes de se desviar ele cultivar resistencia a algumas verdades da Palavra de Deus, no momento de grande tribulação ( quando vem o sol), ele se desvia por não ter raiz na palavra, raízes que o seguraram nos dias maus, e estás pedras depois de o fazerem cair, se amontoaram em cima do mesmo impedindo-o de se reerguer.

B)Concessões.
Outro tipo de pedra espiritual que impede o distanciado de regressar genuinamente a Cristo Jesus. São" as concessões ". Ou seja abrir mão, ceder a verdade, flexibilizar, adaptar a verdade da palavra de Deus, ou ignorá-la.
Estando no mundo, começa a olhar as verdades e os valores santos com outros olhos, assim começa a dialodar e a negociar com o erro.
Sua mente e seu coração endurecido para umas verdades e revendo outras; resiste a voz do Espírito Santo. Uma vez que o Espírito Santo fala conforme a Bíblia e não flexibiliza a sua verdade. Se alguém resiste a Bíblia, logo resiste ao Espírito Santo.
Por exemplo alguém que antes de se desviar não havia sido batizado com o Espírito Santo, ao ouvir pessoas descreverem o ouvir Deus falar consigo, começa a questionar se é Deus mesmo ou se é uma alucinação auditiva da pessoa. Se está pessoa ao fazer este questionamento não se voltar logo para Jesus, logo ele não estará mais questionando, e sim afirmando. Pois o inimigo o autor destes questionamentos, procurará fortificar está ideia no seu coração, como se fosse a mais pura verdade, fazendo-o enchergar através de argumentos de mentira( porém com teor lógico). E isso vale para outros exemplos com relação a vida espiritual.
No caso de alguém que foi batizado com o Espírito Santo e vivenciou a experiência de ouvir a voz de Deus( de forma audível), aceitar estes questionamentos é um grande passo para a blasfêmia, e afirma-los é blasfêmia contra o Espírito Santo, por isso muito dificilmente com estas pessoas isso ocorrerá, mas, não estão livres.

C). Ignorantes a cerca da Palavra de Deus.
Quando ainda estando em comunhão, ele desprezava a Bíblia, não a lia com a devida atenção e dedicação que nos cabe. Por isso seu desprezo ou desintetesse, contínuo pela Palavra de Deus, lhe levou a uma vida cristã superficial, sem raíz. O desprezo pela Palavra de Deus, também é uma terceira forma de pedra no coração humano. Pois impede o crescimento da semente do evangelho, da vida espiritual, não deixando a pessoa ter as devidas armas e saber a devida conduta para vencer nos dias de tribulação, e aos contínuos ataques de Satanás.
Uma pessoa ignorante a cerca da Palavra de Deus, é presa fácil para Satanás. E isso além de ser causa de desvio de muitos, também se torna um dos impedimentos a pessoa de voltar ao caminho,  porque por desconhecer as Escrituras fica preso sem saber como se libertar em qualquer armadilha de Satanás.
Joao 8:32 - E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará".
Oseias 4:6 - Meu povo foi destruído por falta de conhecimento. "Uma vez que vocês rejeitaram o conhecimento, eu também os rejeito como meus sacerdotes; uma vez que vocês ignoraram a lei do seu Deus, eu também ignorarei seus filhos.
A palavra mais, adequada aqui é desinteresse, pois são pessoas que sabem a importância que a palavra de Deus tem, mas, não lhe dão o devido valor, não são cuidadosos no estudo da mesma. Uso a palavra desprezo, por colocar em cheque a realidade, da conduta daqueles que são desinteressados quanto ao conhecimento da mesma, quanto a aplicação de seus santos princípios.

8. Olhar crítico e sensor.
Quero dizer de pessoas que não são misericordiosas, que fazem um julgamento muito duro e ou legalista, muito exigente, a respeito das coisas certas. É aquele tal do " tudo ou nada ", e nessa mentalidade extremista, ele faz um caminho mais estreito que o caminho de Jesus, de forma que nem ele consegue trilhar. São os desviados que não estão congregando, e quando olha para os irmãos que estão congregando só vê defeito.
Claro, sei que alguns mesmo não estando fora da congregação já começam a nutrir tal espírito de crítica e censura aos santos, tal é a mentalidade maligna, que isso acaba por ser a causa de seu desvio completo.
Vê defeito nos pastores, nas denominações, nos crentes. Vê uma igreja como muito exigente, outra como muito relapsa, vê defeito em tudo. Este perfeccionismo a luz das idéias humanas equivocadas é a pedra de tropesso para muitos que estão distanciados do caminho do Senhor, bem como uma das causas de seu distanciamento.
Quando dizia que são pessoas sem misericórdia, é porque ainda não entenderam, que Jesus quer misericórdia e não sacrifício. E por pensarem assim, são tomados por uma vergonha orgulhosa, devido as suas críticas sensoras,  de se verem ou de serem vistos voltando a este caminho, que todos sabem que eles falaram é falam tanto mal deles. E por terem está mentalidade, quando estão fora do caminho do Senhor, não conseguem com seus corações enxergarem uma porta por onde possam voltar. Porque com suas críticas ao caminho não vêem uma igreja, uma denominação, um ministério a altura das mesmas. Porque fecharam o caminho após sí, e não conseguem voltar.
Mateus 12:7 - Se vocês soubessem o que significam estas palavras: ‘Desejo misericórdia, não sacrifícios’, não teriam condenado inocentes.
Tiago 2:13 - porque será exercido juízo sem misericórdia sobre quem não foi misericordioso. A misericórdia triunfa sobre o juízo!
É claro há várias pessoas assim, à aqueles que acham que a igreja deveria ser mais rígida. Há aqueles que acham que a igreja é rígida de mais, que impõe muitas regras, que escravizam o homem," doutrina de homens" dizem. Há aqueles que se tornaram ferrenhos críticos do cristianismo, só porque este não aprova o seu estilo de vida, e outros acham que o cristianismo se desviou do caminho, que não falam e não pregam genuinamente Jesus. Em fim, muito do que eles pensam, parte de Satanás, que falando segundo os seus corações fortifica seus egos, seus corações orgulhosos contra a igreja, contra a Bíblia, contra Jesus, e ao mesmo tempo os ilude dizendo que não, dizendo que não é contra Jesus.
Não posso dar razão aos mesmos quando falam da igreja, a Igreja é feita de homens ( por isso é limitada e falha como os mesmos), mas, para se chegar a Deus, o caminho que leva para o céu, o qual é Jesus, passa por ela. É a igreja a responsável por ensinar e fazer discípulos, é nela que se estabelece a comunhão ( não se pode ter comunhão fora de uma comunidade cristã). A igreja como instituição não surgiu com Constantino, mas, surgiu já com Jesus Cristo, quando ele organizou um grupo de 70 discípulos e depois um grupo de 12 Apóstolos(  Lucas 10.1/Mateus 10.1,2), e com o Pentecoste vemos em Atos, o crescimento e a organização da mesma, com diáconos e presbíteros, e várias congregações locais(  Atos 6.1 a 7/ Atos 14.23   ).

9. Atitude de escárnio.
Quantas pessoas que ao se afastarem duma determinada denominação, e com o se afastar dela também se afastando do caminho(pois há aqueles que apenas trocam de denominações), se entregam a uma vida de total oposição e aversão ao que vivia e pregava. Além de passar a olhar os antigos irmãos com olhar, crítico, sensor e de desaprovação, também se entrega a atitudes de escárnio do caminho. Gostam de postar e compartilhar piadas que deprecião o Santo caminho(que não é tido por eles como Santo).
A própria atitude maligna de escárnio cria em suas mentes, uma visão de ridículo em relação a igreja, passam a vê-la como algo ridículo. Como um ambiente de pessoas cegas, burras com viseiras religiosas, ingênuas, incoerentes, sem estilo, hipócritas, isso até lhes gera um sentimento que as impede de ficar no culto se vierem a ir, ou mesmo de ir a um culto quando convidado.
Não dou razão as suas críticas, pois elas se baseiam em homens, e se sustenta na falibilidade humana. Ele ignora a Santa Palavra de Deus, é ela quem sustenta e válida, não o pecado e a corrupção de líderes fraudulentos, mas, válida a existência da igreja e sua organização em congregações locais (  Atos 11.22,26/13.1/14.23/ 15.41/ 16.5/  ). Por isso não dou razão a eles em suas críticas, pois elas se constituem numa barreira entre eles e Jesus.


10. Mentalidade carnal.
As palavras desânimo, indiferença, falta de vontade, revolta, indisposição, passividade, divagação, dizem de uma mentalidade entregue a cadeias espirituais que a governam através da carne, ou de seus sentimentos.
Uma mentalidade carnal, pois está rendida a todo o dardo de Satanás a sua carne, aos seus sentimentos. Mentalidade pois a sua forma de pensar é construída e regida ou guiada, pelos seus sentimentos de forma cega ou seja, pela sua carne.
Essa pessoa às vezes manifesta o desejo de ir a igreja, mas, quando põe o pé na porta de casa para sair, vem o desânimo, ou passa mal subitamente, ou lembra de algo que lhe desagradou na igreja e isso gera lhe uma indisposição ou revolta. Ou mesmo Satanás a lembra de suas limitações e incapacidades, geradas por vícios, faz ela pensar nas possíveis recaídas e com isso consegue voltá-las para traz de seu propósito.

11. Dando crédito a voz de Satanás.
Muito do que impede uma pessoa de voltar ao caminho do Senhor, é que ela está dando ouvidos, ou crédito a voz da serpente. A voz de Satanás é sempre segundo o nosso coração, os nossos pensamentos e sentimentos, e sempre é desfazendo da palavra de Deus.Ou seja ele fala conforme aquilo que o nosso coração está inclinado e fala desfazendo daquilo que a palavra de Deus nos está orientando.
Então quando alguém sai do caminho que é  Jesus, a voz da serpente já começa a o iludir. Por meio de argumentos lógicos, ele o faz algumas vezes a achar que ainda está no caminho, ou que agora é que achou o caminho certo. Quando não é assim, é por meio de muitas outras mentiras.
Ele não haje só, além dos demônios, ele usa outros que foram enganados para enganar a outros, criando assim um ciclo de mentiras, a Bíblia diz que ele é o enganador das nações (  Apocalipse 20.3,8 e 10). Ele usa seitas, roda de falsos" amigos "( Salmo 1.1),se preciso até mesmo visões. Quem deixa de dar ouvidos a voz de Deus, automaticamente dá ouvidos a voz do maligno.

12. Enganados a cerca do caminho.
Dentro da ideia do que falamos acima, das pessoas dando ouvidos a voz de Satanás. Temos aqueles que não voltam ao caminho, porque estão enganados a cerca do caminho.
Ou acham que não estão desviados,  ou acham que agora é que estão no caminho certo.
Quando acham que não estão é porque não entenderam ainda o que é a vida espiritual, pois na vida espiritual não existe parar, ninguém para, só se para quando já chegamos ao nosso destino, ou o céu ou o inferno. Quando você deixa a verdade, há a resposta de que a verdade é Jesus, mas, a Bíblia também é a verdade(porque  é a sua palavra), logo quando você deixa de crer ou ignora uma pequena verdade contida nas Santas Escrituras. Quando você deixar de congregar de estar em comunhão com os irmãos, quando você deixa de receber a verdade, quando você se sobrecarrega não restando lhe tempo para estar em comunhão e investir na sua vida espiritual, quando você muda seus valores( prioriza o material em detrimento ao espiritual), quando você começa a concordar com os ímpios, você está se desviando, ou pode ser que até que já esteja totalmente desviado.
Outros acham que agora é que estão no caminho, isso acontece com pessoas que deixaram a igreja e começaram a seguir a alguma seita do inferno. Muitas destas seitas até se rotulam igrejas, dizem-se cristãs, mas, são malignas, e acorrentam e enganam os homens.
Onde estas seitas passam deixam pessoas deficientes na fé, que após se libertarem de seus julgos, começam a ter dificuldades em caminhar novamente. Ou porque acham que para voltar tem que ser para estas seitas, pois dizem que só lá andam no caminho verdadeiro. Ou porque tiveram suas visões distorcidas, de forma que não conseguem ver mais que alguém ande verdadeiramente no caminho, ou algo assim. Ou se tornam céticas, ou presas por seus orgulhos se envergonham de ter que admitir que estavam erradas, que haviam sido enganadas, visto que algumas vezes até mesmo apedrejaram irmãos por não seguirem suas pisadas, ou coisa assim.

13. Resistência ao Espírito Santo.
Como já abordei no primeiro tópico, sobre orgulho, venho aqui a frisar novamente, sobre está barreira que impede a reconciliação de alguém que está afastado da congregação e da comunhão dos santos. Está barreira é a resistência ao Espírito Santo.
Duma forma resumida, o que impede uma pessoa de voltar a Jesus, são três como já citei na introdução e argumentos nos tópicos acima, a resistência ao Espírito Santo, a resistência no coração às verdades da Palavra de Deus e dar ouvidos a voz de Satanás. Porque todas as outras barreiras são derivadas destas.
O Espírito Santo, é o principal agente na conversão, santificação e no frutificar de uma vida cristã ativa e real(  João16.8/ 2 Tessalonicenses 2.13), é claro nesta agência vem a correspondência humana, quer aceitando e se submetendo ou resistindo-o.
Quando a pessoa chega a se desviar não é por nenhum motivo externo embora ele possa alegar, ou assim achar, mas, é por resistir as advertências do Espírito Santo, e em contra mão, estar dando ouvidos ao maligno. O Espírito Santo é aquele que nos guia em toda a verdade, é quem glorifica a Jesus, é o nosso Consolador, é o penhor de nossa Salvação, logo se a pessoa se desvia é por o ignorar( João 16.13,14).
Uma coisa é você fraquejar, outra é se distanciar. Não acredito em crentes em casa, em pessoa parada na fé, porque simplesmente não existe, o que existe é alguém que persiste em dar ouvidos a Satanás e a ignorar os apelos do Espírito Santo na sua alma. Quando você fraquejar por algum incidente em sua vida, e logo lhe vem um desânimo de caminhar com Cristo, também o Espírito Santo vem trazendo uma palavra de ânimo, se você não for daqueles que ignora as verdades da Palavra de Deus, Ele as usará como bálsamo nas suas feridas, Ele levantará pessoas para te ajudar, e se perto não houver quem se disponha, haverá sempre outra ferramenta que Ele poderá usar," ... É para o seu senhor que ele está de pé ou cai. E ficará de pé, pois o Senhor é capaz de o sustentar. "( Romanos 14:4)
Logo a não ser que você o resista, não ficará prostrado, nem chegara a se distanciar verdadeiramente, pois naquilo em que seus pés começaram a se desviar, você será restaurado.

14. Amar está vida.
"Não amem o mundo nem o que nele há. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele. Pois tudo o que há no mundo — a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens — não provém do Pai, mas do mundo. "(1 Joao 2:16)
"Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração". (Mateus 6:21 )
Muito do que prende o coração de uma pessoa no mundo é amar está vida, mesmo que não o diga, mas, o vício vem de um coração egoísta, que ama os prazeres e se apega de forma enraizada, empenhada nos mesmos. Isso não pode ser entendido a não ser como " amor" ou apego a satisfação de seu ego, de sua carne.
Logo a pessoa se amarra se apega a grupos de amigos, a empregos com boa renda, e vários outros prazeres colocando nos mesmos o seu coração. E quando ouvem a voz do Espírito Santo, e são convidados a voltar ao caminho, muitas das vezes até manifestam o desejo, choram, mas, não querem perder o tesouro que possuem nesta vida, e por isso não voltam. Outros no caso de viciados ouvem a voz do inimigo a lhes falar sobre este embaraço, e sobre as possíveis recaídas, são tomados por uma mentalidade de impotência, de incapacidade, e logo recuam do propósito e do desejo de voltar.


Concluindo.
Em resumo, as diversas coisas que descrevi assima, impede o homem que se afastou do caminho de voltar a caminhar novamente. Elas são cadeias do inferno, que te impede de voltar a Jesus que é o caminho.
 E não são coisas que acontecem sozinha, descrevi cada uma de forma separada, mas, o inimigo de nossa alma, usa todas elas, se você não estiver preso por uma, estará por outra, ou por uma combinação de duas, ou três, ou mais, ou todas ao mesmo tempo. Tantas quantas ele ver que for suficiente para te manter acorrentado.
São correntes físicas, mentais, e espirituais.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Palavra importante 25: Lealdade

Lealdade
Tito: 2. 10. nem defraudando, antes mostrando perfeita lealdade, para que em tudo sejam ornamento da doutrina de Deus nosso Salvador. - Bíblia JFA Offline
Leal também pode ser intendo como fiel. Aquele que não desonra o seu compromisso, de caráter íntegro, honesto, justo, reto.
Temos como exemplo de lealdade a amizade de Jônatas e Davi. Eles fizeram um compromisso entre si de Jônatas proteger a Davi, naquilo que ele podia, e Davi sendo levantado por Deus pouparia a ele e a seus descendentes. Davi pode mais tarde honrar a Jônatas, através de Mefibosete.
Porque a lealdade é importante para o cristão? A quem precisamos ser leais, ou qual é o nosso real compromisso de lealdade?
A palavra leal é sinônima de fiel, a primeira é aplicada num contexto geral e a segunda num contexto religioso. Para o cristão a lealdade está relacionada com a fé, pois a princípio não se pode ser realmente leal a uma causa, se você não acreditar nela, e não somente está relacionada a fé, no sentido de você ter que acreditar na causa do evangelho, mas, no sentido também de você ser confiável. E isto é verdade para qualquer contexto, não apenas para o cristianismo. Por isso é necessário, para o cristão, saber verdadeiramente em si, a quem ele realmente precisa ser leal, diante de uma necessidade de tomada de posição, do lado de quem ele permanecerá. Precisamos ter em mente, que antes de tudo, devemos lealdade a Deus acima de tudo, depois aos homens ou qualquer outra causa. Mas, nenhuma causa ou relacionamento deve se interpor entre nós e o Senhor Jesus.
O indivíduo leal, é íntegro, firme e confiável.
* Integridade: Como a própria palavra sugere se refere a ser inteiro, de todo o coração. O indivíduo leal, perante Deus é de todo o coração, ele não possui partidos, ele serve a Deus apesar de qualquer adversidade, ele não muda. A palavra de Deus para os seus servos é: " Se fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida"(Apocalipse 2.10).
* Firmeza. Isso mostra a dedicação e perseverança que o Senhor Jesus espera de seus filhos. Não podemos nos consolar no fato de que todos estamos sujeitos a quedas. Mas, sim no fato de que se cairmos teremos um advogado. Pois se nós consolarmos no fato de que todos estamos sujeitos a cair, isso funcionará em nós como um anestésico para o pecado de forma que ele encontrará maior resistência. Mas, se nos consolarmos no fato de que temos um advogado, então estamos ainda aflitos pelos nossos pecados, e estamos desejos de nos vermos livres deles, pelo que com lágrimas recorremos a Jesus, nosso, advogado e Ele advoga a nossa causa diante do Pai, nos dando o refrigério de que pelo seu sangue, Ele não falha e somos justificados.
1 João: 2. 1. Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; mas, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo. - Bíblia JFA Offline
* Confiança. O indivíduo fiel como já abordei, tem dois tipos de relacionamentos com a confiança, o de confiar ou crer de todo o coração, e  isso em especial no cristianismo uma vez que o Senhor se relaciona conosco através de nosso espírito, e se não formos completos Ele o conhece, pois um coração incompleto é um espírito incompleto. Outra forma de relacionamento do indivíduo leal com a confiança é a de ser confiável, e isso ele o é pela sua firmeza e integridade.
Agora a quem devemos ser realmente leais?
Devemos ser leais a Deus, este é o nosso principal compromisso, todos os outros precisam respeitar está escala, Deus primeiro e está ordem não pode ser invertida. Depois de se estabelecer está prioridade, todas as outras se organizaram de forma automática da melhor maneira possível. O fato é que em nossos caminhos e escolhas do coração no dia a dia, estamos a todo o momento a inverter, a colocar outras prioridades, outras causas e clamores à frente do Senhor. Isso basta um simples apelo, da carne. Mas, a palavra ainda permanece a nós aconselhar, " se fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida".

sábado, 6 de maio de 2017

Bom ou mal. Última parte(opiniões de Jesus).

11. Qual a visão de Jesus sobre ser bom ou mal?

1°. "Considerem: uma árvore boa dá bom fruto; uma árvore ruim, dá fruto ruim, pois uma árvore é conhecida por seu fruto. Raça de víboras, como podem vocês, que são maus, dizer coisas boas? Pois a boca fala do que está cheio o coração. O homem bom, do seu bom tesouro, tira coisas boas, e o homem mau, do seu mau tesouro, tira coisas más. ( Mateus 12.33-35/ Lucas 6.43,45 )

Duas opiniões de Jesus sobre bom e mal  identificamos nesta referência. Primeira opinião,"pois uma árvore é conhecida por seu fruto"; segunda opinião, " Pois a boca fala do que está cheio o coração".Ambas refletem o mesmo pensamento, de que o bem e o mal partem de nós e isto é o que nos definem. As frases acima também dizem que, essa definição como bom ou mal representam aquilo ou a qualidade daquilo que abunda em nós, em nossos corações. Em nossa alma.
Na passagem em apreço, Jesus deixa outra coisa em evidência:"Raça de víboras, como podem vocês, que são maus, dizer coisas boas? " Entendo Jesus afirmando que não existe bondade real, mas, apenas uma bondade fingida e conveniente, nas falas dos maus. Outra pérola de Cristo Jesus é esta que conclui seu pensamento na citação; " O homem bom, do seu bom tesouro, tira coisas boas, e o homem mau, do seu mau tesouro, tira coisas más." Você não pode dar bondade se o melhor que você tem é mal.

2°. Eis que alguém se aproximou de Jesus e lhe perguntou: "Mestre, que farei de bom para ter a vida eterna?" Respondeu-lhe Jesus: "Por que você me pergunta sobre o que é bom? Há somente um que é bom. Se você quer entrar na vida, obedeça aos mandamentos". ( Mateus 19.16,17).

Quando Jesus ia saindo, um homem correu em sua direção, pôs-se de joelhos diante dele e lhe perguntou: "Bom mestre, que farei para herdar a vida eterna?" Respondeu-lhe Jesus: "Por que você me chama bom? Ninguém é bom, a não ser um, que é Deus.(Marcos 10.17,18)

Aqui Jesus reduz toda a bondade existente até da pessoa mais sincera, da bondade mais real que há na terra, e nesta declaração Ele reduziu até mesmo a sua bondade. Jesus com essa declaração reduziu toda a bondade proveniente dos homens e até mesmo a sua, a nada diante da bondade de Deus. Ele declarou que só Deus era realmente bom. Não que ele estivesse negando a sua própria bondade porque ele mesmo disse de si;  "Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas. " (Joao 10:11) Mas em adoração e reconhecendo a infinita bondade de Deus é que o mesmo assim declara. E mesmo que Jesus tivesse negando a sua bondade como homem, todavia ao declarar-se o bom pastor, ele sendo Deus não entra em contradição nas duas falas em hipótese alguma.

 3°. "O Senhor respondeu: ‘Muito bem, servo bom e fiel! Você foi fiel no pouco; eu o porei sobre o muito. Venha e participe da alegria do seu senhor!’( Mateus 25:21 ).

Aqui a bondade é vista como uma qualidade do caráter daquele servo, e não do serviço por ele prestado. Se não o seu Senhor teria dito, "Muito bem, bom serviço e fiel foste em sua execução..
.", mas, ao invés disso ele elogia o caráter do servo que prestou o serviço. Da mesma forma Deus valoriza a sua boa obra, e nada do que faz passa despercebido por Ele, mas, Ele valoriza muito mais você do que as suas obras. Uma pessoa má pode e faz obras boas, mas, uma obra boa feita por alguém bom tem o peso do amor, da dedicação de sua verdadeira identidade, e no tocante aos serviços da obra de Deus, ela tem o peso da compaixão, não do amor ao que se faz apenas, mas, principalmente a quem se faz( o próximo) e por quem se faz( a Deus).


4°.  Amem, porém, os seus inimigos, façam-lhes o bem e emprestem a eles, sem esperar receber nada de volta. Então, a recompensa que terão será grande e vocês serão filhos do Altíssimo, porque ele é bondoso para com os ingratos e maus.
Sejam misericordiosos, assim como o Pai de vocês é misericordioso". (Lucas 6:35,36)

Aqui Jesus estimula seus discípulos a serem semelhantes ao Pai, em seu caminho de bondade. Mostrando a superioridade do sobre as diferenças e relacionamentos dos homens. Mesmo que você tenha um inimigo se és realmente bom conforme a vontade de Deus, você não o inimigo desta relação, mas, contradição ao mundo, seras o amigo. Temos apenas um inimigo real que é Satanás; a carne faz parte de nós, não é um ser pensante e influenciada por ele, o mundo é um sistema governado por ele. Portanto o nosso verdadeiro inimigo é o Diabo.
Logo Deus é o amigo não o inimigo, a bondade de Deus é justa por isso falo que ela é a bondade real.

5°. "Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas.
 "Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas; e elas me conhecem;( João 10:11,14).

O pastor que é bom realmente ele dá a sua vida pelas ovelhas. Ele considera a vida das ovelhas mais importante que a sua própria, seu amor benigno o toma por inteiro e o coloca a disposição de seu querido rebanho.
Bondade pode se referir a qualidade do pastor, se referindo a sua vocação, de que ele é bom em ser pastor, como pastor, de que ele desenvolve bem com dedicação, com amor( amor aqui não apenas pelo que faz, mas, principalmente por quem e para quem faz). Também pode se referir a qualidade moral do pastor, um traço significante de seu caráter, principalmente que essa referência não é a de um pastor real de ovelhas reais, mas, é a um pastor de pessoas como ovelhas, de um guia espiritual. Se fosse um pastor de ovelhas mesmo a primeira referência já seria suficiente. Agora como é um guia espiritual, então faz se necessário que a bondade seja sua marca. Por isso Jesus vira para os seus discípulos e diz, que Ele era assim, o "bom pastor", não  pastor bom apenas, pois pessoas más, podem proceder de forma bondosa quando querem, mas, Jesus não é bom quando convém, ele é o bom pastor.

6°. "Os olhos são a candeia do corpo. Se os seus olhos forem bons, todo o seu corpo será cheio de luz. Mas se os seus olhos forem maus, todo o seu corpo será cheio de trevas. Portanto, se a luz que está dentro de você são trevas, que tremendas trevas são! ( Mateus 6.22,23)

Uma pessoa boa também possui as janelas de sua alma boas, a integridade, a honestidade, a pureza no olhar( olhar sem cobiça) entre outras virtudes que pode brotar de uma janela boa, são a marca de que esta pessoa é uma pessoa boa, pois co diz o mestre se as janelas e portas( olhos, mãos, boca nariz, tato etc...) são bons todo o nosso corpo sera bom. Os olhos em especial são os guias da mente e do corpo, o tato e os demais sentidos também, mas, em especial os olhos. Os olhos são o campo pelo qual o nosso interior se manifesta ao mundo, por isso ele mostra muito sobre quem nós somos, e isso para nós, outros sentidos também, mas, os olhos trazem uma revelação mais individual. Para um cego isto fica mais restrito ao tato em especial e a audição, isso tanto a visão quanto o tato, mas fica o foco na visão.

7°. ...para que vocês venham a ser filhos de seu Pai que está nos céus. Porque ele faz raiar o seu sol sobre maus e bons e derrama chuva sobre justos e injustos. ( Mateus 5.45)

A bondade de Deus não é estendida apenas aqueles que lhe agradam. Os justos sabem desfrutar, porque a reconhecem, e é claro que há um favor nisso, pois pela gratidão somos alcançados muito mais por sua bondade. No entanto ela esta estendida a todos. De igual modo o bom e o justo segundo Deus, não faz acepção de pessoas, mas, é bom para com todos.

8°. Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto mais o Pai de vocês, que está nos céus, dará coisas boas aos que lhe pedirem! (Mateus 7:11 )

Jesus dizia isso aos seus discípulos, e Ele, não os via como bonzinhos, ainda que fossem, diante da bondade de Deus, eles eram maus, agora por mais que se considerassem bons aos seus próprios olhos, Jesus os via e nos vê por dentro. Ele conhece as nossas reais e mais intimas motivações e quem pode as achar o bom perante Ele. Se ele vós sois maus, então é isso que nos somos. No entanto Ele nos chama a uma mudança real, ele diz; "Sejam misericordiosos, assim como o Pai de vocês é misericordioso"( Lucas 6.36).
Outro fato que Jesus revela aqui, é o fato de que mesmo os homens sendo maus, eles "sabem dar coisas boas aos seus filhos". Isso não é um elogio, Ele esta dizendo que por Deus ser bom, Ele está muito mais disposto a nos dar aquilo de bom que precisamos e pedimos, do que nós aos nossos filhos. Ele diz; "quanto mais o Pai de vocês, que está nos céus,dará coisas boas aos que lhe pedirem!"

9°.O mundo não pode odiá-los, mas a mim odeia porque dou testemunho de que o que ele faz é mau. (Joao 7:7)

Não existe pecador bonzinho, e Jesus deixou isso bem claro, de sorte que ao falar de seus pecados ele os estimulou a exteriorizarem o que eles realmente eram, maus. E isso eles mostraram e mostram quando são expostos a luz da palavra de Deus. Eu não sou bom, primeiro eu preciso reconhecer isso, que não há condenação sem motivos, que pecado pode ser agradável, mas, não é bom. O homem mais piedoso do mundo, é um carrasco, ele não é bom. Só então com o novo nascimento, eu começo a trilhar o caminho do bem, quando eu começo a ser, como o Pai que esta no céu, que faz com que seu sol nasça sobre bons e maus.
Agora as pessoas vão te odiar se você trilhar o caminho do Pai, e eles vão pensar de você o mesmo que pensam de Jesus. Eles acharam que você é mau, um arruaceiro, um perturbador, quando na verdade você estará apenas testemunhando contra as suas obras que são más.

 12.E o mal físico; existe realmente um mal que não seja moral? O mal real é moral e espiritual. Toda a catástrofe, e sofrimento humano ou até mesmo o sofrimento da natureza e dos animais são consequências do pecado. O homem foi colocado por Deus como regente e responsável não somente pelos seus descendentes, mas, até mesmo por toda a criação na esfera material. Quando o homem pecou ele sujeitou não só a si mesmo, mas, a toda a natureza a corrupção, a morte. E isso durará até que Deus através de Jesus restaure a tudo.( Romanos 8.19-23).

Bom ou mal. Parte IV(porque o homem é mal).


7.  Porque o homem é mal?

Nem todo o homem é mal. Mas, olhando do ponto de vista do pecado o homem é mal, por causa de suas escolhas egoístas, e da conseqüência destrutiva e devastadora que se dá ao percorrer este caminho pecaminoso. O pecado não é apenas uma transgressão, mas, é a escolha pelo mal real e absoluto, não é verdade que o homem faça escolhas más por serem más, mas, ele faz escolhas egoístas que de imediato lhe agrada, satisfaz as suas inclinações, e só por isso elas são más. E porque só por isso?
Primeiro porque da mesma forma como isso não, é escolhido por ser mal, também ele não faz escolhas pensando na moralidade delas, se são realmente boas.
 Segundo porque o bom deles é bom no sentido apenas de ser agradável, e não porque resultará em benefícios reais.
Terceiro além de suas escolhas não serem feitas com uma avaliação moral, de serem feitas apenas levando em consideração se agrada ou não a carne, também sua essência não pode ser boa sempre que o homem desprezar a Deus e ou em suas condutas ignorar, menosprezar os seus conselhos e preceitos santos.
Quando digo que o homem é mal, digo duma forma panorâmica, levando em consideração o histórico de escolhas egoístas que tem trazido a ruína e o mal, escolhas feitas pela humanidade. Agora avaliando o homem pessoalmente, ele pode ser bom ou mal dependerá do seu caminho e não de uma escolha isolada. Agora mesmo que o homem seja bom, integro e justo, diante da bondade de Deus, ele torna-se como mal e a sua bondade maldade. Pois Deus é infinitamente bom, nossa bondade sempre ficará em débito diante d'Ele, e o mais justo dos homens se considera o mais pecador dos mesmos.

8. Pode Deus ser mal?

De Deus não vem nenhum mal, suas escolhas são sabias, e tão ricas que até mesmo se Ele vier a escolher algo que pareça-nos ruim, todavia sua escolha esta sendo o melhor dos bens a Ele possível. Não estou dizendo que se Ele escolhe um mal, ele se torna em bem. Estou dizendo que em sua onisciência Ele vê além das aparências(dos olhos, dos sentimentos), o que escolhe não é um bem que se mostra como bem(por que o bem real é como Deus, não tem necessidade de aparecer), ele é o bem real, o verdadeiro mesmo que não apareça.
Por causa deste detalhe da aparência que sitei, é que muitos em sua compreensão limitada o acham ser mal. Muitos tropeçam nesta pedra, mas, o Senhor por ser bom e por compreender a nossa situação diante d'Ele, nos da o benefício da sua misericórdia.
Olhando por este ângulo, aos olhos limitados humanos, Deus pode parecer ser mal em muitas de suas escolhas, parece até que Ele é o limitado. Mas, acontece é que "assim como os céus são mais altos do que a terra, também os meus caminhos são mais altos do que os seus caminhos e os meus pensamentos mais altos do que os seus pensamentos. "(Isaías 55.9). Então Ele é o Senhor, e sabe muito além de nós, e suas escolhas são mais  excelentes do que as nossas. E se são mais excelentes, o bem que Ele escolhe fazer, a bondade que d'Ele vem, esta bondade, este bem é o bem real, verdadeiro e absoluto.

9. Pode o homem ser bom?

A pergunta é se ele sendo mal, ele tem a capacidade de passar a ser bom. Ou se existe homem bom, já que o mundo é tão mal, cheio de toda a sorte de mal corruptor (que seduz e atrás o homem para a prática do mal). Penso que sim, já que é uma escolha nossa. Agora as nossas influências podem e interferem nestas escolhas, pessoas boas são cercadas de boas influências. Isso não quer dizer que também não sejam cercadas de más influências, mas, só influe em você se você permitir. Mesmo um mensagem subliminar só influenciara em sua vida se você já concordar com ela em seu coração. Isso é verdade para todos os agentes influenciadores, sejam eles para o mal(o mundo, a carne e o diabo, e seus agentes secundários) ou para o bem( Deus a igreja e você se permitir Deus influenciar a sua vida).
O homem pode ser bom e isso dependerá muito mais dele do que de qualquer influência, mas, suas influências contaram e muito no sucesso desta caminhada, porque ser bom não é uma escolha de um dia e de uma vida. Por isso muitos fracassam, não há como as trevas e a luz coexistirem juntas, assim não há como o homem conseguir ser verdadeiramente bom se ele se cercar de influências más. Outra dificuldade que o homem tem de ser bom, é o mal interior, isso é em linguagem bíblica a carne. Pois a carne sempre vai tentar ser a determinadora de nossas escolhas. Mas para combater o mal interior, para quem crer e segue a Jesus, a presença do Espírito Santo se torna nele um bem interior que se ele permitir será o seu mentor e principal influente para determinar as suas escolhas para o bem.
"Quem vive segundo a carne tem a mente voltada para o que a carne deseja; mas quem, de vive acordo com o Espírito, tem a mente voltada para o que o Espírito deseja. A mentalidade da carne é morte, mas a mentalidade do Espírito é vida e paz; a mentalidade da carne é inimiga de Deus porque não se submete à lei de Deus, nem pode fazê-lo. "(Romanos 8.5-7).

10. Existe mesmo alguma bondade na humanidade?

Aqui a pergunta vem de forma global, não um homem em isolado. Todo o bem vem de Deus, muito do que o homem diz que é bem é apenas uma modalidade bonita de mal, os caminhos justos e louváveis da humanidade ainda são cheios de inveja, ódio, cobiça, orgulho, egoismo, mentira. Mesmo que não tenham homicídios ou traumas físicos e mentais. Não consigo conceber a verdade num caminho de maldade.  O homem pode fazer coisas boas aos seus próximos como disse Jesus, ainda sim ele será mal(Mateus 7.11).
Mas haverá um tempo na Bíblia escrito esta ( Mateus 25.31- 46/Apocalip 21.4), em que toda a maldade da humanidade será julgada, e a parte da humanidade composta pelos remidos, dela sim, poderá se dizer que não haverá nenhuma mancha de mal.
Se fosse uma pessoa em individual, poderia ser, se a pergunta fosse: "Existe mesmo pessoas boas na humanidade?" A resposta poderia ser sim. Mas a humanidade como um todo esta mergulhada na maldade, mesmo fazendo um observação mais superficial e simplista, diria que sim, há algum bem na humanidade porque há pessoas boas e estas pessoas boas são a fonte deste bem. Agora sendo mais apurado, não existe bem na humanidade, no que se refere as obras dos homens, porque quando eu falo de humanidade não estou me referindo a uma pessoa, ou a um grupo de pessoas, e sim ao coletivo. Para ser mais claro, pra mim responder que há algum bem na humanidade, teria que dizer que há bem em todas elas. Olhando assim poderia se dizer que não há então mal na humanidade, porque para isto haveria igualmente de haver mal em todas as pessoas. Mas, digo que mesmo a bondade humana daqueles que são realmente bons, diante da bondade de Deus é má e miserável. Mas prosseguindo nesta mesma linha de pensamento, mesmo concluindo que no tocante as obras dos homens não há bem na humanidade, concluo também que na humanidade, mas, não no que se refere as obras dos homens, mas, sim no que se refere as obras de Deus na humanidade, na vida dos homens. E a própria vida é um bem que Deus deu ao homem no princípio e que mesmo corrompido pela pecado( corrupção esta que é a interrupção da mesma), ainda permanece.
A humanidade é originalmente boa, porque é obra das mãos de Deus, e futuramente voltara ao seu esta original. Todo ser humano nasce bom e se corrompe pela sedução do pecado.

Continua...

Bom ou mal. Parte III( Deus é bom).

4. Existe algo bom ou mal em si mesmo, isto
é subjetivo, ou somos nós que lhes atribuímos estas qualidades?

Para dizermos que algo seja mal em si,  temos que dizer que ele é o próprio mal, o mal não é um ser, nem algo, não é uma qualidade física ( como cor ,altura timbre de voz), nem mesmo  sentimento, a frase, "eu me sinto mal" , isso é apenas uma expressão para se referir ou aos sintomas de uma enfermidade, ou a um estado de sentimento da miséria pessoal, como a tristeza pela realização de algo errado; pois se o mal em sua essência podesse ser sentido ele poderia ser evitado, assim este mesmo argumento vale para o bem, que se podesse ser sentido poderia e seria procurado. Porque você pode se sentir mal até mesmo por um bem que está fazendo principalmente se o bem significar o sacrifício de algo ao qual você esteja muito apegado. Mas algo é bom ou ruim de acordo com a sua relação com os seres pensantes; se uma relação de inspiração do que há de melhor no homem,  de edificação de valores necessários, vitais, insubstituíveis então este algo é realmente bom mesmo que pareça ruim. Entenda na avaliação do que seja bom ou ruim para o homem a razão muitas vezes vai discordar da sensação. Por isso nesta reflexão reflito sobre o que é bom e não sobre o que parece bom, pois no processo é assim a sensação sente que algo seja bom, e a razão analisa as credenciais e determina o que é realmente bom. Por isso depende da relação com o ser humano.

5. Pode algo ruim ser bom? Pode algo ruim tornar-se bom?

Vamos começar está resposta, com outras dúvidas e outras perguntas. Algum fenômeno como a chuva, que causa enchentes nas cidades, desmorona barrancos em casas construídas em barrancos e encostas, essa chuva é má? Um maremoto, tsunami, terremoto, furacão, tempestade e relâmpago, bem como outros fenômenos da natureza que agem como uma fúria destruindo casas, matando pessoas, animais são realmente males, no sentido de serem em si um mal?
Cada um deles tem uma função na natureza e estão apenas a cumprir esta função, por natureza ou em si, não estão querendo e nem pretendendo fazer nada, nem mesmo o mal da morte e devastação que ocorre por eles ocorrerem. Eles nem mesmo querem acontecer. O homem primitivo reconhece esta verdade, quando delega o mal acontecido pelos fenômenos aos deuses, pois ao fazerem isso eles reconhecem que não é a tempestade por exemplo a vilã e sim aquele que a mandou. Mesmo que para nós cristãos sabemos que o Deus verdadeiro que ordena todas as coisas, não manda nada por mal e nem para o mal, e se faz algo o faz no zelo de sua justiça, mas, não com intenção maligna. Porém o fato destes fenômenos acontecerem de forma tão devastadora, está em que Deus constituiu o homem por regente do mundo material e este ao pecar sujeitou o mundo criado a vaidade, ou seja a corrupção ao caus, e isto estará assim até o dia em que Cristo vai restaurar toda a criação( Romanos 8.19-23). Logo novamente até mesmo o fenômeno com sua devastação só é visto como mal, quando em relação com o ser humano. Quando ele o prejudica ou o aniquila do contrário ele é apenas um fenômeno.
Por algo me refiro a tudo que não seja o ser pensante. Se algo pode mudar a sua relação com o ser pensante de má para boa, então passara a ser considerado algo bom, ele se tornara algo bom.

6. Porque Deus é bom?

 Já falamo que ninguém é bom ou mal por ser bom ou mal. Embora há pessoas de temperamento agradável e pacífico, mas, o temperamento é algo inato as pessoas, bondade ou maldade são qualidades morais não da alma ou do temperamento. Uma pessoa mesmo sendo de temperamento agradavel e pacifico, pode ser má, bondade nem sempre é sinônimo de agradabilidade, embora a sensação diga que é.
Logo Deus é bom e isso é traço marcante de seu caráter, é uma escolha de conduta eterna( não cotidiana pois o tempo de Deus não é contado em dias e sim de eternidade a eternidade) pela qual é qualificado o seu caráter.
É um traço marcante do caráter de Deus a bondade, porque desde sempre de eternidade a eternidade ela faz, escolhe, realiza e promove todo a bondade possível.
Mas, o mundo nem sempre vê assim, quando olham para as catástrofes, as doenças, epidemias, sacinas e toda a sorte de mal, sejam elas mundiais ou não; perguntam o porque Deus permite. Alguns por causa do temor a Deus e da educação religiosa não acusaram Deus de ser mal com todas as palavras, mas, internamente ficaram confusos a se perguntarem. É claro que sempre temos a resposta de que Deus em sua sabedoria esta fazendo o melhor, mas, é sempre a resposta de quem está de fora do sofrimento, pois pode analisar e julgar friamente. Mas a pessoa que passa pelo sofrimento fica em conflito, o cristão terá sempre consigo a resposta de "Deus sabe o que faz", de que" Deus está no controle de tudo", de que "Deus sempre faz o melhor", etc..., mas, chega uma hora e num ponto do sofrimento em que a mente entra em conflito com os sentimentos que tendem a querer duvidar da bondade de Deus. Para o homem que não tem compromisso com Deus quando vem o sofrimento ele logo o questiona, se é um filantropo logo quer lançar no rosto de Deus as suas boas obras, se um ateu começa a blasfemar. Todavia Deus conhece nossas limitações, sabe que somos incapacitados de alcançar com nossas mentes e corações, os seus planos e enchergarmos a sua bondade em tudo isso.
Agora se Deus é bom porque permite o mal? E porque criou uma realidade na qual ele pela sua presciência já sabia que haveria o mal? Não haveria outro meio de criar o universo sem a ameaça do mal? Duma forma geral Deus por este tempo está permitindo o mal, mas, haverá um tempo em que Deus julgará e condenara a todos os maus, e removerá toda a espécie de sofrimento. Agora se você tivesse de escolher entre ter um filho que te causaria muito sofrimento e ao mesmo tempo seria motivo de muitas alegrias e sim você seria muito amado por ele, e entre ter um filho que jamais te contrariaria, mas, seria como um vegetal toda a sua vida paralisado na cama. Se você no ato da concepção podesse escolher. Qual seria? Todas as duas opções são más, ou possui males diferentes.
Agora da mesma forma Deus tinha estas duas opções em sua escolha e preferiu a primeira, é claro Ele também tinha a opção de não fazer o homem, nem os anjos e viver uma eternidade sozinho e na inexpressividade. Mas então porque Ele criou os seres pensantes ( homens e anjos) sabendo de suas futuras escolhas más? Qual a sua possível motivação? Havia necessidade?
Deixa-me fazer então aqui algumas observações:
Dizer que Deus fez o homem apenas por sua vontade é uma coisa, mas, uma vez que temos em mente que Ele é bom, precisamos mostrar uma necessidade que justifique esta feitura, uma vez que o homem peca e dele vem o mal e Deus antes de o fazer já sabia. Vamos observar isto num contexto mais amplo, o de seres pensantes (anjos e homens) uma vez que até mesmo eles pecaram.
Deus criou duas dimensões paralelas, a espiritual e a material, ambas com as suas particularidades, e em cada uma delas Ele criou um ser pensante o qual predominava e no caso da terra podemos assegurar pela palavra que dominava sobre ela. O anjo para a dimensão espiritual e o homem para a dimensão material. Se vermos a sequência de Gênesis vemos que o homem foi a ultima das criações e recebeu o domínio sobre todo o reino material.
Genesis 1:28 - Deus os abençoou, e lhes disse: "Sejam férteis e multipliquem-se! Encham e subjuguem a terra! Dominem sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se movem pela terra".
Sobre isso o máximo que posso afirmar através desta reflexão, uma vez que a Bíblia não diz o porque de Deus ter feito os seres pensantes, mesmo sabendo que eles haveriam de pecar e com isso promover toda a sorte de mal é:
1° Havia uma necessidade para a criação dos seres pensantes, necessidade essa que tornava a não criação dos mesmos um mal maior que o fato de que os criando eles haveriam de pecar e com ele trazer o mal, o que fizeram.
2° É possível que a necessidade da criação do homem esteje relacionada com a criação do Reino Material.
3° Penso que a criação do universo material e espiritual também foram necessários de tal maneira que em sua infinita sabedoria, Deus não pode ver a desistência deste projeto como um bem, mesmo sabendo que nele( no projeto) se originária o mal. Penso que em sua infinita sabedoria ele viu a desistência como um mal maior, como um atentado contra a sua divindade. Ora um atentado contra a divindade de Deus é uma impossibilidade, uma vez que não existe quem possa fazê-lo, por isso então entendo que o mal da desistência seria possivelmente um grande mal.
4° A decisão de ter feito os seres pensantes foi uma decisão boa e não má, mesmo que em sua onisciência e presciência Ele soubesse, que os seres pensantes faram e trariam o mal. Pois qualquer outra decisão não seria tão boa e tão acertada quanto esta, e Deus jamais erra.
5° lembrando dos argumentos iniciais desta reflexão sobre o que torna alguém ou algo  realmente bom quando em relação com os seres pensantes, e aplicá-los aqui em relação a Deus.
"Como já foi dito algo realmente bom precisa ser necessário, insubstituível, vital e valioso( não como particular a alguém, mas, a todos os seres pensantes, isso não precisa do reconhecimento mundial, eles mesmos pelas suas propriedades são valiosos, mesmo que os homens achem o contrário), logo em suas escolhas o ser realmente bom precisa escolher, praticar, inspirar e produzir coisas ou algos que tenham todas estas qualidades. "É claro esse caminho não deve ser trilhado movido por egoísmo.
Então as escolhas de alguém realmente bom, e este alguém é Deus, precisam ser como descritos acima. Toda as escolhas de Deus foram e são vitais, necessárias, insubstituíveis e valiosas.
Primeiramente Deus não é apenas vital, pois d'Ele emana toda a vida, mas, Ele inspira toda a vida d'Ele vem a vida em todas as suas formas de expressão. Então não apenas ser a vida, mas, expressa-la sempre foi um querer e uma necessidade d'Ele. Logo as escolhas de Deus são vitais para toda a criação seja ela em toda a esfera material ou espiritual, são vitais no sentido de que são essenciais a vida.
Segundo, todas as suas escolhas são necessários, ele não age por capricho e não brinca de Criador.
Terceiro, suas escolhas são insubstituíveis. Como já afirmei acima, suas escolhas são realmente necessárias, mas, são também insubstituíveis, porque outra escolha não seria essencial a vida, outra escolha não seria em hipótese alguma boa. Insubstituível porque como a própria palavra diz, não poderia ser outra, que outra escolha não pode ser tomada no lugar. Escolha que pela sua ausência ou substituição um prejuízo vem a acontecer.
Quarto, todas as suas escolhas são valiosíssimas. Sim valioso ao extremo. Porque se são vitais, necessárias e insubstituíveis, então não podem ser nada menos que valiosíssimas.
Sendo as escolhas de Deus sempre boas, então sua escolha de fazer os seres pensantes, mesmo sabendo que pecariam, não foi uma escolha má e sim a melhor das escolhas. Uma vez que pela sua onisciência e presciência Ele não viu um bem maior que podesse ser promovido com outra escolha a não ser com está. E que até deixar de fazer qualquer escolha não seria a melhor opção, se não Ele o faria.

Continua...

Bom ou mal. Parte II( não é físico).


3. As pessoas são boas ou más porque são boas
ou más, porque fazem escolhas boas ou más?

A bondade ou a maldade não são qualidades físicas como a cor do cabelo a altura de uma pessoa, mas, são qualidades morais, do caráter de uma pessoa. É fato de que há pessoas amáveis, de natureza carinhosa e bondosa, e é igualmente engano tratá-las como sendo assim boas. A real bondade não é inata em nós, mas, não podemos incorrer no erro oposto, pois a pessoa boa não faz escolhas por impulsos, e sim com julgamento sensato. Pois se vier a fazer escolhas por impulso não poderemos determinar a sua bondade, porque não há uma escolha pelo bem, há apenas o objetivo de satisfazer o seu impulso. Uma pessoa boa sempre procurará fazer escolhas boas e sempre que fizer bem ao próximo, o fará mesmo sem ter motivos para isso, mesmo que seus desejos clamem pelo mal. E uma escolha boa nem sempre aparecera boa, pois ao contrário do mal o bem não se vale de aparências.
Não dizemos que alguém é mal porque fez uma escolha má, mas, porque no seu caminho, na sua vida, na sua trajetória de vida, ele fez e faz escolhas más. O que caracteriza uma escolha má é sua natureza egoístas, potencialmente mortal, destrutiva, desprezível e vaidosa. Mas uma escolha má não torna uma pessoa má, pois pessoas más, como observou Jesus "sabem dar coisas boas aos seus filhos"(Mateus 7:11 ), nem sendo assim elas são boas. Da mesma forma, pessoas boas também ocorrem em infelicidades. Os bons se enganam em suas escolhas, pela limitação humana somos passiveis de atos falhos os quais possivelmente podem resultar em males. Também os maus, são seres sensuais que fazem o que seus sentimentos lhes impele a fazer, suas escolhas são sempre assim sensuais, e sendo assim podem ser levados pelos seus instintos a escolhas que resultem em bem, mesmo que não o queiram e podem querer o bem e escolhe-lo sendo apenas em compromisso com a sensualidade e não com o bem real.
Passarei a considerar em algumas linhas sobre o que procede de nós e distingui-lo do que chega a nós.
A). O que procede de nós são as nossas escolhas, sejam elas apenas em projetos no coração, ou sejam elas já expostas em atos. Sejam pensamentos, concordâncias e decisões, sejam atos ou apenas os seus projetos. Em resumo o que procede de nós sejam escolhas apenas na mente ou atos externos, podem ser bons ou maus e isso depende primeiro da real motivação por traz deles se for egoístas mesmo que resulte em bem, para Deus ainda sim será uma escolha má, lembrem-se que Deus não julga pela aparência, mas, sim pelo coração. Agora o que determina que uma escolha seja boa ou má?
Segundo Deus uma escolha é má, quando ela é egoístas, orgulhosa, não pautada pela equidade.
Agora segundo os homens não há um padrão exato uma vez que os homens sempre fazem julgamentos pelos seus próprios conceitos particulares. Todavia podemos fazer algumas considerações, segundo aquilo que já observamos desde o princípio desta reflexão: As quais um homem bom sempre procura coisas realmente valiosas, insubstituíveis, necessárias e vitais, com uma visão amorosa desprovida de motivações egoístas, ou seja coisas que realmente são boas. Logo você sabe que uma escolha é boa se o egoísmo não a promove ou inspira, que o seu alvo é abençoar o próximo, que quando você a faz procura a por ser valiosa, necessária, vital e insubstituível. Isso você tem a capacidade de saber sobre a sua escolha ao se examinar, pois é algo que provem de ti. Agora com respeito a escolha de outra pessoa precisamos observar os seus frutos, e o teor de suas escolhas, e muito fácil de nos enganarmos, principalmente se o fizermos na carne e não na orientação do Espírito Santo.
B). O que vem até nós. O mal e o bem são visto por três ângulos:
1°. E o mal  ou o bem em nós. Toda a influência seja interna( a carne instigada por setas de espíritos impuros seja nos pensamentos ou nela mesma como inclinação para o mal, a razão e a consciência humana iluminadas  e inspiriradas pelo Espírito Santo como inclinação para o bem) ou externa (o Espírito Santo é uma influência tanto interna porque Ele fala na alma humana, como externa pois ele usa também vários meios externos para atingir o coração, da mesma forma os espíritos malignos apelam internamente por meio de setas em pensamentos para estimular a carne ao mal, também por influência externa temos as filosofias e ideologias humanas as quais podem influenciar tanto para o bem como para o mal, duma forma geral o mundo ou as pessoas são uma influencia externa) .
2°. O mal ou o bem que procede de nós. Isto é o mal ou o bem que provem de nossas escolhas e atos externos.
3°. O mal ou o bem que vem até nós. Este mal pode ser um mal que retorna como consequência natural de um pecado, Da mesma forma o bem vem como uma boa colheita de um bem que fizemos, como ilustra bem o Salmo 126.6, " Aquele que leva a preciosa semente andando e chorando, voltara sem dúvida com alegria trazendo consigo os seus molhos".
Mas, podemos  sermos alcançados pelo bem como uma dadiva da misericórdia de Deus. Isso não é mérito, nem recebemos por nossa bondade, mas, é apenas a graça de Deus. Com a sua sabedoria insondável ( porque não se pode saber os seus eternos propósitos, mas, sabemos que são eternamente bons), ele faz com que o seu sol nasça sobre justos e injustos (Mateus 5.45-48).
O mal também vem para todos, mas, há as seguintes perspectivas para quando o mal a vida de um justo.
I. Deus permite que ele o sofra por completo até os limites de suas forças e quando já se encontra esgotado, ele o livra. Quando assim o faz, Deus tem algo a lhe ensinar, ou tem uma benção para lhe dar, mas, antes precisa lhe conceder toda a estrutura necessária que somente a tribulação lhe poderá fornecer, ou no momento este justo está desviado para um caminho de injustiça e Deus esta pelo seu grande amor permitindo este mal como forma de despertá-lo de seu sono de iniquidade e trazê lo de volta ao caminho da justiça.
II. Deus permite que o justo sofra o mal, mas, converte o mesmo em bem. ( maldição em benção). Na sua onisciência Deus conhece as lutas e os disafios que estão por vir como ondas sobre a vida do seu justo, já de ante mão Ele sabe e não permitira algo para destruir a vida de seu justo, assim sendo ele conhece também todas as oportunidades com as quais pode fazer o seu nome ser glorificado na vida do justo, e sendo assim ele pode permitir uma furiosa onda de mal com grande poder de destruição sobre a sorte de um justo, só para surpreender a todos convertendo-a em bem. Como exemplo disso temos a própria vida de Paulo que de grande perseguidor passou a grande pregador do evangelho, e na vida Paulo vemos os exemplos de quantas vezes Deus transformou situações de morte em oportunidade para a propagação do evangelho.
III. Um justo pode enchergar o bem não aparente, onde o injusto só vê o mal. A visão do justo é apurada para ver as razões dos males e com isso saber quando um pequeno mal é na verdade um grande bem. É claro que essa observação se da muita das vezes do lado de fora, pois uma pessoa que está em sofrimento não consegue discernir a sua luta, ele pode até fazer está observação depois que seu sofrimento passar.
IV. Não existe um mal sem razão, mas, sobre a vida do justo o mal só é permitido para a promoção do bem. Mesmo assim Deus jamais inflinge este mal, apenas o permite, e o justo se torna um instrumento de sua boa vontade, na propagação do evangelho o bem maior. E ele se torna este instrumento da promoção do bem, estando ele mesmo na adversidade. Deus não manda nenhum mal, apenas permite o mal que já virá. E comp não vem mal sem uma razão, sem um motivo; este mal tem o seu motivo que é a glorificação do nome de Jesus, a propagação do evangelho do Reino de Deus, a salvação de alma, muita das vezes até a do próprio justo, pois, se há caminhos que aparentam bem quando na verdade são caminhos de morte, da mesma sorte o caminho de Deus nem sempre é agradável, mas, o seu fim é a vida eterna em Cristo Jesus o nosso Senhor e Salvador.

Continua...

Bom ou mal. Parte I( Uma questão moral).

As questão bom ou mal é uma questão mais
moral do que física. O que faz algo ou alguém ser bom ou ruim ? Porque algo e ou alguém é bom ou ruim? As pessoas são boas ou más porque são boas ou más, porque fazem coisas e ou escolhas boas ou ruins? Existe algo bom ou mal em si mesmo, isto é subjetivo, ou somos nós que lhes atribuímos estas qualidade? Pode algo ruim ser bom? Pode algo ruim tornar-se bom? Porque Deus é bom? Porque o homem é mal? Pode Deus ser mal? Pode o homem ser bom? Existe mesmo alguma bondade na humanidade? Qual a visão de Jesus sobre ser bom ou mal? E o mal físico existe realmente um mal que não seja moral?

1. O que faz(torna) algo e ou alguém ser ruim ou bom?

A). O mal ou o bem sempre parte tendo o ser pensante como referência, pois na verdade bem ou mal são qualidades humanas conferidas a coisas ou a algo, que em si e por si não são boas ou más, mas, em relação com o homem podem ser boas ou más.
Porque os valores das coisas somos nós que conferimos e ou percebemos quando as mesmas entram em relação conosco.
Quando você diz que algo é gostoso, me diga sinceramente, você não esta dizendo que é bom? Você pode responder racionalmente que "nem tudo o que é gostoso, que é aprazível é bom", e eu concordo. Mas quando expressamos que algo é gostoso, não estamos dizendo que isso seja bom? Porque na verdade neste momento quando dizemos ou achamos que algo seja gostoso, não estamos a discernir entre os benefícios e os malefícios que aquilo faz conosco, não estamos fazendo uma distinção, estamos apenas sentindo e neste julgamento que fazemos conduzidos pelos sentimentos ao dizermos que algo seja gostoso, estamos implicitamente, ou mesmo que indiretamente afirmando que aquilo seja bom.
Isso porque a noção do que seja bom ou ruim parte de nós, de nossos sentimentos, de nossas percepções, mesmo que equivocados. Então olhando por este angulo, somos nós que os tornamos bons ou ruins; uma vez que valorizamos ou desprezamos algo.
B). Agora o que torna, o que leva algo a ser realmente bom e ou ruim.
O que torna algo realmente bom é em primeiro lugar ser valioso. Como já disse algo pode se tornar, vir a ser valioso para você de uma forma relativa, pessoal, ter uma relação com seus valores pessoais, com seus sentimentos, mas, algo realmente bom não precisa desta relação, seu valor não é meramente relativo a uma pessoa. Seu valor é de percepção universal, mesmo, que não tenha a apreciação de um povo, de um grupo de pessoas, mesmo que em algum tempo ele seja desprezado.
O que o torna bom vem de uma qualidade em si, que o torna necessário, o que é bom sempre é necessário, mesmo, que você não o considere necessário. A relação do que é realmente bom com a humanidade não é uma relação de sentimento, do que nós sentimos em relação a ele, mas, é uma  relação de necessidade.
Esta qualidade( que pode ser várias, depende da relação do algo com os seres pensantes) precisa ser vital, mesmo que seus sentimentos em relação a ele desconsidere isso.
Este algo precisa ser insubstituível. Algo que outro algo não possa tomar o lugar. Algo que pela sua ausência um prejuízo vem a acontecer.
Só então este algo será valioso; porque só ele poderá produzir o bem.
Então o que torna algo realmente bom, é ele ser, necessário, vital, insubstituível e valioso.
Logo o que torna algo realmente ruim ou mal, é ele não ser necessário ou seja ser dispensável, ser o oposto de vital, ser mortal( causar prejuízos ser destrutivo, e desprezível). Não é nem ser apenas o oposto de insubstituível, é ser também fútil e excessivo. Seu valor está condicionado a uma relação egoísta com o homem.
C). A segunda parte da pergunta é, " o que torna alguém bom ou mal"? Isso depende das escolhas de vida de uma pessoa. Como já foi dito algo realmente bom precisa ser necessário, insubstituível, vital e valioso( não como particular a alguém, mas, a todos os seres pensantes, isso não precisa do reconhecimento mundial, eles mesmos pelas suas propriedades são valiosos, mesmo que os homens achem o contrário), logo em suas escolhas o ser realmente bom precisa escolher, praticar, inspirar e produzir coisas ou algos que tenham todas estas qualidades. Não necessariamente sua vida deve ficar restrita a isto, mas, para que ele ( segundo Deus, não segundo a visão humana) seja realmente alguém bom ele precisa abandonar todo o egoísmo em suas escolhas da vida, vale ressaltar que há escolhas que são realmente egoísmo outras são legitimas, como por exemplo o desejo de um pai ou uma mãe no bem de sua família. Pois mesmo que faça escolhas excelentes de coisas que são valiosas, necessárias, vitais e insubstituíveis se suas motivações forem egoístas, para os homens podes até chegares a ser um grande filantropo, mas, para  Deus ainda seras  miserável pecador. A real diferença entre um homem realmente bom e um homem mal( mesmo pareça ser bom) é que o bom não tem motivações egoístas e o mal tem.

2. Porque algo e ou alguém é bom ou ruim?

Ou qual a causa da maldade ou bondade em uma pessoa e ou alguém.
A) Olha o que torna uma pessoa má ou boa são suas escolhas de vida e a motivação por traz das mesmas. Motivações estas que se definem em egoístas e não egoístas. Agora o porque de as pessoas serem más ou boas são suas influências, ou seja, esta em quem e ou o que ele permita que lhe influencie em suas escolhas de vida( ou aquelas grandes escolhas que lhe influenciaram na definição de seu próprio caráter).
Pelos " o que " te influenciaram nas grandes e nas pequenas escolhas da vida, entende-se por tudo aquilo que não seja seres pensantes, mas, que ou se oriundam deles( filosofias, ideologias, religião ...), estejam neles( desejos, imaginações, medos, ambições, pensamentos e sentimentos no geral), ou seja externo como as circunstâncias e o ambiente e sistema atual. Mas nenhum " o que " torna uma pessoa má e sim a partir da hora que ela se deixe ou permita a influência dominar o seu coração.
Por "quem" se refere a outros seres pensantes seja homens( amigos, mentores, familiares, etc...), Deus ou os demônios. Da mesma forma a escolha é sempre sua de se deixar ou não persuadir por estes seres.
B). Porque algo é mal ou bom? Como já falei a bondade ou a maldade de algo não está nele em si, mas, esta na sua relação com os seres pensantes. Então a causa de algo ser bom ou mal não esta nele pois ele não é um ser pensante, ele não faz escolhas. Logo são os seres pensantes o porque ou a causa de algo ser mal ou bom. Há duas razões para isso.
1°. Há uma razão espiritual. Paulo diz que toda a criação ficou sujeita a vaidade por aquele( isso se referindo a humanidade) que a sujeitou( Romanos 8.19-23). Em Genesis 1.17 a19, diz que graças ao pecado de Adão a terra passou a produzir espinhos e o homem passou a ter que laborear de forma árdua para conseguir tirar da terra o seu beneficio. Logo o homem colocou todo o universo material a ele confiado por Deus debaixo da corrupção e do caus e isso e por isso o homem relegou-os ao mal.
2°. Seguindo nosso raciocínio anterior algo é bom ou mal dependendo de sua relação com os seres pensantes ou com os seres não pensantes estando esta avaliação sobre o olhar dos seres pensantes. Como assim? Quando falo, " estando esta avaliação sobre o olhar", quero dizer em referência a animais ou plantas quando são prejudicados, como os tais não raciocinam nem tem algum discernimento sobre aquilo que lhes acontece não podem julgar ou saber se o que lhes acontece é bom ou mal. Logo quem avalia o dano ou o beneficio e julga decretando-o como bom ou mal são os homens os seres pensantes.
Como algo não é bom ou mal em si, então mudando a sua relação com os seres pensantes, mudara a sua classificação. E isso poderá mudar de bom para mal, mas, muda na sua relação, não na sua natureza. Por exemplo; o veneno da cobra é bom ou mal? Ele é mal,  porque leva alguém que for picado pelo mesmo a morte. Mas o mesmo veneno quando usado na fabricação de remédios pode se tornar bom, pois sera usada para salvar vidas, pois o soro antiofídico usado no tratamento de quem recebeu uma picada de cobra pode ser usado e feito do mesmo veneno que esta matando a vítima. Sendo assim mudou-se a relação de veneno mortal passou a remédio vital. Mas continuou a ser veneno e seu uso natural para a morte, contudo, mudou-se apenas a sua relação com o ser pensante.
Porque algo é mal? Porque na sua relação com o ser pensante ele o prejudica.  Mas a causa de algo ser mal esta na sua relação com o ser humano, ou seja esta não é uma explicação assim; " é porque é ", nem é uma explicação que se dê de forma satisfatória sem levar em conta a realidade de que foi ao homem pecar ele introduziu no mundo todo o mal que há. Logo as catástrofes, os homicídios, e toda a sorte de pestes e males que assolam o mundo é sim de forma direta e indireta causada pelo homem.


  1. Continua...

Leia mais...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...