TRADUTOR

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Palavra importante 25: Lealdade

Lealdade
Tito: 2. 10. nem defraudando, antes mostrando perfeita lealdade, para que em tudo sejam ornamento da doutrina de Deus nosso Salvador. - Bíblia JFA Offline
Leal também pode ser intendo como fiel. Aquele que não desonra o seu compromisso, de caráter íntegro, honesto, justo, reto.
Temos como exemplo de lealdade a amizade de Jônatas e Davi. Eles fizeram um compromisso entre si de Jônatas proteger a Davi, naquilo que ele podia, e Davi sendo levantado por Deus pouparia a ele e a seus descendentes. Davi pode mais tarde honrar a Jônatas, através de Mefibosete.
Porque a lealdade é importante para o cristão? A quem precisamos ser leais, ou qual é o nosso real compromisso de lealdade?
A palavra leal é sinônima de fiel, a primeira é aplicada num contexto geral e a segunda num contexto religioso. Para o cristão a lealdade está relacionada com a fé, pois a princípio não se pode ser realmente leal a uma causa, se você não acreditar nela, e não somente está relacionada a fé, no sentido de você ter que acreditar na causa do evangelho, mas, no sentido também de você ser confiável. E isto é verdade para qualquer contexto, não apenas para o cristianismo. Por isso é necessário, para o cristão, saber verdadeiramente em si, a quem ele realmente precisa ser leal, diante de uma necessidade de tomada de posição, do lado de quem ele permanecerá. Precisamos ter em mente, que antes de tudo, devemos lealdade a Deus acima de tudo, depois aos homens ou qualquer outra causa. Mas, nenhuma causa ou relacionamento deve se interpor entre nós e o Senhor Jesus.
O indivíduo leal, é íntegro, firme e confiável.
* Integridade: Como a própria palavra sugere se refere a ser inteiro, de todo o coração. O indivíduo leal, perante Deus é de todo o coração, ele não possui partidos, ele serve a Deus apesar de qualquer adversidade, ele não muda. A palavra de Deus para os seus servos é: " Se fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida"(Apocalipse 2.10).
* Firmeza. Isso mostra a dedicação e perseverança que o Senhor Jesus espera de seus filhos. Não podemos nos consolar no fato de que todos estamos sujeitos a quedas. Mas, sim no fato de que se cairmos teremos um advogado. Pois se nós consolarmos no fato de que todos estamos sujeitos a cair, isso funcionará em nós como um anestésico para o pecado de forma que ele encontrará maior resistência. Mas, se nos consolarmos no fato de que temos um advogado, então estamos ainda aflitos pelos nossos pecados, e estamos desejos de nos vermos livres deles, pelo que com lágrimas recorremos a Jesus, nosso, advogado e Ele advoga a nossa causa diante do Pai, nos dando o refrigério de que pelo seu sangue, Ele não falha e somos justificados.
1 João: 2. 1. Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; mas, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo. - Bíblia JFA Offline
* Confiança. O indivíduo fiel como já abordei, tem dois tipos de relacionamentos com a confiança, o de confiar ou crer de todo o coração, e  isso em especial no cristianismo uma vez que o Senhor se relaciona conosco através de nosso espírito, e se não formos completos Ele o conhece, pois um coração incompleto é um espírito incompleto. Outra forma de relacionamento do indivíduo leal com a confiança é a de ser confiável, e isso ele o é pela sua firmeza e integridade.
Agora a quem devemos ser realmente leais?
Devemos ser leais a Deus, este é o nosso principal compromisso, todos os outros precisam respeitar está escala, Deus primeiro e está ordem não pode ser invertida. Depois de se estabelecer está prioridade, todas as outras se organizaram de forma automática da melhor maneira possível. O fato é que em nossos caminhos e escolhas do coração no dia a dia, estamos a todo o momento a inverter, a colocar outras prioridades, outras causas e clamores à frente do Senhor. Isso basta um simples apelo, da carne. Mas, a palavra ainda permanece a nós aconselhar, " se fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida".

sábado, 6 de maio de 2017

Bom ou mal. Última parte(opiniões de Jesus).

11. Qual a visão de Jesus sobre ser bom ou mal?

1°. "Considerem: uma árvore boa dá bom fruto; uma árvore ruim, dá fruto ruim, pois uma árvore é conhecida por seu fruto. Raça de víboras, como podem vocês, que são maus, dizer coisas boas? Pois a boca fala do que está cheio o coração. O homem bom, do seu bom tesouro, tira coisas boas, e o homem mau, do seu mau tesouro, tira coisas más. ( Mateus 12.33-35/ Lucas 6.43,45 )

Duas opiniões de Jesus sobre bom e mal  identificamos nesta referência. Primeira opinião,"pois uma árvore é conhecida por seu fruto"; segunda opinião, " Pois a boca fala do que está cheio o coração".Ambas refletem o mesmo pensamento, de que o bem e o mal partem de nós e isto é o que nos definem. As frases acima também dizem que, essa definição como bom ou mal representam aquilo ou a qualidade daquilo que abunda em nós, em nossos corações. Em nossa alma.
Na passagem em apreço, Jesus deixa outra coisa em evidência:"Raça de víboras, como podem vocês, que são maus, dizer coisas boas? " Entendo Jesus afirmando que não existe bondade real, mas, apenas uma bondade fingida e conveniente, nas falas dos maus. Outra pérola de Cristo Jesus é esta que conclui seu pensamento na citação; " O homem bom, do seu bom tesouro, tira coisas boas, e o homem mau, do seu mau tesouro, tira coisas más." Você não pode dar bondade se o melhor que você tem é mal.

2°. Eis que alguém se aproximou de Jesus e lhe perguntou: "Mestre, que farei de bom para ter a vida eterna?" Respondeu-lhe Jesus: "Por que você me pergunta sobre o que é bom? Há somente um que é bom. Se você quer entrar na vida, obedeça aos mandamentos". ( Mateus 19.16,17).

Quando Jesus ia saindo, um homem correu em sua direção, pôs-se de joelhos diante dele e lhe perguntou: "Bom mestre, que farei para herdar a vida eterna?" Respondeu-lhe Jesus: "Por que você me chama bom? Ninguém é bom, a não ser um, que é Deus.(Marcos 10.17,18)

Aqui Jesus reduz toda a bondade existente até da pessoa mais sincera, da bondade mais real que há na terra, e nesta declaração Ele reduziu até mesmo a sua bondade. Jesus com essa declaração reduziu toda a bondade proveniente dos homens e até mesmo a sua, a nada diante da bondade de Deus. Ele declarou que só Deus era realmente bom. Não que ele estivesse negando a sua própria bondade porque ele mesmo disse de si;  "Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas. " (Joao 10:11) Mas em adoração e reconhecendo a infinita bondade de Deus é que o mesmo assim declara. E mesmo que Jesus tivesse negando a sua bondade como homem, todavia ao declarar-se o bom pastor, ele sendo Deus não entra em contradição nas duas falas em hipótese alguma.

 3°. "O Senhor respondeu: ‘Muito bem, servo bom e fiel! Você foi fiel no pouco; eu o porei sobre o muito. Venha e participe da alegria do seu senhor!’( Mateus 25:21 ).

Aqui a bondade é vista como uma qualidade do caráter daquele servo, e não do serviço por ele prestado. Se não o seu Senhor teria dito, "Muito bem, bom serviço e fiel foste em sua execução..
.", mas, ao invés disso ele elogia o caráter do servo que prestou o serviço. Da mesma forma Deus valoriza a sua boa obra, e nada do que faz passa despercebido por Ele, mas, Ele valoriza muito mais você do que as suas obras. Uma pessoa má pode e faz obras boas, mas, uma obra boa feita por alguém bom tem o peso do amor, da dedicação de sua verdadeira identidade, e no tocante aos serviços da obra de Deus, ela tem o peso da compaixão, não do amor ao que se faz apenas, mas, principalmente a quem se faz( o próximo) e por quem se faz( a Deus).


4°.  Amem, porém, os seus inimigos, façam-lhes o bem e emprestem a eles, sem esperar receber nada de volta. Então, a recompensa que terão será grande e vocês serão filhos do Altíssimo, porque ele é bondoso para com os ingratos e maus.
Sejam misericordiosos, assim como o Pai de vocês é misericordioso". (Lucas 6:35,36)

Aqui Jesus estimula seus discípulos a serem semelhantes ao Pai, em seu caminho de bondade. Mostrando a superioridade do sobre as diferenças e relacionamentos dos homens. Mesmo que você tenha um inimigo se és realmente bom conforme a vontade de Deus, você não o inimigo desta relação, mas, contradição ao mundo, seras o amigo. Temos apenas um inimigo real que é Satanás; a carne faz parte de nós, não é um ser pensante e influenciada por ele, o mundo é um sistema governado por ele. Portanto o nosso verdadeiro inimigo é o Diabo.
Logo Deus é o amigo não o inimigo, a bondade de Deus é justa por isso falo que ela é a bondade real.

5°. "Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas.
 "Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas; e elas me conhecem;( João 10:11,14).

O pastor que é bom realmente ele dá a sua vida pelas ovelhas. Ele considera a vida das ovelhas mais importante que a sua própria, seu amor benigno o toma por inteiro e o coloca a disposição de seu querido rebanho.
Bondade pode se referir a qualidade do pastor, se referindo a sua vocação, de que ele é bom em ser pastor, como pastor, de que ele desenvolve bem com dedicação, com amor( amor aqui não apenas pelo que faz, mas, principalmente por quem e para quem faz). Também pode se referir a qualidade moral do pastor, um traço significante de seu caráter, principalmente que essa referência não é a de um pastor real de ovelhas reais, mas, é a um pastor de pessoas como ovelhas, de um guia espiritual. Se fosse um pastor de ovelhas mesmo a primeira referência já seria suficiente. Agora como é um guia espiritual, então faz se necessário que a bondade seja sua marca. Por isso Jesus vira para os seus discípulos e diz, que Ele era assim, o "bom pastor", não  pastor bom apenas, pois pessoas más, podem proceder de forma bondosa quando querem, mas, Jesus não é bom quando convém, ele é o bom pastor.

6°. "Os olhos são a candeia do corpo. Se os seus olhos forem bons, todo o seu corpo será cheio de luz. Mas se os seus olhos forem maus, todo o seu corpo será cheio de trevas. Portanto, se a luz que está dentro de você são trevas, que tremendas trevas são! ( Mateus 6.22,23)

Uma pessoa boa também possui as janelas de sua alma boas, a integridade, a honestidade, a pureza no olhar( olhar sem cobiça) entre outras virtudes que pode brotar de uma janela boa, são a marca de que esta pessoa é uma pessoa boa, pois co diz o mestre se as janelas e portas( olhos, mãos, boca nariz, tato etc...) são bons todo o nosso corpo sera bom. Os olhos em especial são os guias da mente e do corpo, o tato e os demais sentidos também, mas, em especial os olhos. Os olhos são o campo pelo qual o nosso interior se manifesta ao mundo, por isso ele mostra muito sobre quem nós somos, e isso para nós, outros sentidos também, mas, os olhos trazem uma revelação mais individual. Para um cego isto fica mais restrito ao tato em especial e a audição, isso tanto a visão quanto o tato, mas fica o foco na visão.

7°. ...para que vocês venham a ser filhos de seu Pai que está nos céus. Porque ele faz raiar o seu sol sobre maus e bons e derrama chuva sobre justos e injustos. ( Mateus 5.45)

A bondade de Deus não é estendida apenas aqueles que lhe agradam. Os justos sabem desfrutar, porque a reconhecem, e é claro que há um favor nisso, pois pela gratidão somos alcançados muito mais por sua bondade. No entanto ela esta estendida a todos. De igual modo o bom e o justo segundo Deus, não faz acepção de pessoas, mas, é bom para com todos.

8°. Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto mais o Pai de vocês, que está nos céus, dará coisas boas aos que lhe pedirem! (Mateus 7:11 )

Jesus dizia isso aos seus discípulos, e Ele, não os via como bonzinhos, ainda que fossem, diante da bondade de Deus, eles eram maus, agora por mais que se considerassem bons aos seus próprios olhos, Jesus os via e nos vê por dentro. Ele conhece as nossas reais e mais intimas motivações e quem pode as achar o bom perante Ele. Se ele vós sois maus, então é isso que nos somos. No entanto Ele nos chama a uma mudança real, ele diz; "Sejam misericordiosos, assim como o Pai de vocês é misericordioso"( Lucas 6.36).
Outro fato que Jesus revela aqui, é o fato de que mesmo os homens sendo maus, eles "sabem dar coisas boas aos seus filhos". Isso não é um elogio, Ele esta dizendo que por Deus ser bom, Ele está muito mais disposto a nos dar aquilo de bom que precisamos e pedimos, do que nós aos nossos filhos. Ele diz; "quanto mais o Pai de vocês, que está nos céus,dará coisas boas aos que lhe pedirem!"

9°.O mundo não pode odiá-los, mas a mim odeia porque dou testemunho de que o que ele faz é mau. (Joao 7:7)

Não existe pecador bonzinho, e Jesus deixou isso bem claro, de sorte que ao falar de seus pecados ele os estimulou a exteriorizarem o que eles realmente eram, maus. E isso eles mostraram e mostram quando são expostos a luz da palavra de Deus. Eu não sou bom, primeiro eu preciso reconhecer isso, que não há condenação sem motivos, que pecado pode ser agradável, mas, não é bom. O homem mais piedoso do mundo, é um carrasco, ele não é bom. Só então com o novo nascimento, eu começo a trilhar o caminho do bem, quando eu começo a ser, como o Pai que esta no céu, que faz com que seu sol nasça sobre bons e maus.
Agora as pessoas vão te odiar se você trilhar o caminho do Pai, e eles vão pensar de você o mesmo que pensam de Jesus. Eles acharam que você é mau, um arruaceiro, um perturbador, quando na verdade você estará apenas testemunhando contra as suas obras que são más.

 12.E o mal físico; existe realmente um mal que não seja moral? O mal real é moral e espiritual. Toda a catástrofe, e sofrimento humano ou até mesmo o sofrimento da natureza e dos animais são consequências do pecado. O homem foi colocado por Deus como regente e responsável não somente pelos seus descendentes, mas, até mesmo por toda a criação na esfera material. Quando o homem pecou ele sujeitou não só a si mesmo, mas, a toda a natureza a corrupção, a morte. E isso durará até que Deus através de Jesus restaure a tudo.( Romanos 8.19-23).

Bom ou mal. Parte IV(porque o homem é mal).


7.  Porque o homem é mal?

Nem todo o homem é mal. Mas, olhando do ponto de vista do pecado o homem é mal, por causa de suas escolhas egoístas, e da conseqüência destrutiva e devastadora que se dá ao percorrer este caminho pecaminoso. O pecado não é apenas uma transgressão, mas, é a escolha pelo mal real e absoluto, não é verdade que o homem faça escolhas más por serem más, mas, ele faz escolhas egoístas que de imediato lhe agrada, satisfaz as suas inclinações, e só por isso elas são más. E porque só por isso?
Primeiro porque da mesma forma como isso não, é escolhido por ser mal, também ele não faz escolhas pensando na moralidade delas, se são realmente boas.
 Segundo porque o bom deles é bom no sentido apenas de ser agradável, e não porque resultará em benefícios reais.
Terceiro além de suas escolhas não serem feitas com uma avaliação moral, de serem feitas apenas levando em consideração se agrada ou não a carne, também sua essência não pode ser boa sempre que o homem desprezar a Deus e ou em suas condutas ignorar, menosprezar os seus conselhos e preceitos santos.
Quando digo que o homem é mal, digo duma forma panorâmica, levando em consideração o histórico de escolhas egoístas que tem trazido a ruína e o mal, escolhas feitas pela humanidade. Agora avaliando o homem pessoalmente, ele pode ser bom ou mal dependerá do seu caminho e não de uma escolha isolada. Agora mesmo que o homem seja bom, integro e justo, diante da bondade de Deus, ele torna-se como mal e a sua bondade maldade. Pois Deus é infinitamente bom, nossa bondade sempre ficará em débito diante d'Ele, e o mais justo dos homens se considera o mais pecador dos mesmos.

8. Pode Deus ser mal?

De Deus não vem nenhum mal, suas escolhas são sabias, e tão ricas que até mesmo se Ele vier a escolher algo que pareça-nos ruim, todavia sua escolha esta sendo o melhor dos bens a Ele possível. Não estou dizendo que se Ele escolhe um mal, ele se torna em bem. Estou dizendo que em sua onisciência Ele vê além das aparências(dos olhos, dos sentimentos), o que escolhe não é um bem que se mostra como bem(por que o bem real é como Deus, não tem necessidade de aparecer), ele é o bem real, o verdadeiro mesmo que não apareça.
Por causa deste detalhe da aparência que sitei, é que muitos em sua compreensão limitada o acham ser mal. Muitos tropeçam nesta pedra, mas, o Senhor por ser bom e por compreender a nossa situação diante d'Ele, nos da o benefício da sua misericórdia.
Olhando por este ângulo, aos olhos limitados humanos, Deus pode parecer ser mal em muitas de suas escolhas, parece até que Ele é o limitado. Mas, acontece é que "assim como os céus são mais altos do que a terra, também os meus caminhos são mais altos do que os seus caminhos e os meus pensamentos mais altos do que os seus pensamentos. "(Isaías 55.9). Então Ele é o Senhor, e sabe muito além de nós, e suas escolhas são mais  excelentes do que as nossas. E se são mais excelentes, o bem que Ele escolhe fazer, a bondade que d'Ele vem, esta bondade, este bem é o bem real, verdadeiro e absoluto.

9. Pode o homem ser bom?

A pergunta é se ele sendo mal, ele tem a capacidade de passar a ser bom. Ou se existe homem bom, já que o mundo é tão mal, cheio de toda a sorte de mal corruptor (que seduz e atrás o homem para a prática do mal). Penso que sim, já que é uma escolha nossa. Agora as nossas influências podem e interferem nestas escolhas, pessoas boas são cercadas de boas influências. Isso não quer dizer que também não sejam cercadas de más influências, mas, só influe em você se você permitir. Mesmo um mensagem subliminar só influenciara em sua vida se você já concordar com ela em seu coração. Isso é verdade para todos os agentes influenciadores, sejam eles para o mal(o mundo, a carne e o diabo, e seus agentes secundários) ou para o bem( Deus a igreja e você se permitir Deus influenciar a sua vida).
O homem pode ser bom e isso dependerá muito mais dele do que de qualquer influência, mas, suas influências contaram e muito no sucesso desta caminhada, porque ser bom não é uma escolha de um dia e de uma vida. Por isso muitos fracassam, não há como as trevas e a luz coexistirem juntas, assim não há como o homem conseguir ser verdadeiramente bom se ele se cercar de influências más. Outra dificuldade que o homem tem de ser bom, é o mal interior, isso é em linguagem bíblica a carne. Pois a carne sempre vai tentar ser a determinadora de nossas escolhas. Mas para combater o mal interior, para quem crer e segue a Jesus, a presença do Espírito Santo se torna nele um bem interior que se ele permitir será o seu mentor e principal influente para determinar as suas escolhas para o bem.
"Quem vive segundo a carne tem a mente voltada para o que a carne deseja; mas quem, de vive acordo com o Espírito, tem a mente voltada para o que o Espírito deseja. A mentalidade da carne é morte, mas a mentalidade do Espírito é vida e paz; a mentalidade da carne é inimiga de Deus porque não se submete à lei de Deus, nem pode fazê-lo. "(Romanos 8.5-7).

10. Existe mesmo alguma bondade na humanidade?

Aqui a pergunta vem de forma global, não um homem em isolado. Todo o bem vem de Deus, muito do que o homem diz que é bem é apenas uma modalidade bonita de mal, os caminhos justos e louváveis da humanidade ainda são cheios de inveja, ódio, cobiça, orgulho, egoismo, mentira. Mesmo que não tenham homicídios ou traumas físicos e mentais. Não consigo conceber a verdade num caminho de maldade.  O homem pode fazer coisas boas aos seus próximos como disse Jesus, ainda sim ele será mal(Mateus 7.11).
Mas haverá um tempo na Bíblia escrito esta ( Mateus 25.31- 46/Apocalip 21.4), em que toda a maldade da humanidade será julgada, e a parte da humanidade composta pelos remidos, dela sim, poderá se dizer que não haverá nenhuma mancha de mal.
Se fosse uma pessoa em individual, poderia ser, se a pergunta fosse: "Existe mesmo pessoas boas na humanidade?" A resposta poderia ser sim. Mas a humanidade como um todo esta mergulhada na maldade, mesmo fazendo um observação mais superficial e simplista, diria que sim, há algum bem na humanidade porque há pessoas boas e estas pessoas boas são a fonte deste bem. Agora sendo mais apurado, não existe bem na humanidade, no que se refere as obras dos homens, porque quando eu falo de humanidade não estou me referindo a uma pessoa, ou a um grupo de pessoas, e sim ao coletivo. Para ser mais claro, pra mim responder que há algum bem na humanidade, teria que dizer que há bem em todas elas. Olhando assim poderia se dizer que não há então mal na humanidade, porque para isto haveria igualmente de haver mal em todas as pessoas. Mas, digo que mesmo a bondade humana daqueles que são realmente bons, diante da bondade de Deus é má e miserável. Mas prosseguindo nesta mesma linha de pensamento, mesmo concluindo que no tocante as obras dos homens não há bem na humanidade, concluo também que na humanidade, mas, não no que se refere as obras dos homens, mas, sim no que se refere as obras de Deus na humanidade, na vida dos homens. E a própria vida é um bem que Deus deu ao homem no princípio e que mesmo corrompido pela pecado( corrupção esta que é a interrupção da mesma), ainda permanece.
A humanidade é originalmente boa, porque é obra das mãos de Deus, e futuramente voltara ao seu esta original. Todo ser humano nasce bom e se corrompe pela sedução do pecado.

Continua...

Bom ou mal. Parte III( Deus é bom).

4. Existe algo bom ou mal em si mesmo, isto
é subjetivo, ou somos nós que lhes atribuímos estas qualidades?

Para dizermos que algo seja mal em si,  temos que dizer que ele é o próprio mal, o mal não é um ser, nem algo, não é uma qualidade física ( como cor ,altura timbre de voz), nem mesmo  sentimento, a frase, "eu me sinto mal" , isso é apenas uma expressão para se referir ou aos sintomas de uma enfermidade, ou a um estado de sentimento da miséria pessoal, como a tristeza pela realização de algo errado; pois se o mal em sua essência podesse ser sentido ele poderia ser evitado, assim este mesmo argumento vale para o bem, que se podesse ser sentido poderia e seria procurado. Porque você pode se sentir mal até mesmo por um bem que está fazendo principalmente se o bem significar o sacrifício de algo ao qual você esteja muito apegado. Mas algo é bom ou ruim de acordo com a sua relação com os seres pensantes; se uma relação de inspiração do que há de melhor no homem,  de edificação de valores necessários, vitais, insubstituíveis então este algo é realmente bom mesmo que pareça ruim. Entenda na avaliação do que seja bom ou ruim para o homem a razão muitas vezes vai discordar da sensação. Por isso nesta reflexão reflito sobre o que é bom e não sobre o que parece bom, pois no processo é assim a sensação sente que algo seja bom, e a razão analisa as credenciais e determina o que é realmente bom. Por isso depende da relação com o ser humano.

5. Pode algo ruim ser bom? Pode algo ruim tornar-se bom?

Vamos começar está resposta, com outras dúvidas e outras perguntas. Algum fenômeno como a chuva, que causa enchentes nas cidades, desmorona barrancos em casas construídas em barrancos e encostas, essa chuva é má? Um maremoto, tsunami, terremoto, furacão, tempestade e relâmpago, bem como outros fenômenos da natureza que agem como uma fúria destruindo casas, matando pessoas, animais são realmente males, no sentido de serem em si um mal?
Cada um deles tem uma função na natureza e estão apenas a cumprir esta função, por natureza ou em si, não estão querendo e nem pretendendo fazer nada, nem mesmo o mal da morte e devastação que ocorre por eles ocorrerem. Eles nem mesmo querem acontecer. O homem primitivo reconhece esta verdade, quando delega o mal acontecido pelos fenômenos aos deuses, pois ao fazerem isso eles reconhecem que não é a tempestade por exemplo a vilã e sim aquele que a mandou. Mesmo que para nós cristãos sabemos que o Deus verdadeiro que ordena todas as coisas, não manda nada por mal e nem para o mal, e se faz algo o faz no zelo de sua justiça, mas, não com intenção maligna. Porém o fato destes fenômenos acontecerem de forma tão devastadora, está em que Deus constituiu o homem por regente do mundo material e este ao pecar sujeitou o mundo criado a vaidade, ou seja a corrupção ao caus, e isto estará assim até o dia em que Cristo vai restaurar toda a criação( Romanos 8.19-23). Logo novamente até mesmo o fenômeno com sua devastação só é visto como mal, quando em relação com o ser humano. Quando ele o prejudica ou o aniquila do contrário ele é apenas um fenômeno.
Por algo me refiro a tudo que não seja o ser pensante. Se algo pode mudar a sua relação com o ser pensante de má para boa, então passara a ser considerado algo bom, ele se tornara algo bom.

6. Porque Deus é bom?

 Já falamo que ninguém é bom ou mal por ser bom ou mal. Embora há pessoas de temperamento agradável e pacífico, mas, o temperamento é algo inato as pessoas, bondade ou maldade são qualidades morais não da alma ou do temperamento. Uma pessoa mesmo sendo de temperamento agradavel e pacifico, pode ser má, bondade nem sempre é sinônimo de agradabilidade, embora a sensação diga que é.
Logo Deus é bom e isso é traço marcante de seu caráter, é uma escolha de conduta eterna( não cotidiana pois o tempo de Deus não é contado em dias e sim de eternidade a eternidade) pela qual é qualificado o seu caráter.
É um traço marcante do caráter de Deus a bondade, porque desde sempre de eternidade a eternidade ela faz, escolhe, realiza e promove todo a bondade possível.
Mas, o mundo nem sempre vê assim, quando olham para as catástrofes, as doenças, epidemias, sacinas e toda a sorte de mal, sejam elas mundiais ou não; perguntam o porque Deus permite. Alguns por causa do temor a Deus e da educação religiosa não acusaram Deus de ser mal com todas as palavras, mas, internamente ficaram confusos a se perguntarem. É claro que sempre temos a resposta de que Deus em sua sabedoria esta fazendo o melhor, mas, é sempre a resposta de quem está de fora do sofrimento, pois pode analisar e julgar friamente. Mas a pessoa que passa pelo sofrimento fica em conflito, o cristão terá sempre consigo a resposta de "Deus sabe o que faz", de que" Deus está no controle de tudo", de que "Deus sempre faz o melhor", etc..., mas, chega uma hora e num ponto do sofrimento em que a mente entra em conflito com os sentimentos que tendem a querer duvidar da bondade de Deus. Para o homem que não tem compromisso com Deus quando vem o sofrimento ele logo o questiona, se é um filantropo logo quer lançar no rosto de Deus as suas boas obras, se um ateu começa a blasfemar. Todavia Deus conhece nossas limitações, sabe que somos incapacitados de alcançar com nossas mentes e corações, os seus planos e enchergarmos a sua bondade em tudo isso.
Agora se Deus é bom porque permite o mal? E porque criou uma realidade na qual ele pela sua presciência já sabia que haveria o mal? Não haveria outro meio de criar o universo sem a ameaça do mal? Duma forma geral Deus por este tempo está permitindo o mal, mas, haverá um tempo em que Deus julgará e condenara a todos os maus, e removerá toda a espécie de sofrimento. Agora se você tivesse de escolher entre ter um filho que te causaria muito sofrimento e ao mesmo tempo seria motivo de muitas alegrias e sim você seria muito amado por ele, e entre ter um filho que jamais te contrariaria, mas, seria como um vegetal toda a sua vida paralisado na cama. Se você no ato da concepção podesse escolher. Qual seria? Todas as duas opções são más, ou possui males diferentes.
Agora da mesma forma Deus tinha estas duas opções em sua escolha e preferiu a primeira, é claro Ele também tinha a opção de não fazer o homem, nem os anjos e viver uma eternidade sozinho e na inexpressividade. Mas então porque Ele criou os seres pensantes ( homens e anjos) sabendo de suas futuras escolhas más? Qual a sua possível motivação? Havia necessidade?
Deixa-me fazer então aqui algumas observações:
Dizer que Deus fez o homem apenas por sua vontade é uma coisa, mas, uma vez que temos em mente que Ele é bom, precisamos mostrar uma necessidade que justifique esta feitura, uma vez que o homem peca e dele vem o mal e Deus antes de o fazer já sabia. Vamos observar isto num contexto mais amplo, o de seres pensantes (anjos e homens) uma vez que até mesmo eles pecaram.
Deus criou duas dimensões paralelas, a espiritual e a material, ambas com as suas particularidades, e em cada uma delas Ele criou um ser pensante o qual predominava e no caso da terra podemos assegurar pela palavra que dominava sobre ela. O anjo para a dimensão espiritual e o homem para a dimensão material. Se vermos a sequência de Gênesis vemos que o homem foi a ultima das criações e recebeu o domínio sobre todo o reino material.
Genesis 1:28 - Deus os abençoou, e lhes disse: "Sejam férteis e multipliquem-se! Encham e subjuguem a terra! Dominem sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se movem pela terra".
Sobre isso o máximo que posso afirmar através desta reflexão, uma vez que a Bíblia não diz o porque de Deus ter feito os seres pensantes, mesmo sabendo que eles haveriam de pecar e com isso promover toda a sorte de mal é:
1° Havia uma necessidade para a criação dos seres pensantes, necessidade essa que tornava a não criação dos mesmos um mal maior que o fato de que os criando eles haveriam de pecar e com ele trazer o mal, o que fizeram.
2° É possível que a necessidade da criação do homem esteje relacionada com a criação do Reino Material.
3° Penso que a criação do universo material e espiritual também foram necessários de tal maneira que em sua infinita sabedoria, Deus não pode ver a desistência deste projeto como um bem, mesmo sabendo que nele( no projeto) se originária o mal. Penso que em sua infinita sabedoria ele viu a desistência como um mal maior, como um atentado contra a sua divindade. Ora um atentado contra a divindade de Deus é uma impossibilidade, uma vez que não existe quem possa fazê-lo, por isso então entendo que o mal da desistência seria possivelmente um grande mal.
4° A decisão de ter feito os seres pensantes foi uma decisão boa e não má, mesmo que em sua onisciência e presciência Ele soubesse, que os seres pensantes faram e trariam o mal. Pois qualquer outra decisão não seria tão boa e tão acertada quanto esta, e Deus jamais erra.
5° lembrando dos argumentos iniciais desta reflexão sobre o que torna alguém ou algo  realmente bom quando em relação com os seres pensantes, e aplicá-los aqui em relação a Deus.
"Como já foi dito algo realmente bom precisa ser necessário, insubstituível, vital e valioso( não como particular a alguém, mas, a todos os seres pensantes, isso não precisa do reconhecimento mundial, eles mesmos pelas suas propriedades são valiosos, mesmo que os homens achem o contrário), logo em suas escolhas o ser realmente bom precisa escolher, praticar, inspirar e produzir coisas ou algos que tenham todas estas qualidades. "É claro esse caminho não deve ser trilhado movido por egoísmo.
Então as escolhas de alguém realmente bom, e este alguém é Deus, precisam ser como descritos acima. Toda as escolhas de Deus foram e são vitais, necessárias, insubstituíveis e valiosas.
Primeiramente Deus não é apenas vital, pois d'Ele emana toda a vida, mas, Ele inspira toda a vida d'Ele vem a vida em todas as suas formas de expressão. Então não apenas ser a vida, mas, expressa-la sempre foi um querer e uma necessidade d'Ele. Logo as escolhas de Deus são vitais para toda a criação seja ela em toda a esfera material ou espiritual, são vitais no sentido de que são essenciais a vida.
Segundo, todas as suas escolhas são necessários, ele não age por capricho e não brinca de Criador.
Terceiro, suas escolhas são insubstituíveis. Como já afirmei acima, suas escolhas são realmente necessárias, mas, são também insubstituíveis, porque outra escolha não seria essencial a vida, outra escolha não seria em hipótese alguma boa. Insubstituível porque como a própria palavra diz, não poderia ser outra, que outra escolha não pode ser tomada no lugar. Escolha que pela sua ausência ou substituição um prejuízo vem a acontecer.
Quarto, todas as suas escolhas são valiosíssimas. Sim valioso ao extremo. Porque se são vitais, necessárias e insubstituíveis, então não podem ser nada menos que valiosíssimas.
Sendo as escolhas de Deus sempre boas, então sua escolha de fazer os seres pensantes, mesmo sabendo que pecariam, não foi uma escolha má e sim a melhor das escolhas. Uma vez que pela sua onisciência e presciência Ele não viu um bem maior que podesse ser promovido com outra escolha a não ser com está. E que até deixar de fazer qualquer escolha não seria a melhor opção, se não Ele o faria.

Continua...

Bom ou mal. Parte II( não é físico).


3. As pessoas são boas ou más porque são boas
ou más, porque fazem escolhas boas ou más?

A bondade ou a maldade não são qualidades físicas como a cor do cabelo a altura de uma pessoa, mas, são qualidades morais, do caráter de uma pessoa. É fato de que há pessoas amáveis, de natureza carinhosa e bondosa, e é igualmente engano tratá-las como sendo assim boas. A real bondade não é inata em nós, mas, não podemos incorrer no erro oposto, pois a pessoa boa não faz escolhas por impulsos, e sim com julgamento sensato. Pois se vier a fazer escolhas por impulso não poderemos determinar a sua bondade, porque não há uma escolha pelo bem, há apenas o objetivo de satisfazer o seu impulso. Uma pessoa boa sempre procurará fazer escolhas boas e sempre que fizer bem ao próximo, o fará mesmo sem ter motivos para isso, mesmo que seus desejos clamem pelo mal. E uma escolha boa nem sempre aparecera boa, pois ao contrário do mal o bem não se vale de aparências.
Não dizemos que alguém é mal porque fez uma escolha má, mas, porque no seu caminho, na sua vida, na sua trajetória de vida, ele fez e faz escolhas más. O que caracteriza uma escolha má é sua natureza egoístas, potencialmente mortal, destrutiva, desprezível e vaidosa. Mas uma escolha má não torna uma pessoa má, pois pessoas más, como observou Jesus "sabem dar coisas boas aos seus filhos"(Mateus 7:11 ), nem sendo assim elas são boas. Da mesma forma, pessoas boas também ocorrem em infelicidades. Os bons se enganam em suas escolhas, pela limitação humana somos passiveis de atos falhos os quais possivelmente podem resultar em males. Também os maus, são seres sensuais que fazem o que seus sentimentos lhes impele a fazer, suas escolhas são sempre assim sensuais, e sendo assim podem ser levados pelos seus instintos a escolhas que resultem em bem, mesmo que não o queiram e podem querer o bem e escolhe-lo sendo apenas em compromisso com a sensualidade e não com o bem real.
Passarei a considerar em algumas linhas sobre o que procede de nós e distingui-lo do que chega a nós.
A). O que procede de nós são as nossas escolhas, sejam elas apenas em projetos no coração, ou sejam elas já expostas em atos. Sejam pensamentos, concordâncias e decisões, sejam atos ou apenas os seus projetos. Em resumo o que procede de nós sejam escolhas apenas na mente ou atos externos, podem ser bons ou maus e isso depende primeiro da real motivação por traz deles se for egoístas mesmo que resulte em bem, para Deus ainda sim será uma escolha má, lembrem-se que Deus não julga pela aparência, mas, sim pelo coração. Agora o que determina que uma escolha seja boa ou má?
Segundo Deus uma escolha é má, quando ela é egoístas, orgulhosa, não pautada pela equidade.
Agora segundo os homens não há um padrão exato uma vez que os homens sempre fazem julgamentos pelos seus próprios conceitos particulares. Todavia podemos fazer algumas considerações, segundo aquilo que já observamos desde o princípio desta reflexão: As quais um homem bom sempre procura coisas realmente valiosas, insubstituíveis, necessárias e vitais, com uma visão amorosa desprovida de motivações egoístas, ou seja coisas que realmente são boas. Logo você sabe que uma escolha é boa se o egoísmo não a promove ou inspira, que o seu alvo é abençoar o próximo, que quando você a faz procura a por ser valiosa, necessária, vital e insubstituível. Isso você tem a capacidade de saber sobre a sua escolha ao se examinar, pois é algo que provem de ti. Agora com respeito a escolha de outra pessoa precisamos observar os seus frutos, e o teor de suas escolhas, e muito fácil de nos enganarmos, principalmente se o fizermos na carne e não na orientação do Espírito Santo.
B). O que vem até nós. O mal e o bem são visto por três ângulos:
1°. E o mal  ou o bem em nós. Toda a influência seja interna( a carne instigada por setas de espíritos impuros seja nos pensamentos ou nela mesma como inclinação para o mal, a razão e a consciência humana iluminadas  e inspiriradas pelo Espírito Santo como inclinação para o bem) ou externa (o Espírito Santo é uma influência tanto interna porque Ele fala na alma humana, como externa pois ele usa também vários meios externos para atingir o coração, da mesma forma os espíritos malignos apelam internamente por meio de setas em pensamentos para estimular a carne ao mal, também por influência externa temos as filosofias e ideologias humanas as quais podem influenciar tanto para o bem como para o mal, duma forma geral o mundo ou as pessoas são uma influencia externa) .
2°. O mal ou o bem que procede de nós. Isto é o mal ou o bem que provem de nossas escolhas e atos externos.
3°. O mal ou o bem que vem até nós. Este mal pode ser um mal que retorna como consequência natural de um pecado, Da mesma forma o bem vem como uma boa colheita de um bem que fizemos, como ilustra bem o Salmo 126.6, " Aquele que leva a preciosa semente andando e chorando, voltara sem dúvida com alegria trazendo consigo os seus molhos".
Mas, podemos  sermos alcançados pelo bem como uma dadiva da misericórdia de Deus. Isso não é mérito, nem recebemos por nossa bondade, mas, é apenas a graça de Deus. Com a sua sabedoria insondável ( porque não se pode saber os seus eternos propósitos, mas, sabemos que são eternamente bons), ele faz com que o seu sol nasça sobre justos e injustos (Mateus 5.45-48).
O mal também vem para todos, mas, há as seguintes perspectivas para quando o mal a vida de um justo.
I. Deus permite que ele o sofra por completo até os limites de suas forças e quando já se encontra esgotado, ele o livra. Quando assim o faz, Deus tem algo a lhe ensinar, ou tem uma benção para lhe dar, mas, antes precisa lhe conceder toda a estrutura necessária que somente a tribulação lhe poderá fornecer, ou no momento este justo está desviado para um caminho de injustiça e Deus esta pelo seu grande amor permitindo este mal como forma de despertá-lo de seu sono de iniquidade e trazê lo de volta ao caminho da justiça.
II. Deus permite que o justo sofra o mal, mas, converte o mesmo em bem. ( maldição em benção). Na sua onisciência Deus conhece as lutas e os disafios que estão por vir como ondas sobre a vida do seu justo, já de ante mão Ele sabe e não permitira algo para destruir a vida de seu justo, assim sendo ele conhece também todas as oportunidades com as quais pode fazer o seu nome ser glorificado na vida do justo, e sendo assim ele pode permitir uma furiosa onda de mal com grande poder de destruição sobre a sorte de um justo, só para surpreender a todos convertendo-a em bem. Como exemplo disso temos a própria vida de Paulo que de grande perseguidor passou a grande pregador do evangelho, e na vida Paulo vemos os exemplos de quantas vezes Deus transformou situações de morte em oportunidade para a propagação do evangelho.
III. Um justo pode enchergar o bem não aparente, onde o injusto só vê o mal. A visão do justo é apurada para ver as razões dos males e com isso saber quando um pequeno mal é na verdade um grande bem. É claro que essa observação se da muita das vezes do lado de fora, pois uma pessoa que está em sofrimento não consegue discernir a sua luta, ele pode até fazer está observação depois que seu sofrimento passar.
IV. Não existe um mal sem razão, mas, sobre a vida do justo o mal só é permitido para a promoção do bem. Mesmo assim Deus jamais inflinge este mal, apenas o permite, e o justo se torna um instrumento de sua boa vontade, na propagação do evangelho o bem maior. E ele se torna este instrumento da promoção do bem, estando ele mesmo na adversidade. Deus não manda nenhum mal, apenas permite o mal que já virá. E comp não vem mal sem uma razão, sem um motivo; este mal tem o seu motivo que é a glorificação do nome de Jesus, a propagação do evangelho do Reino de Deus, a salvação de alma, muita das vezes até a do próprio justo, pois, se há caminhos que aparentam bem quando na verdade são caminhos de morte, da mesma sorte o caminho de Deus nem sempre é agradável, mas, o seu fim é a vida eterna em Cristo Jesus o nosso Senhor e Salvador.

Continua...

Bom ou mal. Parte I( Uma questão moral).

As questão bom ou mal é uma questão mais
moral do que física. O que faz algo ou alguém ser bom ou ruim ? Porque algo e ou alguém é bom ou ruim? As pessoas são boas ou más porque são boas ou más, porque fazem coisas e ou escolhas boas ou ruins? Existe algo bom ou mal em si mesmo, isto é subjetivo, ou somos nós que lhes atribuímos estas qualidade? Pode algo ruim ser bom? Pode algo ruim tornar-se bom? Porque Deus é bom? Porque o homem é mal? Pode Deus ser mal? Pode o homem ser bom? Existe mesmo alguma bondade na humanidade? Qual a visão de Jesus sobre ser bom ou mal? E o mal físico existe realmente um mal que não seja moral?

1. O que faz(torna) algo e ou alguém ser ruim ou bom?

A). O mal ou o bem sempre parte tendo o ser pensante como referência, pois na verdade bem ou mal são qualidades humanas conferidas a coisas ou a algo, que em si e por si não são boas ou más, mas, em relação com o homem podem ser boas ou más.
Porque os valores das coisas somos nós que conferimos e ou percebemos quando as mesmas entram em relação conosco.
Quando você diz que algo é gostoso, me diga sinceramente, você não esta dizendo que é bom? Você pode responder racionalmente que "nem tudo o que é gostoso, que é aprazível é bom", e eu concordo. Mas quando expressamos que algo é gostoso, não estamos dizendo que isso seja bom? Porque na verdade neste momento quando dizemos ou achamos que algo seja gostoso, não estamos a discernir entre os benefícios e os malefícios que aquilo faz conosco, não estamos fazendo uma distinção, estamos apenas sentindo e neste julgamento que fazemos conduzidos pelos sentimentos ao dizermos que algo seja gostoso, estamos implicitamente, ou mesmo que indiretamente afirmando que aquilo seja bom.
Isso porque a noção do que seja bom ou ruim parte de nós, de nossos sentimentos, de nossas percepções, mesmo que equivocados. Então olhando por este angulo, somos nós que os tornamos bons ou ruins; uma vez que valorizamos ou desprezamos algo.
B). Agora o que torna, o que leva algo a ser realmente bom e ou ruim.
O que torna algo realmente bom é em primeiro lugar ser valioso. Como já disse algo pode se tornar, vir a ser valioso para você de uma forma relativa, pessoal, ter uma relação com seus valores pessoais, com seus sentimentos, mas, algo realmente bom não precisa desta relação, seu valor não é meramente relativo a uma pessoa. Seu valor é de percepção universal, mesmo, que não tenha a apreciação de um povo, de um grupo de pessoas, mesmo que em algum tempo ele seja desprezado.
O que o torna bom vem de uma qualidade em si, que o torna necessário, o que é bom sempre é necessário, mesmo, que você não o considere necessário. A relação do que é realmente bom com a humanidade não é uma relação de sentimento, do que nós sentimos em relação a ele, mas, é uma  relação de necessidade.
Esta qualidade( que pode ser várias, depende da relação do algo com os seres pensantes) precisa ser vital, mesmo que seus sentimentos em relação a ele desconsidere isso.
Este algo precisa ser insubstituível. Algo que outro algo não possa tomar o lugar. Algo que pela sua ausência um prejuízo vem a acontecer.
Só então este algo será valioso; porque só ele poderá produzir o bem.
Então o que torna algo realmente bom, é ele ser, necessário, vital, insubstituível e valioso.
Logo o que torna algo realmente ruim ou mal, é ele não ser necessário ou seja ser dispensável, ser o oposto de vital, ser mortal( causar prejuízos ser destrutivo, e desprezível). Não é nem ser apenas o oposto de insubstituível, é ser também fútil e excessivo. Seu valor está condicionado a uma relação egoísta com o homem.
C). A segunda parte da pergunta é, " o que torna alguém bom ou mal"? Isso depende das escolhas de vida de uma pessoa. Como já foi dito algo realmente bom precisa ser necessário, insubstituível, vital e valioso( não como particular a alguém, mas, a todos os seres pensantes, isso não precisa do reconhecimento mundial, eles mesmos pelas suas propriedades são valiosos, mesmo que os homens achem o contrário), logo em suas escolhas o ser realmente bom precisa escolher, praticar, inspirar e produzir coisas ou algos que tenham todas estas qualidades. Não necessariamente sua vida deve ficar restrita a isto, mas, para que ele ( segundo Deus, não segundo a visão humana) seja realmente alguém bom ele precisa abandonar todo o egoísmo em suas escolhas da vida, vale ressaltar que há escolhas que são realmente egoísmo outras são legitimas, como por exemplo o desejo de um pai ou uma mãe no bem de sua família. Pois mesmo que faça escolhas excelentes de coisas que são valiosas, necessárias, vitais e insubstituíveis se suas motivações forem egoístas, para os homens podes até chegares a ser um grande filantropo, mas, para  Deus ainda seras  miserável pecador. A real diferença entre um homem realmente bom e um homem mal( mesmo pareça ser bom) é que o bom não tem motivações egoístas e o mal tem.

2. Porque algo e ou alguém é bom ou ruim?

Ou qual a causa da maldade ou bondade em uma pessoa e ou alguém.
A) Olha o que torna uma pessoa má ou boa são suas escolhas de vida e a motivação por traz das mesmas. Motivações estas que se definem em egoístas e não egoístas. Agora o porque de as pessoas serem más ou boas são suas influências, ou seja, esta em quem e ou o que ele permita que lhe influencie em suas escolhas de vida( ou aquelas grandes escolhas que lhe influenciaram na definição de seu próprio caráter).
Pelos " o que " te influenciaram nas grandes e nas pequenas escolhas da vida, entende-se por tudo aquilo que não seja seres pensantes, mas, que ou se oriundam deles( filosofias, ideologias, religião ...), estejam neles( desejos, imaginações, medos, ambições, pensamentos e sentimentos no geral), ou seja externo como as circunstâncias e o ambiente e sistema atual. Mas nenhum " o que " torna uma pessoa má e sim a partir da hora que ela se deixe ou permita a influência dominar o seu coração.
Por "quem" se refere a outros seres pensantes seja homens( amigos, mentores, familiares, etc...), Deus ou os demônios. Da mesma forma a escolha é sempre sua de se deixar ou não persuadir por estes seres.
B). Porque algo é mal ou bom? Como já falei a bondade ou a maldade de algo não está nele em si, mas, esta na sua relação com os seres pensantes. Então a causa de algo ser bom ou mal não esta nele pois ele não é um ser pensante, ele não faz escolhas. Logo são os seres pensantes o porque ou a causa de algo ser mal ou bom. Há duas razões para isso.
1°. Há uma razão espiritual. Paulo diz que toda a criação ficou sujeita a vaidade por aquele( isso se referindo a humanidade) que a sujeitou( Romanos 8.19-23). Em Genesis 1.17 a19, diz que graças ao pecado de Adão a terra passou a produzir espinhos e o homem passou a ter que laborear de forma árdua para conseguir tirar da terra o seu beneficio. Logo o homem colocou todo o universo material a ele confiado por Deus debaixo da corrupção e do caus e isso e por isso o homem relegou-os ao mal.
2°. Seguindo nosso raciocínio anterior algo é bom ou mal dependendo de sua relação com os seres pensantes ou com os seres não pensantes estando esta avaliação sobre o olhar dos seres pensantes. Como assim? Quando falo, " estando esta avaliação sobre o olhar", quero dizer em referência a animais ou plantas quando são prejudicados, como os tais não raciocinam nem tem algum discernimento sobre aquilo que lhes acontece não podem julgar ou saber se o que lhes acontece é bom ou mal. Logo quem avalia o dano ou o beneficio e julga decretando-o como bom ou mal são os homens os seres pensantes.
Como algo não é bom ou mal em si, então mudando a sua relação com os seres pensantes, mudara a sua classificação. E isso poderá mudar de bom para mal, mas, muda na sua relação, não na sua natureza. Por exemplo; o veneno da cobra é bom ou mal? Ele é mal,  porque leva alguém que for picado pelo mesmo a morte. Mas o mesmo veneno quando usado na fabricação de remédios pode se tornar bom, pois sera usada para salvar vidas, pois o soro antiofídico usado no tratamento de quem recebeu uma picada de cobra pode ser usado e feito do mesmo veneno que esta matando a vítima. Sendo assim mudou-se a relação de veneno mortal passou a remédio vital. Mas continuou a ser veneno e seu uso natural para a morte, contudo, mudou-se apenas a sua relação com o ser pensante.
Porque algo é mal? Porque na sua relação com o ser pensante ele o prejudica.  Mas a causa de algo ser mal esta na sua relação com o ser humano, ou seja esta não é uma explicação assim; " é porque é ", nem é uma explicação que se dê de forma satisfatória sem levar em conta a realidade de que foi ao homem pecar ele introduziu no mundo todo o mal que há. Logo as catástrofes, os homicídios, e toda a sorte de pestes e males que assolam o mundo é sim de forma direta e indireta causada pelo homem.


  1. Continua...

Leia mais...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...