TRADUTOR

domingo, 26 de maio de 2019

Série Creio 17: Igreja

8. Na Igreja, que é o corpo de Cristo, coluna e firmeza da verdade, una, santa e universal assembleia dos fiéis remidos de todas as eras e todos os lugares, chamados do mundo pelo Espírito Santo para seguir a Cristo e adorar a Deus (1 Co 12.27; Jo 4.23; 1 Tm 3.15; Hb 12.23; Ap 22.17);

Não, não vou falar do significado grego de igreja, mas, da importância da igreja, não só como o corpo místico de Cristo, mas, também como religião organizada ou seja o cristianismo. Jesus mesmo disse edificarei a minha igreja, ou seja, se Ele precisava edificar a sua igreja é porque outras igrejas já se tinham edificado. Mas, não sobre o fundamento de "Jesus o Filho do Deus Altíssimo."
Este último tópico a ser observado do crédulo das Assembleias de Deus, toca em um princípio fundamental para os dias atuais. A igreja existe como um produto das Escrituras, como o resultado da pregação do evangelho numa comunidade local, por os remidos se reunirem em o nome do Senhor Jesus, em torno das Escrituras que por meio da mesma vem o conhecimento e a fé em Jesus Cristo.
A igreja é a comunidade de fé dos santos, muitos hoje procuram atacar o cristianismo, e um dos pontos do cristianismo é a igreja, como comunidade local e organizacional, penso que é uma forma de desestruturar a igreja, pois um cristianismo sem igrejas organizadas não procegue, não cresce não se propaga, não se organiza para lutar contra as heresias que surgem nos arraiais. Pelo contrário crentes" idependentes"( que não pertence a uma igreja organizada, ou denominação, ou congregação ou igreja local), estão mais fadados a se tornarem sincreticos, exotéricos, místicos e não cristãos de verdade. É claro que tem movimentos, que se auto-intitulam de igrejas, mas, que seus líderes não tem compromisso com suas ovelhas, apenas querem seus dinheiros as deixando sem provimento, sem pasto. E já há outros movimentos assim, que são redutos de lobos e de heresias, com um falso título de igreja, quando na verdade é uma armadilha camuflada, para enganar bobos.
A ideia de igreja na bíblia não é um ajuntamento de pessoas, que se reúnem de forma descompromissada, que não conhecem o próximo ou os demais que se reúnem, não é um salão onde as pessoas vão e se assentam ouve algo e vão embora. Mas, na igreja você estabelece laços com o próximo, você cria empatia com os irmãos, você participa do momento do culto não como um espectador, mas, como um adorador. Você está integrado a comunidade cristã, exatamente como um membro, e sente falta quando alguém some, e se ofende quando alguém é ofendido. O Espírito Santo está ali, integrando e ajustando os membros da melhor maneira para a Glória de Deus.
Nestes dias de obscuridade, de confusão, de ideologias opressivas e malignas, somos o farol ao longe. Ou o luzeiro na montanha para que os buscam civilização em meio a selva possam avistar a noite e seguir como referência.
A coluna e firmeza da verdade. Aqueles que mesmo após um acalorada e sangrenta batalha, onde visivelmente muitas perdas são percebidas, mesmo assim continuam a empunhar a sua espada e a erguer o seu pendão.
" Com valor, sem temor, por Cristo prontos a sofrer.
Bem alto erguei o seu pendão, firme sempre até morrer"
Se tem uma coisa a qual devemos ser teimosos". É em defendermos o evangelho do Reino de Deus, de nosso Senhor Jesus Cristo.
Não existe igreja de um homem, e assim como existe a universal Assembleia dos santos, que é a igreja universal de Cristo, igualmente existe as igrejas locais, a realidade da união e da comunhão, da unidade cristã, se estabelece no contexto da igreja local mais, do no contexto universal. E a realidade da igreja como um corpo em Cristo é bem mais visível no contexto local do que no universal. E você só é igreja enquanto está ligada no corpo.

sexta-feira, 10 de maio de 2019

Série Creio 16: Espírito Santo

4. No Espírito Santo, a terceira pessoa da Santíssima Trindade, consubstancial com o Pai e o Filho,  e Vivificador; que convence o mundo do pecado, da justiça e do juízo; que regenera o pecador;  falou por meio dos profetas e continua guiando o seu povo (2 Co 13.13; 2 Co 3.6,17; Rm 8.2; Jo 16.11; Tt 3.5; 2 Pe 1.21 e Jo 16.13);
Este parece-me o membro, mais humilde e o mais estimado da Santíssima Trindade. Como humilde vemos, que ele não se promove, não se chama pelo seu nome, promove a glória de outro, pouco se falou sobre a sua existência, até que o Filho em sua estadia aqui, fez a sua apresentação, e como o apresentou vemos nisso a sua estima entre os seus, digo, entre o Pai e Jesus. 
*Ele é o mais humilde.
É inequívoca está afirmação, não é humilde em sua natureza, Ele é Deus, sua natureza é Santa e escelsa. Mas, é humilde em seu caráter, como listei acima. 
"Ele não se promove"
 Não há nenhuma menção na Bíblia em que Ele chegue para alguém e diga: " Eu sou o Espírito Santo." Mas, como estimado vemos o Jesus falar n' Ele, e anunciar sua descida, vemos a Bíblia referenciar-se a Ele em Gênesis e nos profetas.
"Não se chama pelo seu nome". 
Porque seu objetivo é promover não a si mesmo, mas, o nome bendito de Jesus. É assim que Ele é, o Espírito enaltece o nome de Jesus, por isso parece-me estranho um espírito que promova o nome de Maria, ou que desperte os fiéis católicos que o recebem a uma devoção apaixonada e profunda pela Santa, e não pelo Senhor Jesus Cristo. Porque o Espírito Santo embora não promova o seu nome, ele promove o nome de Jesus apenas. Ele é o Espírito Santo de Deus, Ele é o Espírito de Cristo, Espírito de Vida, Espírito da Verdade, ou seja sua denominação sempre vem ou esaltando a Deus, ou revelando a sua natureza e missão.
".. a terceira pessoa da Santíssima Trindade, consubstancial com o Pai e o Filho, e Vivificador;"
Ele é a terceira pessoa da Trindade, não sei se por ordem, ou por revelação. Ao analisarmos os textos Bíblicos, vemos que Ele é manifestado nos escritos desde Gênesis, no entanto não existe um ensinamento no Antigo Testamento, que fale de forma clara ser Ele uma pessoa distinta do Pai, para quem ler com as lentes do cristianismo, verá claramente que os testos mostram uma pessoa distinta e a parte. Por exemplo, quando vemos o Espírito do Senhor, ou passagens que diz que Deus iria retirar o seu Espírito que Ele não ficaria mais contedendo com o homem por ser ele carne(Gênesis 6.3 ), logo concluímos se tratar de uma pessoa a parte. Mas, para um judeu, ele leria isto e apenas enchergaria ali, a onipresença e onipotência de Deus. Mas, quando fomos ensinados por Jesus, tudo ficou claro que não era apenas uma extensão de Deus em sua onipotência, mas, também é uma pessoa. Logo por uma revelação clara, o Espírito Santo vem revelado em terceiro. Mas, por revelação Bíblica Ele já é descrito em Gênesis um, ou seja ele é a primeira pessoa descrita de forma separada das demais, não só em Gênesis, mas, em toda a Escritura. No entanto fica está revelação obscura até ser clareada à luz do Novo Testamento.
Consubstancial, ou seja, de mesma substância, embora seja uma pessoa distinta, mas, em nada perde ou se inferiora aos demais em sua divindade é o mesmo. Vivificador, pois é Ele aquele que promove e da vida.
Em sua ação de advogado, ele também está a nos convencer por meio da verdade num sentido pratico, e na verdade que é a palavra de Deus, ao pecador da justiça de Deus, do juízo dele sobre os homens ímpios e de suas responsabilidades sobre seus pecados cometidos diante de Deus. Esta ação poderosa vem chamando os homens ao arrependimento e a um concerto com Deus.
* Jesus disse, as palavras que vos tenho falado são espírito e vida, a carne para nada aproveita o espírito é que vivifica ( João 6.23 ).
Igualmente o Espírito Santo é a vida no corpo de Jesus, na igreja. Se Ele não tem liberdade de atuar numa igreja local, logo este corpo local está morto.Tudo o que o homem intente em fazer, de projetos, de movimentos, de reformas e doutrinas são inúteis sem nenhum resultado, a não ser para operar mais morte, promover mais a degradação do corpo, porque como diz o Mestre, a carne para nada aproveita. É o Espírito Santo quem promove a vida o sentido, que faz a coisa dar certo na igreja, pois para início de conversa Satanás nosso inimigo fará tudo para que nada dê certo, mas, será que um cadáver vê a diferença?
"... que convence o mundo do pecado, da justiça e do juízo; que regenera o pecador;  falou por meio dos profetas e continua guiando o seu povo."
Neste ponto o crédulo mostra mais três obras do Espírito Santo; a convicção de pecado, a regeneração, e a orientação do povo de Deus. Toda esta obra Ele executa por intermédio da verdade, a qual é seu instrumento de atuação.  A verdade existe de duas formas, como ideia e como vida. O Espírito usa ambas, como ideia Ele trabalha com a verdade na mente das pessoas iluminando, revelando a verdade aos corações obscurecidos pelo pecado. Como vida Ele trabalha na realidade das pessoas, mostrando o seu poder transformador, regenerando, santificando, e usando vidas para tocar e mudar outras vidas. A verdade nas mãos do Espírito Santo não é apenas uma idéia vaga, ela é uma poderosa e transformadora arma. Nas mãos humanas a verdade está sempre obscurecida, e por mais que os homens reconheçam seu potencial eles se esquivam dele e se esmurecem não, querem ir para a luz por que suas obras são más( João 3. 19 a 21 ).

segunda-feira, 29 de abril de 2019

Ponto a considerar 22: "Guarda o que tens..."

Eu fico triste as vezes quando me deparo com situações onde me é apresentado pessoas a quem foram tomadas a coroa da vida, a quem foram roubados aquilo que tinham. Quando vejo uma seita subjugando crentes muitos as vezes até letrados teólogos( mas que lhes faltaram o discernimento), que se curvam a outra fé negando a fé Bíblica. Muito recentemente assisti um filme (o qual achei que era cristão) pelo YouTube, de origem chinesa, dublado em português, onde um grupo de igrejas domésticas haviam sido atacadas, e diante  da opressão aqueles irmãos começaram a questionar a promessa da vinda de Jesus, e então logo foram buscar um esclarecimento melhor. Neste espaço de tempo, um membro propondo que ouvissem e havaliassem as pregações de uma seita que dizia que Jesus estava aqui em carne, uma seita de nome "Igreja do Deus Todo-poderoso". Assisti as longas duas horas do vídeo o qual descobri ser um material de proselitismo, neste a igreja se reuniu e ouviu passivamente os argumentos, os poucos que se manifestavam contra, tinha argumentos fracos e eles começaram dizendo que Jesus viria em segredo e viria em carne como em sua primeira vinda, e que assim como os líderes da lei, os pastores e presbíteros também fariam. Depois em seu segundo encontro com a igreja procuram com êxito aos olhos daqueles crentes destruir a autoridade da Bíblia como a inerrante Palavra de Deus( usaram o argumento de que na Bíblia também há palavras de homens e de demônios). Em seu terceiro encontro destruíram aos olhos daqueles crentes leigos a autoridade eclesiástica de seus líderes.
Em outro tempo, encontrei outra aucateia que buscava abocanhar os fiéis dizendo que o nome de Jesus, é um falso nome de outro deus, tentaram traduzir Jesus, como'' cabeça de porco, ou cabeça de cavalo". Diziam e ainda dizem que não se deve traduzir, nem transliterar o nome de Jesus. Deixei neste blog, minha defesa do nome de Jesus, no texto de título," Os três testemunhos do nome de Jesus". Quando ainda era, jovem vi um caso de um irmão professor de escola bíblica dominical, que se converteu as "Testemunhas de Jeová",  neste mesmo tempo um colega que era filho de crente se batizou no catolicismo romano. Hoje pensando neste assaltos posso compreender, o sentimento embora equivocado, de muitos pastores e irmãos assembleianos, com respeito aos esclarecimentos da teologia no seio da Assembleia de Deus. Eles embora equivocados, tem um sentimento justo, de repulsa e tristeza quando vêem teólogos dizendo que eles haviam pregado errado, e interpretado errado a palavra de Deus, sentem que a igreja tem se desviado da verdade. E embora estejam equivocados quanto ao em que sentido elas tem se desviado( pois atribuem a questões de usos e costumes, com base em versículos isolados), no entanto estão certos quanto a temer o desvio e declínio de muitos na igreja. O sentimento como já disse é justo, e tenho este mesmo sentimento em relação a qualquer irmão ou irmã que eu veja, sendo arrastado por estás aucateias. O que estiver em minha mão, eu farei com a graça e a direção de Deus, para afugentar estes lobos das ovelhas que me cercam, mas, e àquelas que estão longe, e àquelas cujos pastores apenas se apascentam a si mesmo, e os lobos vem e as arrebata?
Dois textos bíblicos me vem a mente um em Apocalipse 3: 11. O qual diz:
"Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa."
E o outro em 2 Tessalonicenses 2: 1e 2. Que diz assim:
" ORA, irmãos, rogamo-vos, pela vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, e pela nossa reunião com ele, que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o dia de Cristo estivesse já perto."
O primeiro diz sobre reter o que temos, para não termos a nossa coroa tomada de nós. O segundo fala sobre não sermos tão fáceis de mudarmos de entendimento, principalmente nesta era tão nebulosa de mentiras as quais o "enganador das nações" vem disciminando, e são muitas. Se ele não consegue tirar você de Cristo ou da igreja, logo então ele procura corromper você para que estando lá você ou estando no mundo não faça a diferença pois já estarás perdido. O texto diz que guarda o que tens, é necessário mantermos vivas as palavras de Jesus em nossos corações e não nos movermos delas em hipótese alguma. Mesmo que pareça às vezes estarmos equivocados, mesmo que pareça que somos nós os errados, pois o inimigo vai chegar lá. Ele vai chegar ao ponto de colocar a verdade como mentira, mas, não se iluda nem se esmoreça, a verdade ela é como o ouro puro, quanto mais testada, mais resplandecente ela é.  A verdade não se contradiz, ela não se anula quando em choque com outra, pelo contrário ela se evidencia. E quando em choque com a mentira ela não se abala. Mas diferente dela, aqueles que a detém estes se abalam, por isso não é necessário apenas o conhecimento raso da verdade, mas, sim a convicção da verdade.
Estar convicto  é como uma garrafa de vinho lacrada, ela pode ser lançada num rio de imundície e mesmo assim seu conteúdo estará intocável, incontaninavel, ainda próprio para o consumo. Como este lacre, assim funciona a convicção para aqueles que detém a verdade. Eles são como a garrafa, a verdade como o conteúdo, e a convicção como o lacre.
Aqueles que defendem a mentira não dependem de convicção, apenas de outras mentiras para tampar os buracos deixados pelas outras, é um ciclo interminável.
Mas, e quando usam a verdade com intenções mentirosas? De certo as trevas são muitas neste mundo de forma que as vezes elas chegam a no empurrar de tão densas que são. Mas, lembrei-me agora de um Salmo que diz(Salmo 36. 9) " Na tua Luz veremos a luz". De certo o salmista entendia este dilema, quando a mentira se veste como verdade, tem aparência de verdade, cheiro de verdade, é para muitos uma verdade, neste momento só conseguimos enxergar a sua verdade diante do brilho irresistívelmente forte da iluminação do Espírito de Deus. Somente ao resplendor da verdade de Deus podemos discernir qual é a verdade.
Certamente não posso crer que um cristão eleito morra num engano mortal, afinal ele é um eleito. Mas são muitos os lobos que se tem infiltrado em nossos rebanhos e eles não tem perdoado a ninguém. Cabe aos líderes que são santos e sinceros repreender aos tais com aquela mesma autoridade que Paulo repreendeu a Elimas, o qual atrapalhava ao procônsul a crer na verdade do evangelho.
Atos dos Apóstolos 13: 6 a 12.
"E, havendo atravessado a ilha até Pafos, acharam um certo judeu mágico, falso profeta, chamado Barjesus, o qual estava com o procônsul Sérgio Paulo, homem prudente. Este, chamando a si Barnabé e Saulo, procurava muito ouvir a palavra de Deus. Mas resistia-lhes Elimas, o encantador (porque assim se interpreta o seu nome), procurando apartar da fé o procônsul. Todavia Saulo, que também se chama Paulo, cheio do Espírito Santo, e fixando os olhos nele, disse:
Ó filho do diabo, cheio de todo o engano e de toda a malícia, inimigo de toda a justiça, não cessarás de perturbar os retos caminhos do Senhor? Eis aí, pois, agora contra ti a mão do Senhor, e ficarás cego, sem ver o sol por algum tempo.
 E no mesmo instante a escuridão e as trevas caíram sobre ele e, andando à roda, buscava a quem o guiasse pela mão. Então o procônsul, vendo o que havia acontecido, creu, maravilhado da doutrina do Senhor."
A partir deste tópico gostaria de expor, minha defesa da fé cristã ortodoxa contra os argumentos que pude presenciar deles contra a ortodoxia cristã.

*1°. Ataque.

" Disseram que Jesus, se reencarnou e que está entre nós".
De certo está é a crença deles, e se baseiam em textos bem isolados da Bíblia (porque na verdade não se preocupam com a coerência bíblica, pois não a tem como a palavra de Deus).
O texto usado por eles no filme foi; "Apocalipse 1: 7. Eis que ele vem com as nuvens, e todo olho o verá, até mesmo aqueles que o traspassaram; e todos os povos da terra se lamentarão por causa dele. Assim será! Amém."
Então eles disseram; como pode ser isso? Se aqueles que haviam traspassado Jesus já, havia morrido? Eles então afirmaram que isso aconteceria porque Jesus veio outra vez, e as pessoas o mataram novamente, o traspassaram novamente.
Ora quem lê deve entender a luz do contexto sagrado de Apocalipse, são palavras do próprio João, o qual fala profeticamente, e em concordância com as profecias de outro profeta do antigo testamento, o qual diz:
"Zacarias 12: 10. Mas sobre a casa de Davi, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspassaram; e prantearão sobre ele, como quem pranteia pelo filho unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito. 11. Naquele dia será grande o pranto em Jerusalém, como o pranto de Hadade-Rimom no vale de Megido. 12. E a terra pranteará, cada família à parte: a família da casa de Davi à parte, e suas mulheres à parte; e a família da casa de Natã à parte, e suas mulheres à parte;"
Note que o texto de Zacarias, bem como o texto de João, são coerentes ou seja, não se anulam. Este texto trata da nação de Israel, e não das pessoas da época de Jesus. E fala sobre a sua vinda em Glória, na qual todo o olho o verá.
Outro argumento dos tais é que, "a Bíblia diz que Jesus virá em secreto", se baseiam com as passagens que Jesus refere a sua vinda com a de um ladrão a qual ninguém sabe, nem o dia e nem a hora. Todavia o texto não diz a forma como ele virá, pelo contrário em outra passagem, em que Jesus fala sobre " a trombeta", ele fala que nós é que iremos ao encontro dele, pois, aonde estiver o corpo aí se ajuntaram as águias. Se refere ao arrebatamento como algo assim tão inédito, sem que as pessoas saibam. Ou seja, será a vinda d'Ele para nos buscar. Mas por eles o texto do ladrão é usado para exemplificar que Jesus virá em corpo frágil para denovo ser transpassado pelos homens.
Quem lê entenda o contexto:
"Mateus 24: 36. Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai. 37. E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. 38. Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, 39. E não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem. 40. Então, estando dois no campo, será levado um, e deixado o outro; 41. Estando duas moendo no moinho, será levada uma, e deixada outra. 42. Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor. 43. Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa. 44. Por isso, estai vós preparados também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis."
O contexto fala de ser levado, corroborando a idéia de arrendamento. Conforme o texto da trombeta veja o texto:

"Mateus 24: 29. Jesus disse:
— Depois daqueles dias de sofrimento, o sol ficará escuro, e a lua não brilhará mais. As estrelas cairão do céu, e os poderes do espaço serão abalados. 30. Então o sinal do Filho do Homem aparecerá no céu. Todos os povos da terra chorarão e verão o Filho do Homem descendo nas nuvens, com poder e grande glória. 31. A grande trombeta tocará, e ele mandará os seus anjos para os quatro cantos da terra. E os anjos reunirão os escolhidos de Deus de um lado do mundo até o outro."
Como pre-tribulacionista e dispensacionalista, entendo a idéia bíblica de que Jesus antes de vir em Glória e poder nas Nuvens antes arrebatará a sua igreja. A Bíblia todavia não trata de uma vinda física e sim de que ele ainda estará nos ares antes quando nos encontraremos com ele, ou seja não se trata de mais uma vinda, e sim de uma fase distinta da mesma vinda, a qual será em grande Glória e não mais em ignomínia. Note o texto:
"1 Tessalonicenses 4: 15. Dizemos a vocês, pela palavra do Senhor, que nós, os que estivermos vivos, os que ficarmos até a vinda do Senhor, certamente não precederemos os que dormem. 16. Pois, dada a ordem, com a voz do arcanjo e o ressoar da trombeta de Deus, o próprio Senhor descerá do céu, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro. 17. Depois disso, os que estivermos vivos seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, para o encontro com o Senhor nos ares. E assim estaremos com o Senhor para sempre. 18. Consolem-se uns aos outros com estas palavras."
Para concluir está parte, assim diz o próprio Senhor Jesus, sobre este Cristo reencarnado:

 "Mateus 24: 22. Se aqueles dias não fossem abreviados, ninguém sobreviveria; mas, por causa dos eleitos, aqueles dias serão abreviados. 23. Se, então, alguém lhes disser: ‘Vejam, aqui está o Cristo! ’ ou: ‘Ali está ele! ’, não acreditem. 24. Pois aparecerão falsos cristos e falsos profetas que realizarão grandes sinais e maravilhas para, se possível, enganar até os eleitos. 25. Vejam que eu os avisei antecipadamente. 26. "Assim, se alguém lhes disser: ‘Ele está lá, no deserto! ’, não saiam; ou: ‘Ali está ele, dentro da casa! ’, não acreditem."
Para terminar este tópico, quem fala de uma segunda vinda de Jesus, para morrer mais uma vez, ainda não entendeu o objetivo da primeira vinda de Jesus, e coloca o sacrifício de Cristo como inválido, insuficiente(Hebreus 9.26 a 28).

*2°. Ataque.

" Disseram que a Bíblia não é a palavra de Deus, mas, contém a palavra de Deus, assim como a de homens e de demônios."
Para quem vê a Bíblia como um livro qualquer, pode até ser assim. Mas, para aquele que crer que nela, se contém a vida eterna, conforme Jesus ratificou e não negou, para estes ela é a Palavra de Deus, e não um mero instrumento usado por Deus. Curiosamente os mesmos, andam com um livro, de origem duvidosa, ao qual o chamam de a "palavra do todo poderoso". Isto é típico de todas as seitas heréticas, sempre procuram desfazer da autoridade da Bíblia, e em contrapartida introduzem outra escritura no lugar.
A Bíblia todavia tem se mostrado nos séculos com a inerrante Palavra de Deus. Concordo que na Bíblia contém dizeres de Deus e de outros, mas, ela não é a palavra de Deus só porque contém a palavra dita por Deus, mas, por causa da inspiração divina que orientou os homens de Deus sobre o conteúdo que nela haveria de ser escrito. Nela ele ainda nos fala hoje, e mesmo que nos testo esteja a palavra de homens, todavia estas palavras foram inspiradas pelo Espírito de Deus, e podem ser usada pelo mesmo em nossa orientação. E quanto as palavras de demônios? Creio que serve também para nossa orientação a respeito da realidade espiritual e da natureza de nosso inimigo, tantos os homens do mundo quanto dos demônios. É claro também há outro aspecto em que está palavra se caracteriza a palavra de Deus, no sentido de que por ela o Espírito Santo nos orienta em como proceder para agradar a Deus. Logo não é a palavra de Deus num sentido de que ele disse, mas, num sentido de que nela Deus manifesta a sua vontade ao homem que o teme e que a mesma foi escrita por  homens inspirados por Deus.
Paulo diz que toda escritura divinamente inspirada é proveitosa. Mas, os mesmos não aceitam a palavra de Paulo, pois como os mesmos falam não foi Jesus quem disse. Mas, como vimos em Mateus 21 42/22.29/26.51a56, em Lucas 24.45 e em João 5.39, o Senhor Jesus, não despresou, mas, ratificou as escrituras como inspiradas.
Aqui não me cabe, mais debater, pois como já de início mostramos o Jesus deles não é o verdadeiro, passarei para o último ataque deles, mostrado em seu filme de proselitismo.

*3°. Ataque.

" Eles rejeitam Paulo e as autoridades da igreja, dizendo que as mesmas perseguiram a Cristo de novo e deram semelhantes aos fariseus".
Se rejeitam a Cristo, se rejeitam a Bíblia é de pouco saber, que rejeitam também aos pastores, apóstolos e presbíteros, acusando os de ladrões interesseiros e falsificadores da palavra de Deus. Pois para era de se esperar que assim procedessem. Hoje em dia muitos atacam as religiões, usando as referências de homens corruptos de nossos dias como exemplo para rejeitarem a própria igreja, isto acontece tanto pelos que estão de fora, quanto pelos que estão dentro.
Já comentei a base do argumento deles acima. E é algo típico de seguidores de Satanás, eles chegaram perante a Jesus e perguntaram. "Com que autoridade fazes isso?( Mateus 21.23 ). Ora sabemos que os apóstolos receberam autoridade de Jesus para pregar o evangelho e foram orientados pelo Espírito a estruturar a igreja, constituindo sobre ela pastores, presbíteros, diáconos, e é sobre esta autoridade cristo-apostolica que se ergue a igreja de Cristo hoje então:

Lucas 6: 13. E, quando já era dia, chamou a si os seus discípulos, e escolheu doze deles, a quem também deu o nome de apóstolos:
Lucas 11: 49. Por isso diz também a sabedoria de Deus: Profetas e apóstolos lhes mandarei; e eles matarão uns, e perseguirão outros;
Atos dos Apóstolos 1: 2. Até ao dia em que foi recebido em cima, depois de ter dado mandamentos, pelo Espírito Santo, aos apóstolos que escolhera; 3. Aos quais também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas provas infalíveis, sendo visto por eles por espaço de quarenta dias, e falando das coisas concernentes ao reino de Deus. 4. E, estando com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que, disse ele, de mim ouvistes. 5. Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias.
Atos dos Apóstolos 6: 3. Escolhei, pois, irmãos, dentre vós, sete homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais constituamos sobre esta necessidade. 4. Mas nós perseveraremos na oração e no ministério da palavra. 5. E este parecer contentou a toda a multidão, e elegeram Estêvão, homem cheio de fé e do Espírito Santo, e Filipe, e Prócoro, e Nicanor, e Timão, e Parmenas e Nicolau, prosélito de Antioquia; 6. E os apresentaram ante os apóstolos, e estes, orando, lhes impuseram as mãos. 7. E crescia a palavra de Deus, e em Jerusalém se multiplicava muito o número dos discípulos, e grande parte dos sacerdotes obedecia à fé.

Efésios 4: 10. Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas. 11. E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, 12. Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; 13. Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo, 14. Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente.
1 Coríntios 12: 28. E a uns pôs Deus na igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro doutores, depois milagres, depois dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas. 29. Porventura são todos apóstolos? São todos profetas? São todos doutores? São todos operadores de milagres? 30. Têm todos o dom de curar? Falam todos diversas línguas? Interpretam todos? 31. Portanto, procurai com zelo os melhores dons; e eu vos mostrarei um caminho mais excelente."

Para mim, já é suficiente o as Escrituras fala sobre o assunto, por isso não discorreu mais sobre os desvarios desta seita. Em outra postagem de tema semelhante, procurarei falar sobre outras heresias que passam disapercebidos. Deus vos abençoe.

sábado, 20 de abril de 2019

Série creio 15: Unigênito, Senhor e Cristo

3. No Senhor Jesus Cristo, o Filho Unigênito de Deus, plenamente Deus, plenamente Homem, na  e no seu nascimento virginal, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição  dentre os mortos e em sua ascensão vitoriosa aos céus como Salvador do mundo (Jo 3.16-; Rm 1.3,4; Is 7.14; Mt 1.23; Hb 10.12; Rm 8.34 e At 1.9);
O crédulo das Assembleias de Deus, foi revisado, tendo a ordem e o conteúdo de alguns tópicos alterados, e outros tópicos acrescentados. A partir deste ponto estaremos revendo alguns tópicos, e vendo alguns que não existiam.
"No Senhor Jesus Cristo, o Filho Unigênito de Deus".
Aqui há três realidades envolvendo o nome de Jesus. Ele é Senhor, o seu senhorio a sua autoridade geral, de posse está sobre todo o universo criado, e de direção está sobre a nossa vida sobre a vida daqueles que se submetem voluntariamente a Ele. Como Senhorio eu abordo duas coisas, a de que Ele é o dono de tudo, e a realidade do reconhecimento disto por nossa parte. No tocante ao reconhecimento de nossa parte está a ideia de que além de reconhecer cabe a nós o dever moral de nos submetermos a Ele, e isso só ocorre quando somos guiados pelo seu Espírito, porque na carne não tem como obedecermos a sua lei.
Aqui também há outro ponto, de que mesmo que não nos submetamos a Ele como Senhor, isso não invalida o direito dele sobre nós, apenas abre espaço para o usurpador. A opção de nos submetermos voluntariamente parte d'Ele é Ele quem deseja que seja assim.
Segunda realidade, Jesus Cristo, ou seja Ele é Jesus ou a salvação que vem de Deus, Ele é Cristo o Messias o ungido de Deus. Concluindo Ele é o escolhido e ungido de Deus para que nos trouxesse a salvação. E  Ele é o Senhor da salvação, o único, aquele que detém o poder para realizar este feito, o de nos resgatar de nossos caminhos de condenação e morte, o único que pode nos salvar.
E agora, quem poderá nos defender? Não é o Shapolin Colorado, mas, sim é Jesus Cristo o Justo.
Ele é o unigênito, ou o único gerado, está expressão levá-los a falar sobre a doutrina da geração eterna de Jesus (não de sua geração humana, mas, a divina), não se trata de algo novo ou recente, o termo eterno implica algo que não tem início e nem fim, mas, pode significar também algo que emana do eterno, pois quando Jesus diz que teremos vida eterna ( Mateus 19:29). Ele está falando de comunicar-nos a sua vida, de dar-nos a imortalidade em comunhão com o Pai, longe da condenação eterna. Note que a condenação também é eterna, isso porque tanto a vida quanto a condenação se diz delas em relação com Deus o eterno, por causa disso é eterna, e não no sentido de ser realmente eterna, no entanto tanto uma quanto outra são infinitas devido a imortalidade do espírito humano( neste sentido palavra morte indica apenas a separação da comunhão com Deus e a entrega da alma ao tormento eterno).
Mas, voltando ao assunto a geração eterna indica que Jesus é de procedência do Pai, que ele foi gerado do Pai, mas, que este fato se dá de forma eterna, logo não tem um momento no tempo espaço contínuo, em que esse fato se deu, por ser eterno não tem início nem fim. Aqui há uma questão dogmática, mas, a única afirmação bíblica é que Jesus é Deus, e que Ele é o Filho de Deus Pai, que é o unigênito do Pai, no entanto a mesma não entra nos méritos da questão, nem mesmo diz como isso se dá ( João 1.18). A doutrina da geração eterna merece ser considerada é uma doutrina da igreja antiga, está no crédulo de Calcedônia, no entanto a mesma não explica toda questão. Isso porque ela, tenta com isso combater o arianismo dizendo que Jesus não é uma criatura, pois ele não foi criado e sim gerado. Por isso ainda deixa a questão se ele foi gerado, então isso quer dizer que ouve um momento de sua concepção, ouve em outras palavras teve um início. A ideia precisa ainda ser melhor trabalhada, mas, prefiro me ater ao que está em Deuteronômio que diz que o que foi revelado é para nós e nossos filhos, mas, o que está em oculto é para Deus. Algumas doutrinas cristãs do segundo século em diante, surgiram para combater eresias e outras para tentar defender o evangelho diante do mundo. Mas, minha observação se baseia em 1 Coríntios 1. 18 a 24, que diz que não foram muitos os sábios que creram no evangelho, e que o mundo não conheceu a Deus pela sua sabedoria, que aprouve a Deus salvar os crentes pela loucura da pregação. Para muitos gregos a mensagem do evangelho era loucura, e não é diferente em nenhuma época, as pessoas que crêem, não são convencidas e convertidas ao contemplarem a sabedoria de Deus, e sim ao crerem no evangelho que para muitos é tolice.
O que eu quero dizer com isso?  Cremos que Jesus é o Filho unigênito de Deus Pai; o resto é especulação teológica que leva para a confusão e questões intermináveis( I Timóteo 1.4   ).
"... plenamente Deus, plenamente homem..."
O plenamente quer dizer que ele é cem por cento, que em si não há nada nele que diminua qualquer de suas naturezas, ele é Deus e é homem. A palavra de Deus, diz que Ele se fez servo,  se esvaziou, ou aniquilou-se a se mesmo, se humilhou assumindo a forma de servo( Filipenses 2.5 a 8  ). Em outras palavras Ele virou literalmente um homem sem deixar de ser Deus em nada, mas, estando aqui, mostrou-se igual a todos, sendo porém um servo fiel em tudo, sem errar em nada no tocante ao mandamento que receberá de seu Pai. Por isso ele pode dizer aos seus discípulos e a nós;" tende bom ânimo eu venci o mundo", (João 16.33) que impacto estas palavras poderiam causar se fosse dita por alguém, o qual não podesse ser, tentado assim como nós? Segundo o crédulo Ele é uma pessoa com duas naturezas, e digo que é assim como a trindade que é um Deus(um ser)  formado por três pessoas.

Estudos em PDF

Aqui nesta postagem, estou colocando todos
os links da série de reflexões, "O provar de Deus", e para quem desejar ter a série em PDF pode baixar toda a série organizada num único PDF.

* Link um.

*Link dois.


Link para o PDF.


* Aqui a baixo segue os links de outro estudo postado aqui neste site, e o link de seu PDF. Este é o da série "Táticas do espírito do Anti-Cristo", postado em 14 postagens:

Link um.

Link dois.


Link do PDF.


*Aqui um estudo postado em 4 postagens diferente, baseado na Parábola do Semeador".

A baixo segue o link para download, é só clicar na foto para baixar o PDF:



Há baixo segue, mais alguns links de apostilas que desejo compartilhar com os irmãos:



DEPRAVAÇÃO MORAL

EXPOSIÇÃO POR FINNEY

GOVERNO MORAL

INTRODUÇÃO A HEBREUS

INTRODUÇÃO A AMILENISMO

MÚSICA  CRISTÃ

terça-feira, 19 de março de 2019

Uma receita de avivamento

Todos querem falar sobre avivamento, mas, de longe se encheram com auxílio de binóculos aqueles poucos que estão dispostos a isso. Geralmente, não estamos cansados e sobrecarregados o suficiente para deixarmos os nossos fardos de orgulho e egoísmo em troca da cruz da abnegação. Há um Hino que diz,"quando tudo perante o Senhor estiver, e todo o teu ser Ele controlar, só então hás de ver, que o Senhor tem poder, quando tudo deixares no altar".
Eu estou disposto a Deus? Alguém pode me dar, uma receita de avivamento aí agora, mas, será que ele estará disposto a vivê-la? Eu te dou uma receita de avivamento, caseira e bem simples. Ela começa com profundo arrependimento, uma vida quebrantada perante o Senhor Jesus, oração, jejum, fé completa ou de todo o coração em Deus, e um coração disposto a Ele sem reservas de coisa alguma. Mas, e aí? Quantos estão dispostos a isso? Eu estou? Para minha própria vergonha reconheço, que não estou completamente disposto, e Deus o sabe. Se eu estivesse disposto não estaria aqui, mas, como o vento estaria eu sendo levado por Deus aonde Ele quer.

João 3: 8. "O vento sopra onde quer. Você o escuta, mas não pode dizer de onde vem nem para onde vai. Assim acontece com todos os nascidos do Espírito".

 Alguém pode dizer que a igreja de hoje é rica e que os irmãos não querem correr o risco de ter as suas posses confiscadas. Mas, a igreja de Atos também era cheia de pessoas com posses, mas, todavia muitos eram guiados pelo Espírito a vender as suas riquezas, para o sustento daqueles irmãos necessitados. Não temos muito o que aprender. Somos como o homem que morreu afogado porque esperava o resgate de Deus. Quando chegou ao céu o atrevido ainda quiz confrontar o Eterno, mas, foi repreendido quando Deus lhe lembrou das diversas pessoas que lhe quisera oferecer ajuda. De igual modo estamos a esperar que  avivamento venha, quando temos já tudo o que precisamos em nossas mãos. Mas, falta alguma coisa, disse Jesus para o homem rico( Marcos 10.21). E creio eu que é apenas um coração disposto a Deus sem reservas de coisa alguma.
Muitos jejuam, muitos são batizados com o Espírito Santo, muitos são pregadores que falam e suas mensagens são impactantes, todavia não se segue um avivamento. Porque bem sabemos que avivamento não é movimento, mas, sim os frutos de um movimento direcionado verdadeiramente pelo Espírito de Deus.
Eu ainda creio que o tempo é breve, e sei que um despertar real se manifestará nesta geração, o qual dará os seus frutos, não será um movimento de ondas, mas, será uma movimento de ceifas, onde multidões glorificaram o nome do Senhor. 

sexta-feira, 15 de março de 2019

Por ser a verdade.

Atos dos Apóstolos 4: 19. Mas Pedro e João responderam: "Julguem os senhores mesmos se é justo aos olhos de Deus obedecer aos senhores e não a Deus. 20. Pois não podemos deixar de falar do que vimos e ouvimos".

 Nós não cremos em fábulas artificiais criadas pelos homens, e por isso o nosso compromisso se torna maior, a nossa causa digna e necessária. Não precisamos escrever romances cristãos, ou mesmo novelas, como o espiritismo o faz, é só se assentar com um irmão ou irmã em Cristo e ouvir sua história de vida, e verás ali as provas reais de nossa fé. Somos testemunhas vivas, nossa vida é um exemplo daquilo que cremos e ensinamos. Por isso nossa fé precisa ser sólida e não líquida, pura e não misturada, perseverante e não momentânea.
É por ser verdade que está estamos nesta, alguns perseguidos, outros criticados e sensurados, muitos perderam a vida e muitos ainda perderão. Alguns governos e ideologias nos vêem como ameaça, conspiradores, se divulgam por aí calúnias a nosso respeito. A uma constante oposição a nossa mensagem, e um questionamento aquilo que cremos e professamos. Não temos a simpatia das pessoas ( isso também porque o nosso caminho não cabe simpatizantes, eles não tem parte, somente tem parte conosco aqueles que se comprometem com a causa de nosso Salvador),e se temos é fingida.
É por ser a verdade que tentam nos fazer  pensar diferente, que surgem tantas adaptações a fim de nós tornar aceitáveis, mudam os nossos nomes, nos ensinam as suas tradições, nos impõe leis(Daniel 1.3 a 8/ 3  ). Todo ódio, ressentimento, amargura, espanto, aversão que o mundo tem por nós, é porque somos portadores da verdade de Deus, que está em Cristo Jesus, que é Cristo Jesus. Já viu alguém dizer, " ele se acha o dono da verdade!" Pois é, está frase é sempre dita por aqueles, que não querem saber da verdade, e com respeito a nós expressa o sentimento do mundo. Muita das vezes há apelos até emocionados, a nossas convicções, e nossas afirmações com o intuito de nos constranger ou fazer-nos recuar da verdade.
Cremos em Jesus, o qual é Deus, e o Filho de Deus, que está presente aqui em nós na pessoa do Espírito Santo, que em seu nome temos a salvação, e pelo seu sangue derramado na cruz a redenção de nossos pecados.
Cremos que somos herdeiros com Cristo das moradas celestiais, que em seu nome expulsamos demônios, curamos enfermos, anunciamos o evangelho que é o poder de Deus. Cremos na realidade de um descanso Eterno para os eleitos e num tormento Eterno para os reprovados. Cremos que a Bíblia é a palavra de Deus, é inerrante, vista por homens errantes. E por isso e por toda a nossa fé, somos tidos como a escória do mundo, para a sermos o tesouro do Rei. Porque isso é a verdade.

domingo, 17 de fevereiro de 2019

Além da revelação

"Deuteronômio 29: 29. As coisas encobertas pertencem ao Senhor nosso Deus, porém as reveladas nos pertencem a nós e a nossos filhos para sempre, para que cumpramos todas as palavras desta lei."

Toda a ideia se diverge quando vamos para além da revelação. Sabemos que se tratando de teologia há muitas correntes, de pensamentos, e a divergência é tão grande que beira a heresia a opinião alheia. Mas, por que isso? É porque fomos em nossas reflexões e observações para além daquilo que nos está revelado, além das escrituras. O texto diz o seguinte, o que Deus revelou é para nós e nossos filhos, mas, aquilo que está oculto é só para ele. Não estou dizendo aqui, que não possamos desenvolver uma teologia, mas, apenas afirmando que toda a divergência existente na igreja no âmbito da teologia se dá em questões que ou não estão na bíblia; ou que estão na Bíblia, mas, escritas de forma obscura, ocultas; ou que estão implicitas, mas, não claras na Palavra de Deus; ou são apenas citadas, não ensinadas. E por estás quatro pedras existe os muitos tropeços. Podemos livremente desenvolver os nossos pensamentos segundo as diversas vertentes do pensamento teológico cristão, mas, não venhamos a condenar nossos irmãos por questões extrabiblicas, ou de assuntos onde paira dúvidas. Existe esta divergência digo dentro das igrejas cristãs sérias, não das seitas heréticas que também são muitas, mas, quanto a estás seus motivos em discordar já é sabido, que vem do inferno para confundir as mentes dos simples. Pois são deliberados contra a palavra de Deus, ao ensinar coisas que contradizem a mensagem da cruz ensinando um outro evangelho.
Vamos refletir agora em cada um destes tropeços:
1°. Questões que não estão na Bíblia.
E porque não estão? Por que Deus, não as quiz revelar, são de âmbito Divino e que estão a sua mercer revelar no devido tempo. Mas, a curiosidade humana, se mete em muitas expeculações. A doutrina por exemplo que explica como se dá a união entre o Jesus humano e o Jesus Deus, a doutrina da transubstanciação (doutrina católica que diz que o pão e o vinho, se tornam verdadeiramente a carne  e o sangue de Jesus). Talvez por um esforço intelectual, olhando a gramática e ortografia grega e hebraica, alguém possa fazer uma exegese provando por a mais b, que estás doutrinas e outras que eu não citei, são sim biblicas, mas, é forçado, não é claro definido, é algo que alguém pensa e procura extrair da Bíblia seu apoio. Não quero desmerecer as doutrinas acima, apesar que como protestante a doutrina católica da transubstanciação, não a aceito. Nem estou dizendo que são heréticas, mas, que são especulativas, nem digo que não devam ser ensinada por suas respectivas denominações, mas, que não se deve dar a elas o status de inerrantes, pois embora com um esforço intelectual alguém possa dizer que são de base bíblicas, todavia não o são e sim são apenas raciocinios humanos em torno de um tema, e nem são ensinadas na Bíblia.
2°. Estão escritas na Bíblia, mas, de forma obscura.
Este relato já nos foi adiantado por Pedro, no tocante aos inconstantes e ignorantes( 2 Pedro 3.15,16    ). Mas, no tocante ao assunto por mim proposto, não são inconstantes nem ignorantes( ainda que talvez este segundo se aplique mais). Porém devido a obscuridade de algumas passagens no esforço exegéticos de alguns amados irmãos,  acabam os mesmos por chagar a conclusões divergentes uns dos outros, onde uma palavra pode significar n coisas. Alguns olham zelosos todos os contextos, e os originais, mesmo assim não conseguem ser concisos em suas conclusões. Minha simples opinião é que,  se estão obscurecidos para nós, pessoas que não vivemos mais na época em que os originais foram escritos, e para quem os mesmo foram escritos, então deixemos assim. Pois de certo para eles não era, pois estava envolvido pelo contexto íntimo de seus destinatários. Contexto este que por ser de foro íntimo, só Deus para sabe-lo. Podemos pelas nossas investigações às vezes listar possíveis realidades, que explique algumas expressões. 
Outra opinião é que com respeito ao entendimento no qual chegamos após uma cuidadosa exegese do texto, não deve ser desprezado, principalmente se o mesmo alia-se a uma convicção pessoal. Todavia não acho conveniente brigar com o próximo sobre coisas que não estão claras, e se são assim é por Deus não nos a revelou, e as divergências teologicas, como já disse, partem de quando vamos além da revelação.
3°. Estão implicitas mas, não claras.
Ou seja, são palavras ou idéias que quando se lê o texto bíblico você percebe, que está idéia está ali, mas, não está assim tão nítido, a não ser por um examinar cuidadoso da palavra de Deus. E neste sentido, mesmo assim, carece de um longo elaborar argumentativo filosófico sobre a idéia implícita, para que possa alguém vir, a concordar. Quando falo que estão implícita, é que são doutrinas, que podemos deduzir ou saber que embora o texto não fale sobre as mesmas todavia, podemos compreender elas por meio deles, ou também podemos saber que o que eles originalmente defendem vem a abarcar tal doutrina. 
4°. São apenas citados, não ensinados.

A doutrina da eleição dos santos, é por vezes citados, em Atos dos Apóstolos (  Atos 2.47  ), por idéias como ": aqueles que se haviam de ser salvos", ou " eleitos segundo a presciência"(   1 Pedro 1.2), " vos predestinou n'Ele"(   Efésios 1.11 ), também a doutrina da Trindade na fórmula batismal( Mateus 28.19  ), bem como a própria fórmula batismal (  Atos 2.38 ), e outras doutrinas são citadas, mas, não desenvolvidas, e este desenvolvimento doutrinário que foi feito depois, foi o causador de divergências, pois cada um de seus desenvolvedores seguiu por uma vertente. Minha observação apenas é que não devemos brigar por questões secundárias ou terciárias a palavra, que sim devemos estar firmes e certos em nossas convicções, mas, lembrando que elas se baseiam em fontes que seguem as escrituras e não são elas, logo como tais são passíveis de falhas de seus autores. Hoje por exemplo a fórmula batismal se divide em por imersão, por aspersão, em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo, ou apenas em nome de Jesus, no tocante a doutrina da eleição, tem aqueles que levam em consideração a preciência de Deus e outros dão ênfase na soberania divina.
 Neste texto não quero expor a minha opinião, nem impor a opinião mais correta, ou que eu ache, mas, apenas mostrar a incoerência na qual nós encontramos. Minha defesa e autocrítica neste campo é por causa de nosso compromisso diante do Senhor Jesus de sermos suas testemunhas ( João 17.21/ Atos 1.8   ). Se as nossas divergências de idéias se restringisse ao campo das ideias e não se traduzisse em sentimentos inflamados, divisões e guerrilhas, talvez não estaria aqui escrevendo este artigo. Porque todas estas dissensões trazem consigo, a característica da falta de amor, revelando ou contradizendo aquilo que Jesus disse sobre o seu amor, ser em nós a marca genuína de seu discipulado ( João 13.34,35  ). Pois no campo das ideias, sempre vai haver divergências e correspondentes de pensamentos as mais, variadas. Nos dias de Jesus, já existia na teologia judaica várias correntes de pensamentos diferentes, em nenhum momento Jesus saiu levantando bandeira de uma ou outra corrente e atacando de forma feroz os outros por suas ideologias, mas, também não escondeu o que pensava ou o que defendia. Para nós cristãos, devemos ter algo que uma linha de delimitadora em nossas correntes interpretativas, para que elas não se tornem como já tem acontecido de ser tropeço para nós e para aqueles que buscam o caminho da fé salvífica em Cristo Jesus.
No livro "Autoridade Bíblica Pós-Reforma", o autor apresenta as cinco solas da reforma, como um b caminho neste sentido. "Só a graça, só a fé, só as escrituras, somente Cristo, só a Deus a Glória".

domingo, 10 de fevereiro de 2019

Tua vara e o teu cajado me consola

Salmos 23: 4. Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.
Qual é o sentimento de uma ovelha na visualizar a presença de seu pastor, quando por um breve momento se encontrará a Mercer de um lobo, ou outro devorador? Quando ele chega ela olha para ele e berra, e ele então vem com seu cajado e bate no lobo, e com outras ferramentas o afugenta e tenta resgatar a ovelhas dos dentes afiados do predador de forma a não ofende-la mais do que já está, e quando por fim a resgata, e trata as suas feridas, põem a em seus ombros tal como na parábola do bom pastor. Por isso penso eu, ao estás ovelhas avistar o cajado de seu amo, se alegra, sente-se confortada. O cajado do pastor não causa medo, não leva a ovelha a se sentir acuada, mas, pelo contrário significa a expressão prática do amor e da dedicação do seu pastor por ela.
Dentro da perspectiva que escrevi de um ovelha em relação a seu pastor, não tenho a experiência de um pastor de ovelhas físicas, para saber se elas se comportariam assim, com respeito a seu pastor. Mas faço minhas construções com base naquilo que o mestre nos deixa registrado em João 10, nas informações do Salmo 23, e na parábola do bom pastor(Lucas 15. 3 a 7), onde o Senhor descrever a ovelha não como um animal, mas, como pessoas, com base na experiência comum daqueles pastores que o ouviam, ele retirava destas experiências aqueles comportamentos que se assemelhava aos de homens e fazia a sua aplicação. Pois na verdade nós somos suas ovelhas tal como nos é dito no salmo 100, e ovelhas de seu pastor.
E como ovelhas deste vasto rebanho sabemos que quando presenciamos o cajai do Senhor, estamos bem, estamos sendo consolados, estamos sendo livrados. A ovelha diz," ainda que eu ande sobre o vale da sombra da morte," ou seja vivemos num mundo onde a sombra da morte cobre toda a terra de forma que não as pessoas vivem em densas trevas. Tal como João escreveu em João 3.19 a 21, a luz veio ao mundo que estava coberto por trevas, e trevas de morte. Então a presença de Jesus que é está luz nós deixa seguros, e sem temor de mal algum, ainda que ainda andamos pelo vale da sombra da morte. 

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Série Pecados 13: Imoralidade Sexual

"Atos dos Apóstolos 15: 29. Abster-se de comida sacrificada aos ídolos, do sangue, da carne de animais estrangulados e da imoralidade sexual. Vocês farão bem em evitar essas coisas. Que tudo lhes vá bem."(NVI)
O prefixo "i" ou "in", quer dizer negação, ou ausência, aqui então entendemos que temos uma negação da moralidade sexual, ou moralidade que se aplica a questão sexual, ou aos comportamentos sexuais. Tudo a que se aplica a palavra " moral", se refere a condutas realizadas por uma vontade livre, espontânea e consciente. Mas a palavra moralidade é usada para se referir, a um conjunto de condutas moral, ou atributo, particularidade ou característica do que é ou possa estar relacionado à moral, também a uma caracteristica moral de prática habitual de uma pessoa. E a imoralidade, está relacionado a está característica habitual pautada na ausência de princípios e valores morais sãos, puros, e ou conforme ao que a palavra de Deus nos orienta que é a conduta adequada a moral. Ou a imoralidade é também a falta de compromisso com a moralidade ou a instabilidade moral na conduta. Como por exemplo pessoas as quais não podemos confiar, para a realização de certas coisas, como comprar algo com dinheiro para nós, pois a mesma poderia se apropriar dele e mentir sobre o seu paradeiro. Pessoas que não honram seus compromissos, mentirosos.
A imoralidade sexual, é uma falta de compromisso moral com a sexualidade certa ou a falta da sexualidade (expressão do sexo) conforme os princípios da palavra de Deus. O texto base desta reflexão é a NVI, conforme a tradução da Bíblia, vemos uma outra palavra que também merece nossa consideração, a qual é traduzida no lugar de imoralidade, a qual é impureza. O impuro é aquele cojus caminhos das intenções do coração, são contaminados pelo egoísmo, levando a escolhas sempre manchadas ou máculadas por desejos e ou propósitos visando a satisfação carnal ou auto-satisfação, os quais são isentos de compromisso com a moralidade, pois não são feitos pensado ou refletindo moralmente suas consequências, mas, unicamente a satisfação carnal nisto tudo.
Então em nossa reflexão chegamos a impureza ou imoralidade sexual, que é o desvio do caminho prescrito por Deus para a expressão da sexualidade. Este caminho é descrito em Gênesis 2.24, onde o homem deixa pai e mãe e passa a viver com sua esposa, através do casamento, e se torna um com ela por meio do sexo, e trilham toda uma vida juntos. Então a impureza sexual, vem  com a insatisfação do homem ou da mulher com seu cônjuge, adulterando fisicamente, cobiçando a mulher ou homem alheios(adultério na intenção), sendo incontido em sua juventude mantendo relações sexuais antes do casamento, ou tal famoso ato do ficar, que é oral de sexo sem compromisso, ou casual. E aí também vem os efeitos desta depravação moral incorrendo em corrupção de seus próprios sentimentos, como o homossexualismo, a bissexualidade, o sadomasoquismo, a bestialidade, pedofilia, necrofilia, incesto, etc...(Levíticos 18)
Como já tenho falado, a imoralidade é um procedimento que nega a moralidade, ou a conduta certa adotada pela moralidade, é uma conduta que não leva em conta aquilo que é certo, em 1 Coríntios 5, Paulo trata de um homem que era membro da congregação em Corinto que vivia de forma desavergonhada ou seja imoral com sua madrasta. Isso era segundo Paulo um comportamento que até mesmo os cidadãos ímpios de Corinto que era considerada uma cidade muito devassa, visto que até a expressão "corintiar" significava ir para as orgias sexuais ou para as noitadas. E Paulo disse que aquele crente estava fazendo pior que os ímpios, então ele dá um ultimato aqueles irmãos para que o excluísse da comunhão já que o mesmo não estava se arrependendo, não queria deixar o erro, mas, estava bem com ele.
Vemos então que o caminho da sexualidade sadia é simples, mas, a mente humana através de uma busca egoísta se envereda por muitas invenções, as quais nem cheguei a margem do mar de podridão moral a qual é a imoralidade sexual. Claro muito do que falei aqui, pode ser por muitos considerado algo como normal. Mas, o que este mundo que jaz no maligno considera como normal? De certo nosso parâmetro de pureza é a palavra de Deus.
 De todos os laços aos quais o homem se prende, este é um dos mais escandalosos, e o que mais compromete o homem, e por incrível que pareça é que mais ocorre no  mundo. Das modalidades de pecado, a imoralidade sexual em todas as suas variações são as que mais prendem os homens. No passado o Diabo usava dela para prender os homens na idolatria.
"Números 25: 1. Enquanto Israel estava em Sitim, o povo começou a entregar-se à imoralidade sexual com mulheres moabitas, 2. que os convidavam aos sacrifícios de seus deuses. O povo comia e se prostrava perante esses deuses."
As sacerdotisas dos templos pagãos da fertilidade usavam do sexo cultual para promover a adoração as suas deusas. No presente está tática tem se diversificada, usando o enfraquecimento da vontade, através do estímulo desenfreado da cobiça dos olhos na televisão, na internet, na música, na rua, na escola, se espalham os sacerdotes e sacerdotisas da imoralidade, prendendo através do sexo os corações dos jovens e velhos, os quais com as vontades enfraquecidas por estás inclinações, não conseguem trilhar o caminho da justiça, não conseguem manter seus corações limpos, é uma guerra, mas, o sangue de Jesus tem poder para quebrar de seus escolhidos toda a sorte de inclinação do inferno.
Como tenho falado das sacerdotisas, isso não somente no tocante às atrizes pornográficas, mas, a uma vastidão de moças que espalham vídeos provocantes no YouTube, Facebook, e outras ferramentas virtuais. Também na rua o uso de roupas e de posturas provocantes, tanto por mulheres como por homens, e isso tem se intensificado cada vez mais nesta cultura hedonista.
Minha oração é que aplicando a palavra de Deus a nós conforme o Salmo 119.9, observando as orientações da mesma possamos, não somente os jovens, mas, os velhos também, purificar os nossos caminhos. Está é uma verdade encontrada nos Salmos a outra, é a que diz que, aquele que medita de dia e de noite na lei do Senhor, e ao mesmo tempo não se assenta na roda dos escarnecedores, nem anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, estes tem as suas decisões e atos prosperado diante de Deus( Salmos 1). Desejo sexual sempre estará em nós, ele é inato,mas o caminho pelo qual trilhamos com este desejo não é inato, não é instintivo, é um caminho de escolhas conscientes e livres mesmo que esta liberdade seja um pouco limitada, pela nossa inclinação ao pecado. No entanto são escolhas que facilmente nos prendem em teias de pecado(vícios). Todos somos pecadores, mas, a palavra disse no Salmo 1, " não se detém nos caminhos dos pecadores", ou em outras palavras não se demora, não permanece, isso diz de alguém que não é teimoso no pecado, mas, que ao contrário procura se livrar dele o mais depressa possível, se arrependendo. Pois quanto mais tempo demorasse para romper com um pecado maior e mais danoso ele se torna em sua vida.
Paro por aqui, nesta reflexão, e que o Senhor Jesus, nós abençoe e nos livre dos laços do passarinheiro.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Ponto a considerar 21: Num abrir e fechar de olhos...

1 Coríntios 15: 52. Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados.
 Nesta passagem de Coríntios, Paulo explica três verdades relacionadas a nossa esperança de sermos arrebatados, ele diz que seremos transformados, ele diz que nossos corpos passaram a ser não somente glorificados, mas, também incorruptíveis, e que seremos finalmente livres da morte e do pecado. Na verdade são muito mais do que três declarações, que ele faz, pois ele fala além de ser os revestidos de incorruptibilidade, também seremos revestidos de imortalidade, mas, eu é que resumo as todas nestas três. E isso tudo acontecerá num abrir e num fechar de olhos.
O tempo em que ocorrerá será instantâneo, inesperado. Jesus o comparou a um assalto, ele disse que quando isso acontece o dono da casa não sabe, ele é pego despercebido( Mateus 24.42 a 44). O Mestre no entanto ressalta, que se o dono da casa o soubesse a que hora haveria de vir  acontecer o assalto ele vigiaria e não permitiria o ocorrido. No casamento judaico, o noivo sai coma sua comitiva para encontrar com a comitiva da noiva e de lá ir juntos para o local da festa. Jesus conta uma história assim, na qual as damas de companhia as quais eram dez, tinha um grupo que eram precavidas e o outro era a das despercebidas. As precavidas levaram azeite de reserva para assender as suas lâmpadas, as despercebidas confiaram que poderiam pegar azeite emprestado. No entanto ouve um atraso na comitiva do noivo, e por causa disso, as despercebidas (necias, loucas), não tiveram como pegar emprestado, pois devido ao atraso, as precavidas viram que não poderiam dispor de suas provisões sem contudo vir a correr o risco de ficarem sem azeite. De certo o azeite que as néscias tinham seria suficiente para todo aquele evento, mas, devido ao inesperado seus planos foram frustrados. (Mateus 25.1 a 13)
Quantas coisas acontecem em nossas vidas de forma inesperada?  É claro que aqui, Jesus mostra duas realidades, uma é a do assalto e a outra é a do casamento judaico. Na do assalto o pai de família é pego de surpresa, mas, é algo que está fora do controle do pai de família saber. Na outra a das virgens, as néscias foram também pegas de surpresa, mas, deveriam ou tinham como se precaver do ocorrido, coisa que as sábias o fizeram. Fica claro que o Senhor quer de nós uma constante vigilância, que o saber sobre a sua vinda está apenas em seu poder não no nosso. Ele não vai esperar ninguém se preparar, quando for o momento ele virá.
Há também outra parábola em que o Mestre, narra a história de dois mordomos de um senhor que sai para uma viagem longa. E por se demorar um mordomo começa a agir de forma leviana a violentar os companheiros e a desperdiçar os suprimentos da casa de seu Senhor. O outro já faz diferente ele gere a propriedade do seu Senhor com muita sobriedade, e equidade. E aí vem que seu senhor aparece de repente, e como será que ele achará aquele mordomo? Será que achará de forma leviana, ou achará de de forma fiel?(Mateus 24.45 a 51).
Então por meio desta solicitar três parábolas nós podemos perceber que não podemos estar desapercebidos, mas, em constante vigilância, por que não sabemos a que dia ou hora em que ele virá buscar a sua igreja. A aparente demora da volta de Jesus para nós é como na parábola do mordomo fiel, uma prova de fidelidade, na parábola do ladrão, uma prova de perseverança. Na parábola das dez virgens, um aviso de que devemos estar sempre preparados, precavidos, guardando e mantendo nossa comunhão com o Espírito Santo e nossos valores e princípios. Pois devido a aparente demora pode ser que nossos valores e princípios já estejam tão escassos, esquecidos, alterados, que o seu resgate talvez não nos seja possível a tempo hábil. Valores e princípios pode talvez exegéticamente não ser o que Jesus pretendia dizer na parábola, mas, aqui faço minha aplicação, pois os princípios cristãos, são diretrizes que nos levam a uma vida de castidade e vigilância, e perseverança naquilo que é o nosso foco, a grande salvação, a saber a redenção que se dará com o arrebatamento da Igreja. O tempo para alguns por falta de perseverança tem levado a o abandono daquilo que é importante, a negociata de valores e princípios irrevogáveis da fé. O tempo passa e a igreja na face da terra tem presenciado um grande um crescente câncer em seu seio advindo de muitos que querem ser cristãos, mas, tem medo e se acovardam diante do mundo, deixando e negociando a sua santidade, seus princípios, seus valores, por um mundo que jaz no maligno.
E a Palavra diz, " num abrir e fechar de olhos", não haverá tempo, e a nossa esperança se fará, a nossa realidade eterna com Cristo Jesus, se revelará. Nossas lágrimas serão enxugadas, nossas tristezas serão eliminadas, e tudo além daquilo que pedimos ou pensamos se fará.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

Série Creio 14: Casamento e família.

16) Cremos, também, que o casamento foi instituído por Deus e ratificado por nosso Senhor Jesus Cristo como união entre um homem e uma mulher, nascidos macho e fêmea, respectivamente, em conformidade com o definido pelo sexo da criação geneticamente determinado (Gn 2.18; Jo 2.1,2; Gn2.24; 1.27).

Os textos base deste, crédulo tratam da criação do homem, como macho e fêmea, do primeiro casamento o qual foi oficializado pelo próprio Deus, e da presença abençoadora de Jesus numa festa de casamento. A Declaração de Fé das Assembleias de Deus, vai em assuntos além do casamento, família e da sexualidade do casal, nela se trata sobre aborto, tipos de fecundações, e tipos de uniões, recomendo ao leitor que a leia. Mas, em nosso texto nos deteremos em três pontos, no casamento, na família e na sexualidade do casal.

*Casamento:
O casamento é oficialmente e originalmente instituido por Deus, como uma união de um homem e de uma mulher, de forma estável, duradoura e indissolúvel, por isso a Bíblia fala o que Deus uniu não separe o homem. A existência do divórcio, do adultério e da poligamia, são invenções humanas, criadas por inspiração do pecado. Já em Gênesis 6, quando a Bíblia fala das causas da destruição do mundo daquela época, ela relata a existência destas invenções, como uma das causas do dilúvio(Gênesis 6.2 a 4/ Mateus 24.37 a 39). Os textos das citações, não são claros, mas, a ideia está implícita, pois no primeiro apenas fala sobre que os filhos de Deus, acharam as filhas dos homens bonitas e as tomaram em casamento; no segundo texto o de Mateus, a apenas a alusão a uma vida despreocupada e sem temor de Deus, mas, como se trata de descrições de atos feitos sob a inspiração do pecado, logo vemos que a prática da poligamia já era algo presente (   Gênesis 4.22) e uma das causas da destruição do mundo daquela época, o texto que fala sobre os descendentes de Caim, mostra o relato de Lameque que era casado com duas mulheres, e também era um homem homicida, não, ele não era um poligamia, era um bigamo, mas, ainda sim está dentro da nossa ideia de que o casamento foi feito por Deus para ser monogâmico.
Vemos no relato bíblico a poligamia como algo tolerado, mas, não aprovado por Deus. Quando o Senhor, prometeu a benção a Abraão de sua descendência, Ele a prometeu através de Sara, ao fraquejar Abraão ofereceu outro ventre o de Hagar, para que por meio dela, a qual não era esposa de Abraão, mas, serva de Sara, viesse Deus realizar a sua promessa. Mas, o plano de Abraão foi reprovado, pois o Senhor, disse:
"Em Isaque será chamada a sua descendência"( Gênesis 21.12   )
Mesmo que por meio de Hagar, num ato poligamico, veio a descendência de Ismael, todavia a benção da promessa estava sobre Isaque que era filho da esposa, e não dá serva.
Mas o adultério é algo, que não foi tolerado no contexto histórico e nem o é, e nunca foi aprovado por Deus. Não importa quem o pratique, seja homem ou mulher o pecado é o mesmo.

"Provérbios 6: 32. Mas o homem que comete adultério não tem juízo; todo aquele que assim procede a si mesmo se destrói."

Dos três o divórcio é uma prática que mesmo não sendo aprovada por Deus, todavia devido a crueldade e dureza do coração dos homens, foi legalizado e regularizado já nos dias de Moisés, a regularização veio como uma forma de podar os abusos dos homens (  Mateus 19.7 a 9 ). Diferente de Moisés, Jesus que deu muitas permissões para o divórcio, Jesus dá só uma que em caso de adultério, todavia a preferência de Deus e da Igreja, ainda é que mesmo nestes casos, os quais são delicados, envolve muita dor, frustrações e outras implicações, a vontade de Deus é que haja uma reconciliação.

* Família.
A família é um projeto de Deus, daqueles de ouro, ela tem a representação de Deus na criação dos filhos, um filho que tem uma visão má de seu pai, pode por consequência ter uma visão errada de Deus. Assim como a veracidade e credibilidade da Bíblia, e a existência de Deus, a família é atacada em todos os lados, seja por dentro desestruturando- a , seja por fora desprezando e a desconfigurando.
A família é constituída originalmente por um pai, uma mãe e filhos, é a chamada família original ou tradicional. É claro que com o tempo um dos cônjuges morre, ou ocorre o divórcio, ou ocorre de moças engravidarem fora do casamento, então devido a estes acidentes às vezes provocados às vezes sofridos pela família, então surge o que a sociedade hoje diz que são outras modalidades de família. Todavia o projeto original não se apaga, é um pai, uma mãe e os filhos. Por isso a palavra original, pois é por meio do casal homem e mulher que vem o surgimento dos demais, e no percurso da vida desta família surge os acidentes e insistentes, às vezes felizes como de um filho deixar a casa para se unir a seu cônjuge, às vezes infelizes de este filho retornar as vezes carregando seus filhos, e outras intercorrências, todavia não se pode mudar a configuração da  família tal como Deus a concebeu. Não que não possamos chamar de família uma casa onde a família é constituída de mãe apenas e filhos, ou de avó sem os pais e apenas os netos e tios, pois ainda é uma família, mesmo que devido às circunstâncias seja ela assim incompleta. Porém originalmente não é assim.
Ocorre também hoje em dia há um uso da palavra família com uma conotação sentimental e relativa. Neste sentido a qualquer grupo fraterno e intimamente chegado, classificam- se como família, por exemplo:
" A família Walmart".

* Sexualidade do casal
Além de monogâmico, o casal idealizado e criado foi de macho e fêmea. As expressões afetivas de uma pessoa, segundo a sociedade pode querer definir casais de composições diferentes, mas, a noção bíblica não se altera, é apenas homem e mulher. Há casais segundo a sociedade de homens, de mulheres, mas, querem adotar crianças, realizar o casamento. Mas, embora eles neguem que haja a necessidade de ser homem e mulher segundo a Bíblia para que seja um casal de verdade, estranhamente no relacionamento íntimo dos mesmos sempre um toma a posição de homem e o outro a de mulher. Em alguns casos como de casais de lésbicas, umas, se assumem como homem tomando a postura de macho, com cortes e roupas e jeito masculino. Mas, num casal heterossexual cada um assume seu papel naturalmente, embora os teóricos da ideologia de gênero, queiram dizer que isso é apenas uma imposição da sociedade, cunham até termos com tom científico para dar peso as suas declarações, como heteronormatividade.

" Cremos também que o casamento foi instituído por Deus e ratificado por nosso Senhor Jesus Cristo..."

Para terminar este breve comentário sobre o último tópico do crédulo das Assembleias de Deus, queria fazer uma ênfase na frase inicial, que diz que o casamento foi instituído por Deus, se cremos em Deus, se obedecemos a sua palavra, crendo e recebendo a como palavra não de homens, mas, divinas palavras de Deus. Então está afirmação tem sobre as nossas vidas um peso de importação incontestável. Hoje no mundo todos querem se opor ao casamento, todos falam mal, o mundo jaz no maligno, mas, a tristeza nossa é que muitos crentes se somam a estes muitos, a estes todos. Mas, a Palavra de Deus permanece a mesma, tão límpida, cristalina e de pureza inalterável. Através dela Deus estabelece e ratifica o casamento, para a formação do lar e da família, na união de um homem e uma mulher.

sábado, 26 de janeiro de 2019

Série pecados 12: Escárnio

"Salmos 1: 1. BEM-AVENTURADO o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores."

Escárnio(definição)
substantivo masculino
1.
o que é feito ou dito com intenção de provocar riso ou hilariedade acerca de alguém ou algo; caçoada, troça, zombaria.
2.
atitude ou manifestação ostensiva de desdém, de menosprezo, por vezes indignada.
"olhou com e. para os eleitores que o vaiavam"(Dicionário Online)
Alguém aí se lembra da história do "sobe calvo"? Nesta história um grupo de garotos ociosos, se uniram para caçoar do profeta Eliseu, dizendo está frase acima, e ele os amaldiçoou e os mesmos foram mortos por duas ursas(2 Reis 23 a 25). O que levou estes garotos a escarnecer em de Eliseu? Penso eu que de certo, é devido a contaminação do povo de Israel com a idolatria dos povos vizinhos, graças aos desvios dos reis. Esta influência pagã, certamente alimentou comentários difamatórios contra os homens de Deus, e os via como ameaça, os jovens certamente foram influenciados por seus país ímpios, o que de certo se o profeta fosse revisar a altura, iria incorrer no risco até mesmo de ser assacinado. Alguém pode achar a atitude do profeta como exagerada, mas, a cultura em que ele vivia tinha homens muito violentos.
E falando sobre o escárnio, ele pode vir de pensamentos depreciativos em relação a quem ou de que se escarnea. Como falamos sobre a história de Eliseu, quanta mentira e calúnia é espalhada por aí, muitas de pessoas ímpias contra o povo de Deus e estas calúnias, são pano de fundo para as ações dos escarnecedores. Lembro me agora do que, nosso amado irmão no apóstolo Pedro nós disse, que nos últimos dias andariam escarnecedores de um lado para o outro, andando segundo suas próprias concupiscências, e dizendo onde está a promessa da sua vinda, por que desde que os pais morreram, tudo está como era antes ( 2. Pedro 3.3,4). Ele dizia que estes inrrefreados, andariam questionando e escarnecendo do caminho santo, como se fôssemos alguma piada. De certo que para vergonha nossa muitos têm feito de nosso caminho motivo de piada aos olhos dos ímpios, aos ouvidos daqueles que nos odeiam. Muito escândalo, muita falcatrua, muita desonra e motivo de vergonha e tristeza tem ocorrido no arraial. Mas, como diz o sacro texto, Deus não se deixa escarnecer (Gálatas 6 7 ). O que quer dizer isso? Quer dizer que Deus não se permite ser motivo de escândalo, e o texto termina dizendo que tudo o que o homem semear isto também ceifará.
Um coração altivo também gera uma postura escarnecedora. Lembremos dos soldados que vestiram Jesus de púrpura, colocaram nele uma coroa de espinhos, um canal em sua mão, e o escarneciam(Mateus 27.27 a 31). É um pecado que parte de um coração tolo e cruel, tolo pois uma pessoa sábia não desdenha de ninguém pois já entendeu que é pó e miserável quanto qualquer um, e que hoje pode no dia de amanhã pode estar na atitude daquele que sofre o escarneo. É cruel a pessoa que escarnecedores de alguém demonstra muita maldade e desejo de mal para com a vítima de suas depreciações.
Alguém pode até pensar que não, mas, num momento da vida você ter caído apanhado numa atitude de escárnio. É  só lembrar da infância quando aquele coleguinha chato, tomou um escorregão na cantina e foi a merenda toda para cima dele, e certamente vou não pensou três vezes e caiu na gargalhada. Taí pode até parecer, que não, mas nas entrelinhas seu subconsciente foi lá no fato de que ele é chato e disse:"Bem feito!" "Tomô? Distraído!" E aí neste mesmo dia alguém grita algo "engraçado a respeito, e ao envés dos risos pararem, eles aumentam. Então você me diz:
"Mas, isso não foi escarneo eu simplesmente ri, pois foi muito engraçado, não tinha como eu me segurar. "
Mas, se você fez, como que por reflexo? Por ser uma situação engraçada, sem ter tido ou pensado mal, então por que não parou de rir? Por que não fez nada para amenizar a vergonha da pessoa? Porque se você não fez nada, que te livra-se da postura de se agradar ou ter prazer naquele mal alheio, como podes pensar que não eras um escarnedor?
O texto base diz sobre a roda dos escarnecedores, o conselho dos ímpios, e o caminho dos pecadores, está roda ou grupinho, que se uni para zoar, a desgraça alheia. Donde também brotam conselhos ímpios ou seja que vão contra a Deus e o seu santo caminho que é o evangelho. Quantas vezes pessoas se unem para contar piadas sobre crentes, sobre pastores, ao mesmo tempo para difamar, contar sobre os abusos dos lobos de paletós, e contam escarnecendo de nós. "Crente é muito bobo". Mas, o Senhor nossa justiça conhece, a cada um e as suas obras não passaram impune. Mas, que sejamos vigilantes, que não venhamos a comungar com suas obras infrutuosas.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

Ponto a considerar 20: " não se abala"

"Salmos 125: 1. OS que confiam no Senhor serão como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre."
Neste ponto a considerar gostaria de me concentrar na parte que diz;" que não se abala, mais permanece para sempre.  E porque não se abala? Falar sobre isso, numa época de muitos escândalos, esfriamentos, numa época onde muitos cristãos se tem deixado abalar, se desestruturar na fé. Porque para nós cristãos, afirmar a fé de forma dogmática não é nada proveitoso, as nossas declarações de fé, precisam ser de raízes profundas, de convicções verdadeiras. Em outras palavras, se você não está disposto a morrer pelo que você acredita, então não vale apena a sua crença. Gosto da palavra confiança, pois ele traduz de forma fiel a fé que Deus quer de nós, a fé que é proveitosa para o cristão.
O pastor responsável pela região eclesiástica onde congrego contou-nos um breve testemunho, sobre isso. Ele disse que foi visitar um irmão o qual já avançado em sua idade estava enfermo, e quando chegou ao seu leito lhe perguntou:
" O irmão ainda acredita em Deus?"
Ao que o ancião lhe respondeu:
" Não, eu não acredito em Deus, eu confio em Deus"!
A palavra fé, é uma palavra ambígua, em seu sentido ela pode querer dizer, uma confissão de fé ( crédulo), uma defesa meramente intelectual de algumas idéias, a concordância com aquilo que a corrente popular ou o meio em que se está enserido professa, ou a absoluta certeza naquilo que se pensa ou que se professa. Destes o último é confiança, está é a fé de todo o coração defendida por Jesus e é a qual ele chama nos a crer, e é a qual o ancião defendeu veementemente diante do pastor. Ele foi enfático, eu confio. Ou seja eu não apenas digo, ou exponho uma fé da boca pra fora, mas, tenho fé firme, convicta, inabalável.
Note que o versículo começa usando justamente está definição de fé, ele não diz: Os que são religiosos do Senhor ( fé dogmática), ou os que concordam com o Senhor ( fé nominal também é dogmática). Ele diz; " os que confiam no Senhor".
A palavra confiança também traz uma idéia de intimidade. Deus não quer precisar de te dizer a todo o tempo:
"Pode deixar comigo".
Ele quer que você automaticamente espere por Ele, aguarde n'Ele, descanse n'Ele. Se há um relacionamento entre você e Deus, a tendência é você a medida que vai crescendo em conhecimento d'Ele, também vá crescendo em fé n'Ele. De tal forma que você passe a saber, que pode esperar n'Ele para tudo, pois é isto que diz As Escrituras em:
"Provérbios 3: 5. Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento."
De certo tenho aprendido que Deus não gosta de falar muito não, mas, Ele gosta sempre de ser ouvido. Ele diz uma vez, e não entra em detalhes, sua palavra é bem clara. Pode até não ser para os outros, mas, é clara para quem Ele está dizendo.
Se o seu conhecimento de Deus cresce e a fé não acompanha, é porque existe uma contaminação neste conhecimento, a qual tem pervertido a sua visão sobre o Altíssimo, de tal forma que você não consegue ir adiante na fé, ousar mais no Altíssimo. Um conhecimento errado sobre Deus, pode e é muito frustrante, pois não da as raízes, o firme Fundamento, que precisas para descansar em Deus.
Minha afirmação de que a fé em Deus aumenta a  medida que aumenta o seu conhecimento de Deus, se baseia na passagem que diz, " a fé vem pelo ouvir a palavra de Deus". E se a fé, vem ouvir a palavra de Deus, certamente ela também crescerá no continuo escutar de sua voz(   Romanos 10.17 ).
Mas o texto diz sobre a fé inabalável em Deus. Certamente quem confia no Senhor jamais será abalado, há duas pedras de tropeço que fazem com que as pessoas fiquem abaladas. A primeira é que sua fé é nominal, ele não confia verdadeiramente em Deus. A segunda como já afirmei sua fé em Deus se fundamenta em mentiras e equívocos sobre a pessoa de Deus, por que o seu conhecimento está contaminado.

terça-feira, 22 de janeiro de 2019

Palavra importante 30: Perdão

"Mateus 6: 12. E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores;"
A gente pode receber o perdão, pode ministrar o perdão, e pode viver o perdão. Eu já ouvi muito aquela frase, dita por pessoas amargas e insensatas, que não estão dispostas a perdoar: " Quem perdoa é Deus!" Mas, Deus condiciona o perdão d'Ele a nós atraves do nosso perdão. Se não perdoamos como podemos esperar o perdão de Deus?
Jesus certamente já viveu, em seu ministério terreno, algo bem semelhante. Quando certa vez, ele disse a um paralítico, que seus pecados lhe era perdoado. Pois naquele momento soube, vendo os corações daqueles que estavam ali, que estavam a questionar a sua dignidade em dizer aquela sentença, eles diziam em seus corações: "Quem é este que diz blasfêmias?" Outros pensavam: "Quem pode perdoar pecados, senão só Deus?" Então o mestre diante do questionamento dos mesmos resolveu complicar ainda mais a questão, ele disse: "O que é mais fácil, perdoar pecados ou dizer a  este paralítico levanta-te e anda?" Em outras palavras, nenhuma das duas coisas era fácil de se fazer, diante da ótica e capacidade humana, jamais poderiam realizar a cura daquela paralisia, e agora por incredulidade e dureza de coração estavam tornando o perdoar pecados uma coisa impossível. De certo alguns ali tinham em mente um julgamento e um ritual segundo a lei mosaica, para que se o delito cometido pelo homem podesse ser de alguma forma absorvido ele então deveria apresentar um sacrifício com o qual ele teria seu pecado expiado. E de certo os tais ficaram pasmados porque Jesus resolvia toda a questão com uma simples palavra. Outros de certo tinham em mente a limitação aparente de Jesus, um homem simples, um filho de carpinteiro, um pregador de rua, e por muitos ali um blasfemo, o desprezo que sentiam pelo mesmo preconceituava a visão deles sobre Jesus.
Mas,no mestre insistiu, o que é mais fácil? Perdoar pecados se é segundo os mesmos um ato exclusivo de Deus, e curar uma coisa impossível aos homens, logo a situação tanto física quanto espiritual do homem estava no mesmo nível. Jesus com essa pergunta ele nivela a situação física e a espiritual do homem no mesmo nível. Então estando tanto a situação física quanto a espiritual no mesmo patamar e em pé de igualdade no quesito dificuldade. Jesus dá o xeque mate no raciocínio dos fariseus: " Lucas 5: 24. Ora, para que saibais que o Filho do homem tem sobre a terra poder de perdoar pecados (disse ao paralítico), a ti te digo: Levanta-te, toma a tua cama, e vai para tua casa."( Lucas 5.17 a 26) Logo com o ato de cura de Jesus estava validando diante de todos os presentes ali, a sua autoridade e divindade como Filho de Deus. Pois aquilo que alguns fariseus razoavam entre si, sobre o fato de ser Deus o único que como rei e Senhor do universo poderia perdoar um crime contra a sua lei, ou um pecado, não estava errado, mas, eles não criam ou recebiam a Cristo Jesus como o Filho de Deus. Assim sendo aquela cura evidenciava a Jesus como Filho de Deus.
Mas Jesus estava ali, para ensinar algo novo, desconhecido por aqueles homens. Algo que José, o conhecido José do Egito, já sabia a muitos anos antes, e eles doutores da lei não sabiam. Algo que Jó, a muitos anos antes já sabia, e eles conhecendo a história de José e de Jó não sabiam. Veja que José perdoou aos seus irmãos, que lhe jogaram no buraco, odiaram, o venderam como escravo para os ismaelitas. Veja também o que Jó fez com seus amigos, que no momento de dor e sofrimento e grandes perdas, não serviram como amigos mas como inimigos como acusadores que estava ali não para lhe ajudar mas para ele investigar caçando pecados em sua vida. E o que dizer da atitude desesperada de sua esposa? Mas Jó perdoou. No entanto, há duas observações que preciso fazer:
1ª. Quando examinamos o Velho Testamento nós não encontramos um ensinamento sobre perdão, não que não haja ensinamento sobre o perdão de Deus, mas não há ensinamento estimulando as pessoas a darem o perdão ao próximo, exceto o ensinamento sobre o ano do Jubileu onde ao findar o ano seria dada como perdoada a dívida, isso digo no tocante ao pentateuco(Levíticos 25), mas, no livro de Neemias, vemos o mesmo a estimular os líderes de Israel a prática do perdão de dividas(  Neemias 5.9 a 12/ 10.31versão NTLH ). É claro que assim como Jesus deixou bem claro em seu ensinamento, diante do perdão de Deus para com os homens de seus muitos pecados, naturalmente as pessoas deveriam aprender com Deus fazer a mesma coisa que Deus fez a elas ou estava fazendo, que era perdoar. Deus estava lhes perdoando, demonstrações de perdão de Deus esta registrado em todo o Velho Testamento, desde o início até o fim. A observação porém que faço é que não havia ensinamento claro estimulando as pessoas a fazerem o mesmo que Deus fazia, as pessoas deveriam porém, aprender com o seu Deus. E isso Jesus deixou claro em seu ensinamento, e que  o perdão seria retirado se as pessoas não estendessem esse, perdão que elas receberam de Deus ao seu próximo(    Mateus 18.35 ). Embora não houvesse ensinamento claros, havia todavia exemplos, como os que nós já citamos de José e de Jó, e também de Moisés concernente a Miriam e Arão quando os mesmos murmuraram de sua pessoa (    Gênesis 45/ Jó 42. 7 a 10  ). Não está ali escrito uma declaração de Moisés, dizendo perdoo, mas o relacionamento do mesmo, com seus irmãos mostra esse fato.
Ainda podemos acrescentar o mandamento de amar o próximo, o qual sendo visto da forma certa por estes mestres certamente os levaria a inerrante conclusão de que deveriam perdoar aqueles que os tem ofendido. Esta verdade Jesus ensinou nós evangelhos com muita clareza (  Mateus 6.9a 15/ 7.12/Lucas 10.25 a 37   ).
2ª. O texto de Lucas em si, mostra o perdão por parte de Jesus, não de um pecado cometido contra a pessoa dele diretamente, de Jesus como homem, por isso alguns dali questionavam isso. Observo talvez, que se fossem cometidos contra ele como pessoa, não questionariam. Por isso, diziam que este tipo de postura caberia só a Deus, a postura de perdoar o pecado que era cometido contra o outro, pois na verdade todo o pecado é cometido contra Deus. Isso não seria nenhuma pedra de tropeço para eles, se cressem que Jesus era o filho de Deus, e eles não criam. Logo o verdadeiro embate naquele dia, nem era se Jesus deveria ou não perdoar aquele homem, ou se aquele homem deveria ou não receber o perdão, mas, era a divindade de Jesus.
Resumindo, como não criam que Jesus era o filho de Deus, o vendo apenas como um homem qualquer, como um profeta, ou mestre, então não conseguiam por isso, aceitar que ele promulgasse o perdão dos pecados daquele homem. Por isso alguns achavam que ele estava blasfemando. Portanto quando Jesus, os colocou frente a frente a outra impossibilidade que era a da cura, ele deu um fim nesta questão, mostrando para eles, que ele tanto tinha autoridade para curar como para perdoar.
Meu objetivo em tocar então neste passagem, que como disse está mais focada na divindade de Jesus, do que propriamente no perdão, é mostrar que assim como naquela época hoje em dia há pessoas que agem como aqueles doutores da lei, negam o perdão ao seu próximo, dizendo que só Deus perdoa. E estou dizendo de perdoar aquele pecado cometido contra ele, daquele no qual ele está envolvido como vítima. Não estou dizendo daquele pecado no qual ele não foi afetado, pois a este sim, cabe só a Deus. No tocante a isso o pecado tem três esferas de relação, o pecar contra si mesmo, o contra o próximo, e o contra Deus. Todo o pecado é contra Deus, mas, há pecados que é contra si mesmo, e a maioria deles é contra o próximo. Quando o pecado é contra si mesmo, cabe você se perdoar e aí então pedir perdão a Deus. Quando é contra o próximo cabe a ele te perdoar e também a Deus. E quando é só contra Deus cabe só a Ele. Acontece que neste caso devido a um coração orgulhoso, quando o pecado é contra o próximo e contra Deus, pode ser que o próximo não queira perdoar. Sendo assim, você já tendo o perdão de Deus, a situação se inverte, agora é você que precisa perdoa-lo por te negar o perdão, uma vez que vens a ele arrependido e ele tão duramente não te perdoa. Neste caso é você quem deve em seu coração perdoa-lo por tal atitude, pois sabes que naquilo que depende de ti você está em paz com ele(  Romanos 12.18  ). Quando ele finalmente poder te perdoar, isto será uma benção para ele mesmo que terá o coração curado. É justamente nestes casos que as pessoas por orgulho, gostam de usar o argumento dos doutores da lei, dizendo que não cabe a eles e sim unicamente a Deus, só na verdade cabe só a eles pois da parte de Deus ele está sempre pronto a perdoar. Não é necessário sacrifício pois no sacrifício que é Cristo já foi feito. É necessário apenas um coração contrito e pronto a perdoar.
Na parábola do "Credor incompassivo( ou que não demonstra compaixão)", vemos o claro ensinamento de Jesus sobre isso(   Mateus 18. 23 a 35). O homem que foi perdoado pelo rei de uma dívida impagável, que em sequência não teve misericórdia de seu companheiro por uma pequenina dívida. Por consequência quando o rei soube, que seu súdito a quem ele usara de misericórdia, recusara se a usar de misericórdia com seu companheiro por causa de uma miséria, então indignado o rei, suspende o perdão e condena o credor incompassivo. Jesus conclui a parábola dizendo que assim fará o Senhor a nós se de coração não perdoarmos aos nossos devedores.

Leia mais...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...