Um amor diferente 1ª Parte


Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros, como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros ameis.Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros. João 13.34,35

Aqui está o elemento que falta nos milhões de títulos já conhecidos por ai como evangélicos, protestantes, pentecostais, históricos, etc...(não generalizo, conheço que há pessoas, e igreja que vivem, este amor, mas, falo da grande maioria). "como eu vos amei", disse Jesus, o seu amor é diferente do amor que está dentro de nossas igrejas, aqui diz de um que é excelente, do amor de Deus, devemos amar com um amor tal qual o de Deus. "Se voz amardes uns aos outros", identidade de discípulos de Jesus está condicionada, a este amor que como eu já disse, não é o que muitos tem praticado, mas, sim que é o amor com o qual Cristo tem nos amado . Como pode o amor que nós amamos ser o exigido por Deus? O mundo não ama de igual modo aos que lhe são simpáticos? Mas, Jesus curou ate aquele que lhe foi prender, restituindo-lhe a orelha(Lucas 22.50,51).
O amor que Deus nos exige é o amor caridade, benevolência, boa vontade."Ele consiste em escolher o próximo bem de Deus e da humanidade", pelo próprio valor intriseco, num espírito(mentalidade, mente) de inteira consagração a isso como um fim ultimo da existência ou meta suprema a ser alcançada.O compromisso de promover o bem dos outros por causa própria; benevolência desinteressada, nisto segundo Finney( teólogo e avivalista do séc XIX nos EUA), é o significado da palavra" amor", não o que comumente conhecemos nomundo, mas, o que Deus exige de nós, o amor que Deus exige de nós.
Caridade significa:O amor que move a vontade a busca efetiva do bem de outrem. Isso é a simples definição da palavra caridade, mas, essa ai expressa pode ser interesseira, a caridade bíblica não é, pois não busca satisfazer um afeto que você tenha pelas pessoas(afeto, afeição,amizade, amor. Afeição sentimento de apego por alguém ou algo). Mas, faz ou busca o bem ou promove o bem ao próximo por que é certo, por que a sua razão diz que é certo, por que tem consciência de que é certo, por principio e não por sentimento(embora não abole-se este).
Este amor tem uma diferença, da afeição natural, ou seja do amor carnal,e no entanto é muito confundido com ele na sua interpretação. Dessas muitas diferenças existentes me porei a expor apenas três, que são basicamente necessárias, que é a diferença que esse amor pode proporcionar aos cristãos, pois sem esse amor não há verdadeiro amor há verdadeiro cristianismo e os que se auto denominam discípulos de Jesus sem ele são apenas mais um grupo de homens como muitos e não discípulos de Jesus.Estas diferenças são, que o amor que Deus nos exige, não é um sentimento embora na sua prática venhamos a adquirir o amor que é sentimento, não interesseiro ou seja egoísta nem tão pouco faz seleções.

I.O amor que Deus nos exige não é um sentimento, pois que Deus diz "amaras", isso significando que eu posso optar por ele, quando eu quiser. Os sentimentos eu posso sentir também quando eu quiser, mas,quando não quero também o sinto, e isso é parcialmente voluntário não totalmente. No amor bíblico, ou o que Jesus exige, eu sou voluntário na prática desse amor, não amo para satisfazer o desejo que há em mim; mas, me comprometo, me propósito em amar.
Este é caridade é fazer o bem sem olhar a quem. O que é sentimento não pode ser feito para com alguém que é injusto, desprezível, este por seu lado toma o inimigo caído pela mão e o levanta. Paulo nos exorta não a vencermos as pessoas, mas, ao mal que há nelas(Rm 12.21).
Porém quando me propósito em amar com o amor que Deus me exige, eu passo também a sentir amor pelo meu próximo. Não é a minha vontade que é dominada pelo sentimento de afeição natural, mas, é a minha vontade que proposita em ser caridosa, sem nenhum interesse pessoal, que produz em mim por essa determinação uma afeição; haverá a ocasião em que não conseguirei produzir este sentimento, mas, o meu propósito será o mesmo o de amar, pois que não ando segunda a carne, mas, segundo o Espírito de caridade, do amor de Deus que há em mim.Sei que isso parece uma ideia utópica, mas, se a carne não está no controle, o Espírito Santo,está e por isso falo isto com segurança, de que não é impossível.

II. Não é interesseiro ou seja egoísta. o egoísmo consiste na satisfação pessoal, como esse amor não é na sua excência um sentimento, na sua prática não há egoísmo, pois não busca se satisfazer.

continua...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudos em PDF

Não vos conheço...

Muletas da fé